Sociedade de Jesus - Society of Jesus

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Sociedade de jesus
Ihs-logo.svg
Cristograma Oficial
Abreviação SJ
Formação 27 de setembro de 1540 ; 480 anos atrás  ( 1540-09-27 )
Fundadores Inácio de Loyola
Francisco Xavier
Pedro Faber
Alfonso Salmeron
Diego Laínez
Nicolau Bobadilla
Simão Rodrigues
Fundado em Paris , França
oficializada em Roma , Lazio ( antiga região da Itália Central do Lácio ), Itália
Modelo Ordem dos clérigos regulares de direito pontifício (para homens)
Quartel general Cúria Geral
Borgo S. Spirito 4, CP 6139, 00195 Roma-Prati, Itália
Coordenadas 41 ° 54′4,9 ″ N 12 ° 27′38,2 ″ E  /  41,901361 ° N 12,460611 ° E  / 41,901361; 12,460611 Coordenadas : 41 ° 54′4,9 ″ N 12 ° 27′38,2 ″ E  /  41,901361 ° N 12,460611 ° E  / 41,901361; 12,460611
Membros
16.378
Arturo Sosa
Santo padroeiro
São José
Santíssima Virgem Maria (sob o título Madonna Della Strada)
Local na rede Internet www .jesuits .global Edite isso no Wikidata

A Sociedade de Jesus ( SJ ; latim : Societas Iesu ) é uma ordem religiosa da Igreja Católica com sede em Roma . Foi fundada por Inácio de Loyola e seis companheiros com a aprovação do Papa Paulo III em 1540. Os membros são chamados Jesuítas ( / ɛ zj u ɪ t / ; Latina : Iesuitæ ). A sociedade está engajada na evangelização e ministério apostólico em 112 nações. Os jesuítas trabalham com educação, pesquisa e atividades culturais. Os jesuítas também ministram retiros, ministram em hospitais e paróquias, patrocinam ministérios sociais diretos e promovem o diálogo ecumênico .

A Companhia de Jesus é consagrada sob o patrocínio de Madonna Della Strada , um título da Bem - Aventurada Virgem Maria , e é dirigida por um Superior Geral . A sede da sociedade, sua Cúria Geral , está em Roma. A Cúria histórica de Inácio agora faz parte do Collegio del Gesù ligado à Igreja do Gesù , a igreja mãe dos Jesuítas .

Espera-se que os membros da Companhia de Jesus aceitem ordens para ir a qualquer lugar do mundo, onde possam ser obrigados a viver em condições extremas. Isso porque Santo Inácio, seu principal fundador, era um nobre com formação militar. Nesse sentido, as linhas iniciais do documento fundador declaravam que a sociedade foi fundada para “quem deseja servir como soldado de Deus, se esforce especialmente pela defesa e propagação da fé, e pelo progresso das almas na vida e na doutrina cristãs " Os jesuítas são por vezes referidos coloquialmente como "soldados de Deus", "fuzileiros navais de Deus" ou "a Companhia". A sociedade participou da Contra-Reforma e, posteriormente, da implementação do Concílio Vaticano II .

História

Fundação

Santo Inácio de Loyola , um nobre de Navarra da região dos Pirenéus , no norte da Espanha, fundou a sociedade após discernir sua vocação espiritual enquanto se recuperava de uma ferida sofrida na Batalha de Pamplona . Ele compôs os Exercícios Espirituais para ajudar outros a seguir os ensinamentos de Jesus Cristo . Em 1534, Inácio e seis outros jovens, incluindo Francisco Xavier e Pedro Faber , reuniram e professaram votos de pobreza, castidade e, posteriormente , obediência , incluindo um voto especial de obediência ao Papa em questões de direção e missão missionária. O plano de Inácio para a organização da ordem foi aprovado pelo Papa Paulo III em 1540 por uma bula contendo a "Fórmula do Instituto".

Em 15 de agosto de 1534, Inácio de Loyola (nascido Íñigo López de Loyola), um espanhol da cidade basca de Loyola , e seis outros principalmente de origem castelhana , todos estudantes da Universidade de Paris , se encontraram em Montmartre, fora de Paris, em uma cripta abaixo da igreja de Saint Denis , hoje Saint Pierre de Montmartre , para pronunciar os votos religiosos de pobreza, castidade e obediência. Os seis companheiros de Inácio eram: Francisco Xavier de Navarra ( moderna Espanha ), Alfonso Salmeron , Diego Laínez , Nicolás Bobadilla de Castela ( moderna Espanha ), Peter Faber de Sabóia e Simão Rodrigues de Portugal . O encontro foi comemorado no Martyrium de Saint Denis, Montmartre . Eles se autodenominavam Compañía de Jesús e também Amigos en El Señor ou "Amigos no Senhor", porque se sentiam "colocados juntos por Cristo". O nome "companhia" tinha ecos dos militares (refletindo talvez a origem de Inácio como capitão do exército espanhol ), bem como do discipulado (os "companheiros" de Jesus). O espanhol "companhia" seria traduzido para o latim como societas como in socius , um parceiro ou camarada. Disto surgiu a "Sociedade de Jesus" (SJ), pela qual seriam mais amplamente conhecidos.

As ordens religiosas estabelecidas na era medieval receberam o nome de alguns homens: Francisco de Assis (franciscanos), Domingo de Guzmán , mais tarde canonizado como São Domingos (dominicanos); e Agostinho de Hipona (agostinianos). Inácio de Loyola e seus seguidores se apropriaram do nome de Jesus para sua nova ordem, provocando ressentimento em outras ordens que o consideravam presunçoso. O ressentimento foi registrado pelo jesuíta José de Acosta em uma conversa com o arcebispo de Santo Domingo. Nas palavras de um historiador: "O uso do nome Jesus ofendeu muito. Tanto no continente como na Inglaterra, foi denunciado como blasfemo; petições foram enviadas aos reis e aos tribunais civis e eclesiásticos para que fosse alterado; e até Papa Sixtus V tinha assinado um Brief para acabar com isso. " Mas nada veio de toda a oposição; já havia congregações com o nome da Trindade e como "filhas de Deus".

Em 1537, os sete viajaram para a Itália para buscar a aprovação papal para seu pedido . O Papa Paulo III deu-lhes uma recomendação e permitiu que fossem ordenados sacerdotes. Essas etapas iniciais levaram à fundação oficial em 1540.

Eles foram ordenados em Veneza pelo bispo de Arbe (24 de junho). Eles se dedicaram à pregação e à obra de caridade na Itália . A Guerra Italiana de 1535-1538, renovada entre Carlos V, Sacro Imperador Romano , Veneza , o Papa e o Império Otomano , tornou qualquer viagem a Jerusalém impossível.

