Converso - Converso

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

A converso ( espanhol:  [komˈbeɾso] ; português:  [kõˈvɛɾsu] ; forma feminina conversa ), "converter", (do latim conversvs  'convertido, virado') era um judeu que se converteu ao catolicismo na Espanha ou em Portugal , especialmente durante o Séculos 14 e 15, ou um de seus descendentes.

Para salvaguardar a população de cristãos-velhos e garantir que os conversos " cristãos-novos " fossem fiéis à sua nova fé, o Santo Ofício da Inquisição foi estabelecido na Espanha em 1478. Os monarcas católicos Fernando e Isabel expulsaram os judeus praticantes abertamente restantes da Alhambra decreto de 1492, após a Reconquista Cristã (reconquista) da Espanha. No entanto, mesmo uma proporção significativa desses judeus praticantes remanescentes escolheu se juntar à já grande comunidade converso em vez de enfrentar o exílio.

Os conversos que não abraçaram total ou genuinamente o catolicismo, mas continuaram a praticar o judaísmo em segredo , eram chamados de judaizantes (" judaizantes ") e pejorativamente de marranos ("porcos").

Os novos convertidos cristãos de origem muçulmana eram conhecidos como mouriscos . Ao contrário dos conversos judeus , os mouriscos foram sujeitos a um decreto de expulsão mesmo depois de sua conversão ao catolicismo, que foi implementado severamente em Valência e em Aragão e menos em outras partes da Espanha.

Os conversos desempenharam um papel vital na Revolta dos Comuneros de 1520-1521 , uma revolta popular e guerra civil centrada na região de Castela contra as pretensões imperiais da monarquia espanhola.

História

Ferrand Martínez , arquidiácono de Écija , dirigiu uma campanha anti-semita de 13 anos que começou em 1378. Martínez usou uma série de sermões provocativos, por meio dos quais condenou abertamente os judeus com pouca ou nenhuma oposição. Ele reuniu não-judeus contra os judeus criando um estado constante de medo por meio de tumultos. Os esforços de Martínez levaram a uma série de surtos em 4 de junho de 1391, onde várias sinagogas em Sevilha foram totalmente queimadas e igrejas foram erguidas em seu lugar. Em meio a esse surto, muitos judeus fugiram do país, alguns se converteram ao cristianismo por medo e alguns foram vendidos aos muçulmanos. Martínez deu início à maior conversão forçada em massa de judeus na Espanha.

Tanto a Igreja quanto a Coroa não haviam previsto tal conversão em grande escala, decorrente de uma campanha anti-semita não planejada liderada por Ferrand Martínez. Os novos convertidos, muitos dos quais foram forçados, devido ao seu grande número, foram vítimas de um novo problema. Um problema que resolveu temporariamente a presença judaica na Espanha, no entanto, levou à criação de um novo grupo que não era totalmente católico ou judeu.

Os conversos, que agora eram cidadãos totalmente privilegiados, competiam em todos os aspectos da esfera econômica. Isso resultou em uma nova onda de anti-semitismo racial direcionado aos conversos. Este anti-semitismo evoluiu para pequenos e grandes distúrbios em Toledo, 1449, que agora oprimia não os judeus pelos cristãos, mas os cristãos-novos (conversos) pelos cristãos-velhos. Assim, a Coroa estabeleceu uma Inquisição Nacional em 1478, que testaria a lealdade e pureza de um cristão recém-batizado (converso). Devido à opressão contínua, alguns judeus e conversos fugiram da Espanha, outros criaram uma comunidade para garantir a sobrevivência do judaísmo na Península Ibérica, embora praticando o cristianismo exteriormente.

Perpetuação da herança judaica

As conversas desempenharam um papel fundamental em manter vivas as tradições judaicas, observando muitos feriados judaicos como o Shabat. Conversas cozinhavam e assavam pratos tradicionais judaicos em homenagem ao sábado (começando no pôr do sol de sexta-feira), Yom Kippur e outros feriados religiosos. Durante festivais como Sucot e Páscoa , os Conversas participavam dando artigos de vestuário e ornamentos para mulheres judias, participando de um seder ou obtendo uma matzá assada . Os conversas garantiam que sua família mantivesse regulamentos dietéticos semelhantes aos de seus colegas judeus, comendo apenas pássaros kosher e outros animais. Os Conversas também contribuíram financeiramente para o crescimento da comunidade Judaica / Converso e da sinagoga. A comunidade judaica e os conversos trocaram livros e conhecimentos, os judeus ensinaram os conversos a ler para garantir o crescimento constante de sua herança judaica. Para se posicionar contra a igreja e seus princípios, alguns conversos realizavam trabalhos profissionais até aos domingos.