Novamente em 1540, eles apresentaram o projeto a Paulo III. Após meses de disputa, uma congregação de cardeais informou favoravelmente sobre a Constituição apresentada, e Paulo III confirmou a ordem por meio da bula Regimini militantis ecclesiae ("Ao Governo da Igreja Militante"), em 27 de setembro de 1540. Este é o documento fundador da Sociedade de Jesus como uma ordem religiosa católica oficial. Inácio foi escolhido como o primeiro Superior geral . A bula de Paulo III havia limitado o número de seus membros a sessenta. Essa limitação foi removida por meio da bula Exposcit debitum de Julius III em 1550.

Inácio expôs sua visão original para a nova ordem na "Fórmula do Instituto da Companhia de Jesus", que é "a carta fundamental da ordem, da qual todos os documentos oficiais subsequentes foram elaborados e aos quais eles deveriam se conformar" . Ele garantiu que sua fórmula estivesse contida em duas bulas papais assinadas pelo Papa Paulo III em 1540 e pelo Papa Júlio III em 1550. A fórmula expressava a natureza, espiritualidade, vida comunitária e apostolado da nova ordem religiosa. Sua famosa declaração de abertura ecoou o passado militar de Inácio:

Um afresco representando Inácio recebendo a bula papal do Papa Paulo III foi criado depois de 1743 por Johann Christoph Handke na Igreja de Nossa Senhora das Neves em Olomouc

Quem deseja servir como soldado de Deus sob a bandeira da Cruz em nossa Sociedade, que desejamos ser designados pelo Nome de Jesus, e servir somente ao Senhor e à Igreja, sua esposa, sob o Romano Pontífice, o Vigário de Cristo na terra, após um voto solene de castidade perpétua, pobreza e obediência, deve ter em mente o que se segue. Ele é membro de uma Sociedade fundada principalmente para este propósito: lutar especialmente pela defesa e propagação da fé e pelo progresso das almas na vida e doutrina cristãs, por meio de pregação pública, palestras e qualquer outro ministério que seja do Palavra de Deus, e ainda por meio de retiros, a educação de crianças e pessoas iletradas no cristianismo e a consolação espiritual dos fiéis de Cristo por meio de confissões ouvindo e administrando os outros sacramentos. Além disso, deve mostrar-se pronto para reconciliar os alienados, auxiliar e servir compassivamente os que se encontram em prisões ou hospitais e, de fato, realizar quaisquer outras obras de caridade, conforme o que lhe parecer conveniente para a glória de Deus e o bem comum. .

Jesuítas na corte de Akbar na Índia, c. 1605

No cumprimento da missão da "Fórmula do Instituto da Sociedade", os primeiros Jesuítas concentraram-se em algumas atividades-chave. Primeiro, eles fundaram escolas em toda a Europa. Os professores jesuítas eram treinados tanto em estudos clássicos quanto em teologia , e suas escolas refletiam isso. Em segundo lugar, eles enviaram missionários por todo o mundo para evangelizar aqueles povos que ainda não tinham ouvido o Evangelho , fundando missões em regiões amplamente diversas, como o atual Paraguai , Japão , Ontário e Etiópia . Um dos sete originais chegou à Índia já em 1541. Finalmente, embora não inicialmente formado para o propósito, eles visavam impedir a propagação do protestantismo e preservar a comunhão com Roma e o sucessor de São Pedro . O zelo dos jesuítas superou o movimento em direção ao protestantismo na Comunidade polonesa-lituana e no sul da Alemanha .

Inácio escreveu as Constituições Jesuítas , adotadas em 1553, que criaram uma organização centralizada e enfatizaram a aceitação de qualquer missão para a qual o Papa os chamasse. Seu princípio principal tornou-se o lema jesuíta não oficial: Ad Maiorem Dei Gloriam ("Para a maior glória de Deus"). Essa frase visa refletir a ideia de que qualquer obra que não seja má pode ser meritória para a vida espiritual se for realizada com esse propósito, mesmo coisas normalmente consideradas de pouca importância.

A Companhia de Jesus é classificada entre os institutos como uma ordem mendicante de escriturários regulares , ou seja, um corpo de padres organizado para o trabalho apostólico , seguindo uma regra religiosa , e contando com esmolas , ou doações, para o sustento.

O termo jesuíta (de origem no século 15, significando alguém que usava com muita frequência ou se apropriava do nome de Jesus ) foi aplicado pela primeira vez à sociedade em repreensão (1544-1552). O termo nunca foi usado por Inácio de Loyola, mas com o tempo, membros e amigos da sociedade adotaram o nome com um significado positivo.

Trabalhos iniciais

Os jesuítas foram fundados pouco antes do Concílio de Trento (1545–1563) e da Contra-Reforma subsequente que introduziria reformas dentro da Igreja Católica e, assim, se oporia à Reforma Protestante em toda a Europa Católica.

Inácio e os primeiros jesuítas reconheceram, porém, que a igreja hierárquica precisava urgentemente de reforma. Algumas de suas maiores lutas foram contra a corrupção, venalidade e lassidão espiritual dentro da Igreja Católica. Inácio insistia em um alto nível de preparação acadêmica para o clero, em contraste com a educação relativamente pobre de grande parte do clero de sua época. E o voto dos jesuítas contra "prelacias ambiciosas" pode ser visto como um esforço para neutralizar outro problema evidenciado no século anterior.

Inácio e os jesuítas que o seguiram acreditavam que a reforma da Igreja deveria começar com a conversão do coração de um indivíduo. Uma das principais ferramentas que os jesuítas usaram para realizar essa conversão é o retiro inaciano, chamado de Exercícios Espirituais . Durante um período de silêncio de quatro semanas, os indivíduos passam por uma série de meditações dirigidas sobre o propósito da vida e contemplações sobre a vida de Cristo. Eles se encontram regularmente com um diretor espiritual que orienta sua escolha de exercícios e os ajuda a desenvolver um amor mais perspicaz por Cristo.

O retiro segue um padrão "Purgativo-Iluminativo-Unitivo" na tradição da espiritualidade de João Cassiano e dos Padres do Deserto . A inovação de Inácio foi tornar esse estilo de misticismo contemplativo disponível para todas as pessoas na vida ativa. Além disso, ele o usou como meio de reconstruir a vida espiritual da igreja. Os Exercícios tornaram-se ao mesmo tempo a base da formação dos Jesuítas e um dos ministérios essenciais da ordem: dar os exercícios a outros no que ficou conhecido como "retiros".

As contribuições dos jesuítas para o final do Renascimento foram significativas em seus papéis tanto como ordem missionária quanto como a primeira ordem religiosa a operar faculdades e universidades como ministério principal e distinto. Na época da morte de Inácio em 1556, os jesuítas já operavam uma rede de 74 faculdades em três continentes. Um precursor da educação liberal , o plano de estudos dos jesuítas incorporou os ensinamentos clássicos do humanismo renascentista à estrutura escolástica do pensamento católico.

Além dos ensinamentos da , o Jesuit Ratio Studiorum (1599) padronizaria o estudo do latim , grego , literatura clássica, poesia e filosofia, bem como línguas, ciências e artes não europeias. Além disso, as escolas jesuítas encorajaram o estudo da literatura vernácula e da retórica , tornando-se assim centros importantes para o treinamento de advogados e funcionários públicos.

As escolas jesuítas desempenharam um papel importante na reconquista para o catolicismo uma série de países europeus que foram por um tempo predominantemente protestantes, principalmente a Polônia e a Lituânia . Hoje, faculdades e universidades jesuítas estão localizadas em mais de cem nações ao redor do mundo. Sob a noção de que Deus pode ser encontrado por meio das coisas criadas e especialmente da arte, eles encorajaram o uso da cerimônia e da decoração no ritual e na devoção católica. Talvez como resultado dessa apreciação pela arte, juntamente com sua prática espiritual de "encontrar Deus em todas as coisas", muitos dos primeiros jesuítas se destacaram nas artes visuais e performáticas , bem como na música. O teatro era uma forma de expressão especialmente proeminente nas escolas jesuítas.

Os padres jesuítas muitas vezes agiam como confessores de reis durante o início do período moderno . Eles foram uma força importante na Contra-Reforma e nas missões católicas, em parte porque sua estrutura relativamente frouxa (sem os requisitos de vida e celebração da Liturgia das Horas em comum) permitiu-lhes ser flexíveis e atender às diversas necessidades surgidas em A Hora.

Expansão

Missionário jesuíta , pintura de 1779
Sino feito em Portugal para a Igreja Nanbanji administrada por Jesuítas no Japão, 1576–1587

Depois de muito treinamento e experiência em teologia, os jesuítas percorreram o mundo em busca de convertidos ao cristianismo. Apesar de sua dedicação, eles tiveram pouco sucesso na Ásia, exceto nas Filipinas . Por exemplo, as primeiras missões no Japão resultaram na concessão do governo aos jesuítas do feudo feudal de Nagasaki em 1580. Este foi removido em 1587 devido a temores sobre sua crescente influência. Os jesuítas, entretanto, tiveram muito sucesso na América Latina. Sua ascensão nas sociedades nas Américas se acelerou durante o século XVII, quando os jesuítas criaram novas missões no Peru, Colômbia e Bolívia; já em 1603, havia 345 padres jesuítas só no México.

Francisco Xavier, um dos primeiros companheiros de Loyola , chegou a Goa , na Índia portuguesa , em 1541 para considerar o serviço evangélico nas Índias. Em uma carta de 1545 a João III de Portugal, ele solicitou que uma Inquisição fosse instalada em Goa (ver Inquisição de Goa) . Ele morreu na China após uma década de evangelismo no sul da Índia. Em Goa, a Inquisição também processou os violadores das proibições contra a observância de ritos ou festivais hindus ou muçulmanos, ou interferiu nas tentativas portuguesas de converter não-cristãos ao catolicismo. A Inquisição era o sistema judiciário sobre católicos indianos, hindus e de colonos portugueses da Europa (principalmente cristãos-novos e judeus). As leis da Inquisição tornaram a reconversão ao hinduísmo, islamismo e judaísmo e o uso da língua konkani uma ofensa criminal. A inquisição também era um método de confisco de propriedade e enriquecimento dos Inquisidores. Além disso, as crianças hindus cujo pai havia morrido deveriam ser entregues aos jesuítas para conversão ao cristianismo. Como resultado dessa opressão, hindus e, mais tarde, cristãos e muçulmanos, fugiram em grande número de Goa para as regiões vizinhas que não estavam sob o controle dos jesuítas e da Índia portuguesa.

O jesuíta português António de Andrade fundou uma missão no Tibete Ocidental em 1624. Dois missionários jesuítas, Johann Grueber e Albert Dorville , chegaram a Lhasa , no Tibete, em 1661. O jesuíta italiano Ippolito Desideri estabeleceu uma nova missão jesuíta em Lhasa e no Tibete Central ( 1716-1721) e ganhou um domínio excepcional da língua e cultura tibetanas, escrevendo um longo e detalhado relato do país e sua religião, bem como tratados em tibetano que tentavam refutar as principais ideias budistas e estabelecer a verdade do cristianismo católico.

O missionário espanhol José de Anchieta foi, junto com Manuel da Nóbrega , o primeiro jesuíta que Ignacio de Loyola enviou à América.

As missões jesuítas na América tornaram-se controversas na Europa, especialmente na Espanha e em Portugal, onde foram vistas como interferindo nas próprias empresas coloniais dos governos reais. Os jesuítas costumavam ser a única força entre os nativos americanos e a escravidão . Juntos por toda a América do Sul, mas especialmente no atual Brasil e Paraguai , eles formaram cidades-estado cristãs nativas americanas, chamadas de " reduções ". Essas eram sociedades estabelecidas de acordo com um modelo teocrático idealizado . Os esforços de jesuítas como Antonio Ruiz de Montoya para proteger os nativos da escravidão pelos colonizadores espanhóis e portugueses contribuiriam para o apelo à repressão da sociedade. Padres jesuítas como Manuel da Nóbrega e José de Anchieta fundaram várias cidades no Brasil no século 16, incluindo São Paulo e Rio de Janeiro , e foram muito influentes na pacificação, conversão religiosa e educação das nações indígenas. Eles também construíram escolas, organizaram as pessoas em aldeias e criaram um sistema de escrita para as línguas locais do Brasil. José de Anchieta e Manuel da Nóbrega foram os primeiros jesuítas que Ignacio de Loyola mandou para a América.

Estudiosos jesuítas trabalhando em missões estrangeiras eram muito dedicados ao estudo das línguas locais e se esforçavam para produzir gramáticas e dicionários latinizados . Isso incluía: Japonês (ver Nippo jisho , também conhecido como Vocabvlario da Lingoa de Iapam, Vocabulário da Língua Japonesa, um dicionário Japonês-Português escrito em 1603); Vietnamita (missionários portugueses criaram o alfabeto vietnamita , que mais tarde foi formalizado pelo missionário de Avignon Alexandre de Rhodes com seu dicionário trilíngue de 1651 ); Tupi (a principal língua do Brasil); e o estudo pioneiro do sânscrito no Ocidente por Jean François Pons na década de 1740.