O tradicional Purim judaico era mantido pelos conversos sob o disfarce de um feriado cristão, que o chamaram de " Festival de Santa Esterica ".

Descrição

Os conversos estavam sujeitos a suspeitas e perseguições tanto por parte do que restava da comunidade da qual estavam saindo quanto por parte daquela da qual ingressavam. Cristãos e judeus os chamavam de tornadizo (renegados). Jaime I , Alfonso X e João I aprovaram leis proibindo o uso desse epíteto. Isso fazia parte de um padrão mais amplo de supervisão real, pois as leis eram promulgadas para proteger suas propriedades, proibir tentativas de convertê-los de volta ao judaísmo ou à fé muçulmana e regular seu comportamento, evitando sua coabitação ou mesmo jantar com judeus, para que não se convertessem voltar.

Conversos não gozava de igualdade jurídica. Alfonso VII proibiu o "recém-convertido" de ocupar cargos em Toledo . Eles tinham apoiadores e adversários ferrenhos no secular cristão de aceitação geral, mas se tornaram alvos de pogroms ocasionais durante épocas de tensão social (como durante uma epidemia e depois de um terremoto). Eles foram submetidos às inquisições espanholas e portuguesas .

Enquanto o "sangue puro" (chamado limpieza de sangre ), livre da "mácula" da linhagem não cristã, seria colocado em um prêmio, especialmente entre a nobreza, em uma defesa dos conversos do século 15 , bispo Lope de Barrientos listaria o que Roth chama de "um verdadeiro 'Quem é Quem' da nobreza espanhola" como tendo membros conversos ou descendentes de conversos . Ele apontou que, dada a conversão quase universal dos judeus ibéricos durante a época visigótica , (citando Roth) "[Quem] entre os cristãos da Espanha poderia estar certo de que ele não é um descendente daqueles conversos ?"

Com os avanços da ciência capazes de rastrear a ancestralidade dos indivíduos por meio de seu DNA, de acordo com um estudo amplamente divulgado (dezembro de 2008) no American Journal of Human Genetics , os modernos espanhóis (e portugueses) têm uma mistura média de 19,8 por cento de ancestrais originários do Oriente Próximo durante os tempos históricos (ou seja, fenícios, cartagineses, judeus e árabes do Levante) - em comparação com 10,6 por cento da mistura norte-africana - berbere. Essa proporção pode chegar a 23% no caso dos latino-americanos, porém, de acordo com um estudo publicado na Nature Communications . A proporção possivelmente maior de ascendência judaica significativa na população latino-americana poderia resultar do aumento da emigração de Conversos para o Novo Mundo para evitar a perseguição pela Inquisição Espanhola .

Por país

Na Espanha

Os Chuetas são um grupo social atual na ilha espanhola de Maiorca , no Mar Mediterrâneo , que são descendentes de judeus maiorquinos que foram conversos (convertidos à força ao cristianismo) ou criptojudeus , forçados a manter sua religião escondida. Eles praticavam endogamia estrita , casando-se apenas dentro de seu próprio grupo.

Os Chuetas foram estigmatizados até hoje nas Ilhas Baleares. Na última parte do século 20, a disseminação da liberdade de religião e laïcité reduziu tanto a pressão social quanto os laços comunitários. Estima-se que 18.000 pessoas na ilha carreguem sobrenomes Chueta no século 21.

Tudo isso, porém, não implica a eliminação total dos comportamentos de rejeição, como indica uma pesquisa realizada entre os maiorquinos pela Universidade das Baleares em 2001, na qual 30% afirmaram que nunca se casariam com um Chueta e 5% declararam que nem querem ter amigos Chueta.

Na Itália

Grupos específicos de conversos deixaram a Espanha e Portugal após a Inquisição Espanhola em 1492, em busca de uma vida melhor. Eles partiram para outras partes da Europa, especialmente para a Itália, onde eram inevitavelmente vistos com suspeita e perseguição, tanto em suas antigas quanto em suas novas comunidades. Posteriormente, muitos conversos que chegaram às cidades italianas não abraçaram abertamente o seu judaísmo, pois foram tentados pelas vantagens que poderiam buscar no mundo cristão.