Sob o patrocínio real português , os jesuítas prosperaram em Goa e até 1759 expandiram com sucesso suas atividades para a educação e saúde. Em 1594, eles fundaram a primeira instituição acadêmica de estilo romano no Oriente, o St. Paul Jesuit College em Macau , China. Fundada por Alessandro Valignano , teve grande influência no aprendizado das línguas orientais (chinês e japonês) e na cultura dos missionários jesuítas, abrigando os primeiros sinologistas ocidentais como Matteo Ricci . Os esforços dos jesuítas em Goa foram interrompidos pela expulsão dos jesuítas dos territórios portugueses em 1759 pelo poderoso Marquês de Pombal , Secretário de Estado em Portugal.

Os missionários jesuítas eram ativos entre os povos indígenas da Nova França na América do Norte, muitos deles compilando dicionários ou glossários das Primeiras Nações e línguas nativas americanas que haviam aprendido. Por exemplo, antes de sua morte em 1708, Jacques Gravier , vigário geral da Missão de Illinois no vale do rio Mississippi , compilou um dicionário Kaskaskia Illinois-Francês , considerado o mais extenso entre as obras dos missionários. Uma extensa documentação foi deixada na forma de As Relações Jesuítas , publicada anualmente de 1632 a 1673.

China

Matteo Ricci (esquerda) e Xu Guangqi na publicação Chinesa de 1607 Euclides 's Elements
Confúcio, Filósofo dos Chineses, ou Conhecimento Chinês Explicado em Latim , publicado por Philippe Couplet , Prospero Intorcetta , Christian Herdtrich e François de Rougemont em Paris em 1687
Um mapa das 200 igrejas e missões jesuítas estabelecidas em toda a China c.  1687 .

Os Jesuítas entraram pela primeira vez na China através da colonização portuguesa em Macau , onde se estabeleceram na Ilha Verde e fundaram o St. Paul's College .

As missões jesuíticas na China dos séculos 16 e 17 introduziram a ciência e a astronomia ocidentais, então passando por sua própria revolução , na China. A revolução científica trazida pelos jesuítas coincidiu com uma época em que a inovação científica havia declinado na China:

[Os jesuítas] fizeram esforços para traduzir obras matemáticas e astronômicas ocidentais para o chinês e despertaram o interesse de estudiosos chineses por essas ciências. Eles fizeram observações astronômicas muito extensas e realizaram o primeiro trabalho cartográfico moderno na China. Eles também aprenderam a valorizar as conquistas científicas dessa cultura milenar e as tornaram conhecidas na Europa. Por meio de sua correspondência, os cientistas europeus aprenderam pela primeira vez sobre a ciência e a cultura chinesas.

Por mais de um século, jesuítas como Michele Ruggieri , Matteo Ricci , Diego de Pantoja , Philippe Couplet , Michal Boym e François Noël refinaram as traduções e disseminaram o conhecimento , a cultura , a história e a filosofia chineses para a Europa. Suas obras em latim popularizaram o nome " Confúcio " e tiveram considerável influência sobre os deístas e outros pensadores iluministas , alguns dos quais ficaram intrigados com as tentativas dos jesuítas de reconciliar a moralidade confucionista com o catolicismo .

Após a chegada dos franciscanos e outras ordens monásticas, a acomodação dos jesuítas da cultura e dos rituais chineses levou à longa controvérsia dos ritos chineses . Apesar do testemunho pessoal do imperador Kangxi e muitos convertidos jesuítas que veneração chinês dos antepassados e Confúcio era um símbolo não-religiosa de respeito, o Papa Clemente XI do decreto papal Cum Deus Optimus ... decidiu que tal comportamento constitui formas inadmissíveis de idolatria e superstição em 1704; seu legado Tournon e o bispo de Fujian , encarregado de apresentar essa descoberta ao imperador Kangxi , demonstraram tal ignorância que o imperador ordenou a expulsão dos missionários cristãos incapazes de obedecer aos termos do catecismo chinês de Ricci. O resumo de Tournon e a excomunhão automática de quaisquer violadores do decreto de Clemente - confirmado pelo touro Ex Illa Die de 1715 ... - levaram ao rápido colapso de todas as missões na China; os últimos jesuítas foram finalmente expulsos depois de 1721.

Canadá

O mapa de Bressani de 1657 retrata o martírio de Jean de Brébeuf

Durante a colonização francesa da Nova França no século 17, os jesuítas desempenharam um papel ativo na América do Norte. Quando Samuel de Champlain estabeleceu as fundações da colônia francesa em Québec, ele conhecia tribos nativas que possuíam suas próprias línguas, costumes e tradições. Esses nativos que habitavam os dias modernos de Ontário, Québec e as áreas ao redor do Lago Simcoe e da Baía Georgiana eram os Montagnais, os Algonquins e os Hurons . Champlain acreditava que estes tinham almas a serem salvas, então em 1614 ele inicialmente obteve os recoletos , um ramo reformista dos franciscanos na França, para converter os habitantes nativos. Em 1624, os recoletos franceses perceberam a magnitude de sua tarefa e enviaram um delegado à França para convidar a Companhia de Jesus a ajudar nessa missão. O convite foi aceito, e os jesuítas Jean de Brébeuf , Ennemond Masse e Charles Lalemant chegaram a Quebec em 1625. Lalemant é considerado o primeiro autor de uma das Relações Jesuítas da Nova França , que registrou sua evangelização durante o século XVII. .

Os Jesuítas envolveram-se na missão Huron em 1626 e viveram entre os povos Huron. Brébeuf aprendeu a língua nativa e criou o primeiro dicionário de línguas Huron. Conflitos externos forçaram os jesuítas a deixar a Nova França em 1629, quando Quebec foi capturado pelos irmãos Kirke sob a bandeira inglesa. Mas em 1632 Quebec foi devolvido aos franceses pelo Tratado de Saint Germain-en-Laye e os Jesuítas retornaram ao território Huron, a moderna Huronia .