As três primeiras cidades a aceitar os conversos que se converteram abertamente ao judaísmo foram Florença, Ferrara e Ancona. A maioria desses conversos apareceu após 1536 de Portugal, e a maioria viveu em Florença . Em 1549, o duque Cosimo de 'Medici permitiu que os conversos portugueses comercializassem e residissem em Florença. A maioria dos judeus reconvertidos vivia no gueto de Florença e, em 1705, havia 453 judeus na cidade.

Os conversos chegaram a Ferrara em 1535, e puderam se assimilar com seus vizinhos, realizar circuncisões e retornar abertamente ao judaísmo, devido às Cartas Patentes emitidas pelo duque Ercole II . Após a praga de 1505 e a queda final de Ferrara em 1551, muitos desses judeus se mudaram para o norte, em direção aos portos economicamente estáveis ​​de Veneza. Veneza lentamente se tornou um centro para conversos que pararam temporariamente em seu caminho para a Turquia ou permaneceram como residentes permanentes no porto da comunidade judaica do gueto. Os líderes venezianos foram convencidos a aceitar abertamente os conversos para praticar o judaísmo porque reconheceram que, se os conversos não fossem bem-vindos em Veneza, eles levariam seus negócios bem-sucedidos para o rival econômico do país, a Turquia. Um converso português em Veneza, chamado Abraham de Almeda, fortemente ligado ao cristianismo, porém, recorreu aos membros judeus de sua família quando precisavam de financiamento para apoio moral. Como resultado, muitos dos conversos durante este período lutaram com suas identidades cristã e judaica.

Os conversos na cidade de Ancona enfrentaram vidas difíceis vivendo sob o papa e acabaram fugindo para Ferrara em 1555. Os conversos portugueses em Ancona foram falsamente enganados, dizendo que eram bem-vindos a Ancona e que poderiam se converter abertamente de volta ao judaísmo. Seu destino foi anulado pelo papa que o sucedeu, o Papa Paulo IV . Os conversos em Ancona enfrentaram danos emocionais traumáticos depois que o papa prendeu 102 conversos que se recusaram a residir no gueto e usar distintivos para se distinguir. Em 1588, quando o duque concedeu foral de residência em troca dos conversos que construíam a economia da cidade, eles recusaram, devido ao ceticismo acumulado.