Em 1639, o jesuíta Jerome Lalemant decidiu que os missionários entre os Hurons precisavam de uma residência local e estabeleceu Sainte-Marie , que se expandiu como uma réplica viva da sociedade europeia. Tornou-se o quartel-general dos jesuítas e uma parte importante da história canadense. Ao longo da maior parte da década de 1640, os jesuítas tiveram grande sucesso, estabelecendo cinco capelas em Huronia e batizando mais de mil nativos de Huron. No entanto, à medida que os jesuítas começaram a se expandir para o oeste, encontraram mais nativos iroqueses , rivais dos Hurons. Os iroqueses ficaram com ciúmes da riqueza dos Hurons e do sistema de comércio de peles, começaram a atacar aldeias Huron em 1648. Eles mataram missionários e queimaram aldeias, e os Hurons se espalharam. Jean de Brébeuf e Gabriel Lalemant foram torturados e mortos nos ataques iroqueses; eles foram canonizados como mártires na Igreja Católica. Com o conhecimento dos invasores iroqueses, o jesuíta Paul Ragueneau incendiou Sainte-Marie em vez de permitir aos iroqueses a satisfação de destruí-la. No final de junho de 1649, os franceses e alguns cristãos Hurons construíram Sainte-Marie II na Ilha Cristã (Ilha de Saint-Joseph). No entanto, enfrentando fome, falta de suprimentos e ameaças constantes de ataques iroqueses, o pequeno Sainte-Marie II foi abandonado em junho de 1650; os restantes Hurons e Jesuítas partiram para Quebec e Ottawa. Após uma série de epidemias, começando em 1634, alguns hurons começaram a desconfiar dos jesuítas e os acusaram de serem feiticeiros lançando feitiços de seus livros. Como resultado dos ataques iroqueses e do surto de doenças, muitos missionários, comerciantes e soldados morreram. Hoje, a tribo Huron, também conhecida como Wyandot , tem uma reserva das Primeiras Nações em Quebec, Canadá, e três grandes assentamentos nos Estados Unidos.

Após o colapso da nação huroniana, os jesuítas deveriam assumir a tarefa de converter os iroqueses, algo que haviam tentado em 1642 com pouco sucesso. Em 1653, a nação iroquesa teve uma desavença com os holandeses. Eles então assinaram um tratado de paz com os franceses e uma missão foi estabelecida. Os iroqueses aceitaram o tratado levianamente e logo se voltaram contra os franceses. Em 1658, os jesuítas estavam tendo muito pouco sucesso e estavam sob constante ameaça de serem torturados ou mortos, mas continuaram seus esforços até 1687, quando abandonaram seus postos permanentes na terra natal dos iroqueses.

Em 1700, os jesuítas passaram a manter Quebec, Montreal e Ottawa sem estabelecer novos postos. Durante a Guerra dos Sete Anos , Quebec caiu para os ingleses em 1759 e a Nova França ficou sob controle britânico. Os ingleses barraram a imigração de mais jesuítas para a Nova França. Em 1763, havia apenas 21 jesuítas estacionados na Nova França. Em 1773, apenas onze jesuítas permaneceram. Durante o mesmo ano, a coroa inglesa reivindicou a Nova França e declarou que a Companhia de Jesus na Nova França foi dissolvida.

A dissolução da Ordem deixou propriedades e investimentos substanciais, totalizando uma renda de aproximadamente £ 5.000 por ano, e o Conselho para os Assuntos da Província de Quebec , mais tarde sucedido pela Assembleia Legislativa de Quebec , assumiu a tarefa de alocar os fundos para destinatários adequados, principalmente escolas.

A missão jesuíta em Quebec foi restabelecida em 1842. Vários colégios jesuítas foram fundados nas décadas seguintes; uma dessas faculdades evoluiu para a atual Universidade Laval .

Estados Unidos

Equador

Igreja da Companhia de Jesus (espanhol: La Iglesia de la Compañía de Jesús ), conhecida coloquialmente como la Compañía , é uma igreja jesuíta em Quito , Equador . Está entre as igrejas mais conhecidas de Quito devido à sua grande nave central , profusamente decorada com folha de ouro , estuque dourado e talha. Inspirado por duas Roman igrejas jesuítas - a Chiesa del Gesù (1580) e da Chiesa di Sant'Ignazio di Loyola (1650) - la Compañía é uma das obras mais significativas da arquitectura barroca espanhola na América do Sul e da igreja mais ornamentado de Quito.

Ao longo dos 160 anos de sua construção, os arquitetos de la Compañía incorporaram elementos de quatro estilos arquitetônicos, embora o barroco seja o mais proeminente. A influência mudéjar (mourisca) é vista nas figuras geométricas nos pilares; o churrigueresco caracteriza grande parte da decoração ornamentada, especialmente nas paredes internas; finalmente o estilo neoclássico adorna a Capela de Santa Mariana de Jesús (nos primeiros anos uma vinícola).

México

Misión de Nuestra Señora de Loreto Conchoó no século 18, a primeira missão jesuíta permanente na Baja California, estabelecida por Juan María de Salvatierra em 1697
Altar-mor do colégio jesuíta em Tepozotlan, hoje Museo Nacional del Virreinato
O jesuíta mexicano Francisco Clavijero (1731-1787) escreveu uma importante história do México.

Os jesuítas da Nova Espanha se destacaram de várias maneiras. Eles tinham altos padrões de aceitação do pedido e muitos anos de treinamento. Eles atraíram o patrocínio de famílias da elite cujos filhos eles educado em rigorosos jesuítas recém-fundada colegios ( "colégios"), incluindo Colegio de San Pedro y San Pablo , Colegio de San Ildefonso , eo Colegio de San Francisco Javier, Tepotzotlán . Essas mesmas famílias da elite esperavam que um filho com vocação para o sacerdócio fosse aceito como jesuíta. Os jesuítas também eram zelosos na evangelização dos indígenas, principalmente nas fronteiras do norte.

Para sustentar seus colégios e membros da Companhia de Jesus, os jesuítas adquiriram propriedades que eram administradas com as melhores práticas de geração de renda da época. Várias dessas fazendas foram doadas por elites ricas. A doação de uma hacienda aos jesuítas foi a centelha que desencadeou um conflito entre o bispo de Puebla Don Juan de Palafox, no século XVII, e o colégio jesuíta daquela cidade. Visto que os jesuítas resistiam a pagar o dízimo de suas propriedades, essa doação efetivamente tirou receita dos bolsos da hierarquia da igreja, removendo-a dos rolos de dízimo.

Muitas das fazendas jesuítas eram enormes, com Palafox afirmando que apenas duas faculdades possuíam 300.000 cabeças de ovelhas, cuja lã foi transformada localmente em Puebla em tecido; seis plantações de açúcar no valor de um milhão de pesos e gerando uma renda de 100.000 pesos. A imensa fazenda jesuíta de Santa Lucía produzia pulque , o suco fermentado do cacto agave cujos principais consumidores eram as classes populares e os índios das cidades espanholas. Embora a maioria das fazendas tivesse uma força de trabalho livre de trabalhadores permanentes ou sazonais, as fazendas jesuítas no México tinham um número significativo de escravos negros.

Os jesuítas operavam suas propriedades como uma unidade integrada com a ordem jesuíta maior; assim, as receitas das fazendas financiaram seus colégios. Os jesuítas expandiram significativamente as missões aos indígenas na área da fronteira norte e vários foram martirizados, mas a coroa apoiou essas missões. As encomendas mendicantes que tinham imóveis eram menos integradas economicamente, de modo que algumas casas individuais eram ricas, enquanto outras lutavam economicamente. Os franciscanos, fundados como uma ordem que abraça a pobreza, não acumulam bens imóveis, ao contrário dos agostinianos e dominicanos no México.

Os jesuítas entraram em conflito com a hierarquia episcopal sobre a questão do pagamento dos dízimos, o imposto de dez por cento sobre a agricultura cobrado sobre propriedades fundiárias para apoiar a hierarquia da igreja, desde bispos e capítulos de catedrais até párocos. Uma vez que os jesuítas eram a maior ordem religiosa com propriedades imobiliárias, superando os dominicanos e agostinianos que haviam acumulado propriedades significativas, isso não era pouca coisa. Eles argumentaram que estavam isentos, devido a privilégios pontifícios especiais. Em meados do século XVII, o bispo de Puebla, Don Juan de Palafox, enfrentou os jesuítas nessa questão e foi tão derrotado que foi chamado de volta à Espanha, onde se tornou bispo da diocese menor de Osma .

Como em outras partes do império espanhol, os jesuítas foram expulsos do México em 1767. Suas fazendas foram vendidas e seus colégios e missões na Baixa Califórnia foram assumidos por outras ordens. O jesuíta exilado mexicano Francisco Javier Clavijero escreveu uma importante história do México enquanto esteve na Itália, uma base para o patriotismo crioulo. Andrés Cavo também escreveu um importante texto sobre a história mexicana que Carlos María de Bustamante publicou no início do século XIX. Um dos primeiros jesuítas que escreveu sobre a história do México foi Diego Luis de Motezuma (1619 a 1699), um descendente dos monarcas astecas de Tenochtitlan . A Corona mexicana de Motezuma , o Historia de los nueve Motezumas, foi concluída em 1696. Ele "pretendia mostrar que os imperadores mexicanos eram uma dinastia legítima no século 17 no sentido europeu".

Os jesuítas foram autorizados a retornar ao México em 1840, quando o general Antonio López de Santa Anna foi mais uma vez presidente do México. Sua reintrodução no México foi "para ajudar na educação das classes mais pobres e muitas de suas propriedades foram devolvidas a eles".

Norte da América espanhola

Texto da História natural e moral de las Indias (1590) de Acosta sobre as Américas

Os Jesuítas chegaram ao Vice - Reino do Peru em 1571; foi uma área-chave do império espanhol, não apenas com densas populações indígenas, mas também com enormes depósitos de prata em Potosí . Uma figura importante na primeira onda de jesuítas foi José de Acosta (1540–1600), cujo livro Historia natural y moral de las Indias (1590) apresentou aos europeus o império americano da Espanha por meio de uma prosa fluida e observação e explicação perspicazes, com base em quinze anos no Peru e algum tempo na Nova Espanha (México). O vice-rei do Peru Dom Francisco de Toledo exortou os jesuítas a evangelizar os povos indígenas do Peru, querendo colocá-los no comando das paróquias, mas Acosta aderiu à posição dos jesuítas de que eles não estavam sujeitos à jurisdição dos bispos e a catequizar nas paróquias indígenas iria colocá-los em conflito com os bispos. Por esse motivo, os jesuítas no Peru se concentraram na educação dos homens da elite, e não nas populações indígenas.

Peter Claver ministrando aos escravos africanos em Cartagena

Para ministrar aos escravos africanos recém-chegados, Alonso de Sandoval (1576–1651) trabalhou no porto de Cartagena das Índias . Sandoval escreveu sobre este ministério em De instauranda Aethiopum salute (1627), descrevendo como ele e seu assistente Pedro Claver , mais tarde canonizado, encontraram navios de transporte de escravos no porto, desceram os conveses onde 300-600 escravos estavam acorrentados e deram ajuda física com água, enquanto apresenta os africanos ao cristianismo. Em seu tratado, ele não condenou a escravidão ou os maus-tratos de escravos, mas procurou instruir outros jesuítas nesse ministério e descrever como catequizava os escravos.

Rafael Ferrer foi o primeiro jesuíta de Quito a explorar e fundar missões nas regiões do alto Amazonas da América do Sul de 1602 a 1610, que pertenciam à Audiencia (corte superior) de Quito que fazia parte do Vice - Reino do Peru até sua transferência ao recém-criado Vice - Reino de Nova Granada em 1717. Em 1602, Ferrer começou a explorar os rios Aguarico, Napo e Marañon (região de Sucumbios, onde hoje é o Equador e o Peru), e entre 1604 e 1605 estabeleceu missões entre os Cofane nativos. Ele foi martirizado por um nativo apóstata em 1610.

Em 1639, a Audiencia de Quito organizou uma expedição para renovar a exploração do rio Amazonas e o jesuíta de Quito (Jesuita Quiteño) Cristóbal de Acuña fez parte dessa expedição. A expedição desembarcou do rio Napo em 16 de fevereiro de 1639 e chegou ao que hoje é o Pará Brasil, às margens do rio Amazonas, em 12 de dezembro de 1639. Em 1641, Acuña publicou em Madri uma memória de sua expedição ao rio Amazonas intitulada Nuevo Descubrimiento del gran rio de las Amazonas , que para os acadêmicos se tornou uma referência fundamental na região amazônica.

Em 1637, os jesuítas Gaspar Cugia e Lucas de la Cueva de Quito começaram a estabelecer as missões Mainas em territórios às margens do rio Marañón , em torno da região de Pongo de Manseriche , próximo ao assentamento espanhol de Borja . Entre 1637 e 1652, havia 14 missões estabelecidas ao longo do rio Marañón e seus afluentes do sul, os rios Huallaga e Ucayali . Os jesuítas Lucas de la Cueva e Raimundo de Santacruz abriram duas novas vias de comunicação com Quito, pelos rios Pastaza e Napo .

Mapa de
Samuel Fritz de 1707 mostrando a Amazônia e o Orinoco

Entre 1637 e 1715, Samuel Fritz fundou 38 missões ao longo do rio Amazonas, entre os rios Napo e Negro, que foram chamadas de Missões Omagua. Essas missões foram continuamente atacadas pelos Bandeirantes brasileiros a partir do ano de 1705. Em 1768, a única missão Omagua que restou foi San Joaquin de Omaguas, pois havia sido transferida para um novo local no rio Napo longe dos Bandeirantes.