Veja também


Leitura adicional

  • Alberro, Solange. Inquisición y sociedad en México, 1571–1700 . Cidade do México: Fondo de Cultura Económica 1993.
  • Alexy, T. The Marrano Legacy: A Contemporary Crypto-Jewish Priest Reveals Secrets of Your Double Life . University of New Mexico Press 2002. ISBN   978-0-8263-3055-0 . OCLC 51059087.
  • Amelang, James. Historias paralelas: Judeoconversos y moriscos en la España moderna . Madrid: Ediciones Akal , 2011.
  • Beinart, Haim. "Os Conversos em Espanha e Portugal nos séculos XVI a XVIII", in Moreshet Sepharad: TheSephardi Legacy , ed. Haim Beinart. Jerusalém: The Magnes Press, 1992.
  • Beinart, Haim. "The Records of the Inquisition: A Source of Jewish and Converso History", Proceedings of the Israel Academy of Sciences and Humanities 2 (1968).
  • Beinart, Haim. Conversos ante la inquisición . Jerusalém: Universidade Hebraica de 1965.
  • Bodian, Miriam. Hebreus da Nação Portuguesa: Conversos e Comunidade na Amsterdã Moderna . Bloomington: Indiana University Press, 1997.
  • Bodian, Miriam. “'Men of the Nation': The Shaping of Converso Identity in Early Modern Europe". Past & Present 143 (1994): 48-76.
  • Brooks, Andrée Aelion. A Mulher que Desafiou os Reis: a vida e os tempos de Dona Gracia Nasi , Paragon House, 2002. ISBN   1557788294
  • Dirks, Doris A. "Farei com que a Inquisição queime você e suas irmãs: O papel do gênero e da bondade nas acusações contra os Conversas." Magistra 6.2 (2000): 28.
  • Domínguez Ortiz, Antonio. Los judeoconversos en la España moderna . Madrid: Editorial MAPFRE, 1992.
  • Gerber, Jane S. Os judeus da Espanha: uma história da experiência sefardita . Nova York: The Free Press 1994. ISBN   978-0029115749 .
  • Gitlitz, David. Sigilo e engano: The Religion of the Crypto-Judeus , Albuquerque, NM: University of New Mexico Press, 2002. ISBN   082632813X
  • Gojman de Backal, Alicia. "Conversos" na Enciclopédia do México . Chicago: Fitzroy Dearborn 1997, vol. 1, pp. 340–344.
  • Gojman Goldberg, Alicia. Los conversos en la Nueva España . Cidade do México: Enep-Acatlan, UNAM 1984.
  • Greenleaf, Richard E. A Inquisição Mexicana no Século XVI . Albuquerque: University of New Mexico Press 1969.
  • Jacobs, J. Hidden Heritage: The Legacy of the Crypto-Judeus . University of California Press 2002. ISBN   978-0-520-23517-5 . OCLC 48920842.
  • Kamen, Henry. A Inquisição Espanhola . Londres: Weidenfeld e Nicolson 1965.
  • Lafaye, Jacques. Cruzadas y Utopias: El judeocristianismo en las sociedades Ibéricas . Cidade do México: Fondo de Cultura Económica 1984.
  • Lanning, John Tate . "Legitimidade e limpeza de sangre na prática da medicina no Império espanhol." Jahrbuch für Geschicte 4 (1967)
  • Liebman, Seymour. Los Judíos no México e na América Central . Cidade do México: Siglo XXI 1971.
  • Martínez, Maria Elena. "Limpieza de Sangre" em Encyclopedia of Mexico , vol. 1, pp. 749–752. Chicago: Fitzroy Dearborn 1997.
  • Navarrete Peláez, María Cristina. "Judeoconversos en el Nuevo Reino de Granada." In Los judíos en Colombia: Una aproximación histórica , editado por Adelaida Sourdis Nájera e Alfonso Velasco Rojas, 26–52. Madrid: Casa Sefarad Israel, 2011.
  • Navarrete Peláez, María Cristina .. La diáspora judeoconversa en Colombia, siglos XVI e XVII: Incertidumbres de su arribo, estabelecimento e perseguição . Cali: Universidad del Valle, 2010.
  • Novoa, Nelson. Ser a Nação na Cidade Eterna: novas vidas cristãs na Roma do século XVI . Peterborough: Baywolf Press 2014
  • Pulido Serrano, Juan Ignacio. "Converso cumplicidades em uma monarquia atlântica: conflitos políticos e sociais por trás das perseguições inquisitoriais". Em Os Conversos e Mouriscos na Espanha e além da Idade Média tardia , Volume Três: Pessoas Deslocadas, editado por KevinIngram e Juan Ignacio Pulido Serrano, 117–128. Leiden: Brill, 2015.
  • Pulido Serrano, Juan Ignacio. "Aspectos Políticos do Problema do Converso: Sobre a Restauraçao Portuguesa de 1640". Em The Conversos and Moriscos in Late Medieval Spain and Beyond , Volume Two: The Morisco Issue, editado por Kevin Ingram, 219-246. Leiden: Brill, 2012.
  • Roth, Norman, Conversos, Inquisition, and the Expulsion of the Jewish from Spain , Madison, WI: University of Wisconsin Press, 1995. ISBN   0299142302
  • Saban, Mario Javier. Judíos Conversos: Los antepasados ​​judíos de las familias tradicionales argentinas . Buenos Aires: Editorial Distal, 1990.
  • Semente, Patricia. To Love, Honor and Obey in Colonial Mexico: Conflicts over Marriage Choices, 1574–1821 . Stanford: Stanford University Press 1988.
  • Sicroff, Albert A. Los estatutos de limpieza de sangre . Traduzido por Mauro Armiño. Madrid: Tauros 1985.
  • Soyer, François. “'Não é possível ser judeu e cristão': Converso Identidade Religiosa e o Julgamento Inquisitorial de Custódio Nunes (1604–5).” Mediterranean Historical Review 26 (2011): 81–97.
  • Tobias, HJ Uma História dos Judeus no Novo México . University of New Mexico Press 1992. [página necessária]. ISBN   978-0-8263-1390-4 . OCLC 36645510
  • Ventura, Maria da Graça A. "Los judeoconversos portugueses en el Perú del siglo XVII: Redes de complicidad". In Familia, Religión y Negocio: El sefardismo en las relaciones entre el mundo ibérico y los Países Bajos en la Edad Moderna , editado por Jaime Contreras, Bernardo J. García García, e Ignacio Pulido, 391–406. Madrid: Fundación Carlos Amberes, 2002.

Referências

links externos