No imenso território de Maynas, os jesuítas de Quito fizeram contato com várias tribos indígenas que falavam 40 línguas diferentes e fundaram um total de 173 missões jesuítas, abrangendo 150.000 habitantes. Devido às constantes epidemias (varíola e sarampo) e às guerras com outras tribos e os Bandeirantes , o número total de Missões Jesuítas foi reduzido para 40 em 1744. Na época em que os Jesuítas foram expulsos da América Espanhola em 1767, os Jesuítas de Quito registou 36 missões dirigidas por 25 Jesuítas de Quito na Audiencia de Quito - 6 nas Missões Napo e Aguarico e 19 nas Missões Pastaza e Iquitos, com uma população de 20.000 habitantes.

Paraguai

Os primeiros jesuítas chegaram em 1588, e em 1610 Filipe III proclamou que apenas a "espada da palavra" deveria ser usada para subjugar os índios paraguaios, principalmente guaranis . A igreja concedeu aos jesuítas amplos poderes para eliminar gradualmente o sistema de encomienda de trabalho forçado, irritando os colonos dependentes de um fornecimento contínuo de mão de obra indígena e concubinas. A primeira missão jesuíta na área do Paraguai (que abrangia as regiões fronteiriças do Paraguai, Argentina e Brasil) foi fundada em 1609. Em 1732, os jesuítas haviam se reunido em 30 missões ou reduções de um total de 141.382 guaranis. Devido a doenças, política europeia e discórdia interna, a população nas missões diminuiu posteriormente. No apogeu, os jesuítas sonhavam com um império jesuíta que se estendesse da confluência Paraguai-Paraná até o litoral e de volta às cabeceiras do Paraná.

Nos primeiros anos, as novas reduções jesuítas foram ameaçadas pelos bandeirantes escravistas . Os bandeirantes capturaram índios e os venderam como escravos aos fazendeiros no Brasil. Tendo esgotado a população indígena perto de São Paulo, eles descobriram as reduções ricamente povoadas. As autoridades espanholas optaram por não defender os assentamentos, e os jesuítas e seus milhares de neófitos, portanto, tinham poucos meios para se proteger. Milhares de Guarani foram capturados pelos bandeirantes antes de serem organizados e armados pelos Jesuítas. Um exército Guarani derrotou os invasores de escravos na batalha de Mbororé . Posteriormente, o vice - rei do Peru cedeu o direito de porte de armas aos Guarani. Depois disso, unidades indígenas bem treinadas e altamente motivadas foram capazes de se defender de escravos e outras ameaças. A vitória em Mbororé preparou o cenário para a época de ouro dos jesuítas no Paraguai. A vida nas reduções ofereceu aos Guarani padrões de vida mais elevados, proteção contra colonos e segurança física. Essas reduções, que se tornaram bastante ricas, exportaram mercadorias e forneceram exércitos indianos aos espanhóis em muitas ocasiões.

As reduções, em que os jesuítas criaram orquestras, conjuntos musicais e trupes de atores, e nas quais praticamente todos os lucros derivados do trabalho indígena eram distribuídos aos trabalhadores, receberam elogios de alguns dos líderes do iluminismo francês , que não estavam predispostos para favorecer os jesuítas. "Por meio da religião", escreveu d'Alembert , "os jesuítas estabeleceram uma autoridade monárquica no Paraguai, baseada unicamente em seus poderes de persuasão e em seus métodos lenientes de governo. Senhores do país, eles tornaram feliz o povo sob seu domínio ; eles conseguiram subjugá-los sem nunca recorrer à força. " E Voltaire, educado por jesuítas, chamou o governo jesuíta de "um triunfo da humanidade".

Por causa de seu sucesso, os jesuítas paraguaios ganharam muitos inimigos, e as Reduções foram vítimas de tempos de mudança. Durante as décadas de 1720 e 1730, os colonos paraguaios se rebelaram contra os privilégios dos jesuítas na Revolta dos Comuneros e contra o governo que os protegia. Embora a revolta tenha falhado, foi uma das primeiras e mais sérias revoltas contra a autoridade espanhola no Novo Mundo e fez com que a coroa questionasse seu apoio contínuo aos jesuítas. A Guerra das Sete Reduções de inspiração jesuíta (1750-61) aumentou o sentimento em Madrid por suprimir este "império dentro de um império".

Ruínas da Missão de La Santisima Trinidad de Parana no Paraguai, fundada por Jesuítas em 1706

O rei espanhol Carlos III (1759-88) expulsou os jesuítas em 1767 da Espanha e de seus territórios. Poucas décadas após a expulsão, a maior parte do que os jesuítas haviam realizado foi perdida. As missões foram mal administradas e abandonadas pelos Guarani. Hoje, essas ruínas de um experimento de 160 anos se tornaram uma atração turística.

Brasil colonial

Manuel da Nóbrega em um selo português comemorativo do 400º aniversário da fundação de São Paulo , Brasil
Jesuíta no século 18, Brasil

Tomé de Sousa , primeiro governador geral do Brasil , trouxe o primeiro grupo de jesuítas para a colônia. Os Jesuítas foram oficialmente apoiados pelo Rei, que deu instruções a Tomé de Sousa para lhes dar todo o apoio necessário para cristianizar os indígenas.

Os primeiros jesuítas, guiados por Manuel da Nóbrega , Juan de Azpilcueta Navarro, Leonardo Nunes e, posteriormente, José de Anchieta , estabeleceram as primeiras missões jesuítas em Salvador e em São Paulo dos Campos de Piratininga , povoado que deu origem à cidade de São Paulo . Nóbrega e Anchieta foram fundamentais na derrota dos colonos franceses da França Antártica ao conseguir pacificar os índios Tamoio, que antes haviam lutado contra os portugueses. Os jesuítas participaram da fundação da cidade do Rio de Janeiro em 1565.

O sucesso dos jesuítas na conversão dos povos indígenas está ligado aos seus esforços para compreender as culturas nativas, especialmente suas línguas. A primeira gramática da língua tupi foi compilada por José de Anchieta e impressa em Coimbra em 1595. Os jesuítas frequentemente reuniam os aborígenes em comunidades (as reduções jesuítas ) onde os indígenas trabalhavam para a comunidade e eram evangelizados.

Os jesuítas tinham disputas frequentes com outros colonos que queriam escravizar os nativos. A ação dos jesuítas salvou muitos indígenas de serem escravizados pelos europeus, mas também perturbou seu modo de vida ancestral e, inadvertidamente, ajudou a espalhar doenças infecciosas contra as quais os aborígenes não tinham defesas naturais. O trabalho escravo e o comércio eram essenciais para a economia do Brasil e de outras colônias americanas, e os jesuítas geralmente não se opunham à escravidão dos povos africanos, mas antes criticavam as condições da escravidão.

Supressão e restauração

A supressão dos jesuítas em Portugal, França, as Duas Sicílias , Parma e o Império Espanhol em 1767 foi profundamente preocupante para o Papa Clemente XIII , o defensor da sociedade. Em 21 de julho de 1773, seu sucessor, o Papa Clemente XIV , emitiu o escrito papal Dominus ac Redemptor , decretando:

Tendo ainda considerado que a dita Companhia de Jesus não pode mais produzir aqueles frutos abundantes, ... no caso presente, estamos determinando sobre o destino de uma sociedade classificada entre as ordens mendicantes, tanto por seu instituto como por seus privilégios; depois de uma deliberação madura, nós, por nosso conhecimento seguro e da plenitude de nosso poder apostólico, suprimimos e abolimos o referido grupo: nós o privamos de qualquer atividade. ... E para este fim um membro do clero regular, recomendável por sua prudência e boa moral, será escolhido para presidir e governar as ditas casas; de modo que o nome da Companhia será, e será, para sempre extinto e suprimido.

A supressão foi realizada por motivos políticos em todos os países, exceto na Prússia, por um tempo, e na Rússia , onde Catarina, a Grande , proibiu sua promulgação. Como milhões de católicos (incluindo muitos jesuítas) viviam nas províncias polonesas recentemente parcialmente anexadas pelo Reino da Prússia , a Sociedade foi capaz de manter sua continuidade e continuar seu trabalho durante todo o período tempestuoso de repressão. Posteriormente, o Papa Pio VI concedeu permissão formal para a continuação da sociedade na Rússia e na Polônia, com Stanisław Czerniewicz eleito superior da província em 1782. Ele foi seguido por Gabriel Lenkiewicz , Franciszek Kareu e Gabriel Gruber até 1805, todos eleitos localmente como Temporários Vigários gerais. O papa Pio VII havia resolvido durante seu cativeiro na França restaurar os jesuítas universalmente, e em seu retorno a Roma ele o fez sem muito atraso. Em 7 de agosto de 1814, com a bula Sollicitudo omnium ecclesiarum , ele reverteu a supressão da sociedade, e com isso outro jesuíta polonês, Tadeusz Brzozowski , eleito Superior na Rússia em 1805, adquiriu jurisdição universal. Em sua morte, em 1820, os jesuítas foram expulsos da Rússia pelo czar Alexander I .

O período que se seguiu à Restauração dos Jesuítas em 1814 foi marcado por um grande crescimento, como evidenciado pelo grande número de faculdades e universidades jesuítas estabelecidas durante o século XIX. Durante esse tempo nos Estados Unidos, 22 das 28 universidades da sociedade foram fundadas ou adquiridas pelos jesuítas. Foi sugerido que a experiência da repressão serviu para aumentar a ortodoxia entre os jesuítas. Embora essa afirmação seja discutível, os jesuítas geralmente apoiavam a autoridade papal dentro da igreja, e alguns membros tornaram-se associados ao movimento ultramontanista e à declaração da infalibilidade papal em 1870.

Na Suíça, a constituição foi modificada e os jesuítas foram banidos em 1848, após a derrota da aliança de defesa católica Sonderbund . A proibição foi suspensa em 20 de maio de 1973, quando 54,9 por cento dos eleitores aceitaram um referendo modificando a Constituição.

Início do século 20

Na Constituição da Noruega de 1814, uma relíquia das leis anticatólicas anteriores da Dinamarca-Noruega , o parágrafo 2 originalmente dizia: "A religião evangélico-luterana continua a ser a religião pública do Estado. Os habitantes que a confessam estão vinculados para criar seus filhos da mesma forma. Jesuítas e ordens monásticas não são permitidas. Os judeus ainda estão proibidos de entrar no Reino. " Os judeus foram autorizados a entrar no reino em 1851, depois que o famoso poeta norueguês Henrik Wergeland fez campanha por ele. As ordens monásticas foram permitidas em 1897, mas a proibição dos jesuítas só foi levantada em 1956.

A Espanha republicana na década de 1930 aprovou leis proibindo os jesuítas por serem obedientes a um poder diferente do Estado. O Papa Pio XI escreveu sobre isso: “Foi uma expressão de uma alma profundamente hostil a Deus e à religião católica, ter dispersado as Ordens Religiosas que haviam feito voto de obediência a uma autoridade diferente da autoridade legítima do Estado. procurava-se assim acabar com a Companhia de Jesus - que pode muito bem orgulhar-se de ser uma das mais sólidas auxiliares da Cátedra de São Pedro - com a esperança, talvez, de então poder com menos dificuldade derrubar no próximo. futuro, a fé cristã e o moral no coração da nação espanhola, que deu à Igreja de Deus a grande e gloriosa figura de Inácio de Loyola ”.

Pós-Vaticano II

O século 20 testemunhou crescimento e declínio. Seguindo uma tendência dentro do sacerdócio católico em geral, o número de jesuítas atingiu o pico na década de 1950 e diminuiu continuamente desde então. Enquanto isso, o número de instituições jesuítas cresceu consideravelmente, em grande parte devido a um enfoque pós-Vaticano II no estabelecimento de escolas secundárias jesuítas em áreas centrais da cidade e um aumento de grupos de leigos voluntários inspirados em parte pelos Exercícios Espirituais . Entre os notáveis ​​jesuítas do século 20, John Courtney Murray foi chamado de um dos "arquitetos do Concílio Vaticano II " e elaborou o que acabou se tornando o endosso da liberdade religiosa pelo concílio, Dignitatis humanae .

Na América Latina, os jesuítas tiveram influência significativa no desenvolvimento da teologia da libertação , um movimento que foi polêmico na comunidade católica após a avaliação negativa do Papa João Paulo II em 1984.

No governo do superior geral Pedro Arrupe , a justiça social e a opção preferencial pelos pobres surgiram como temas dominantes da obra dos jesuítas. Quando Arrupe ficou paralisado por um derrame em 1981, o Papa João Paulo II, não inteiramente satisfeito com a virada progressista dos jesuítas, deu o passo incomum de nomear o venerável e idoso Paolo Dezza como interino para supervisionar "a autêntica renovação da Igreja ", em vez do progressista padre americano Vincent O'Keefe, que Arrupe preferia. Em 1983, João Paulo deu licença aos jesuítas para nomearem um sucessor para Arrupe.

Em 16 de novembro de 1989, seis padres jesuítas ( Ignacio Ellacuría , Segundo Montes , Ignacio Martín-Baró , Joaquin López y López, Juan Ramon Moreno e Amado López), Elba Ramos sua governanta e Celia Marisela Ramos sua filha, foram assassinados pelos Militares salvadorenhos no campus da Universidade da América Central em San Salvador , El Salvador, porque foram rotulados como subversivos pelo governo. Os assassinatos galvanizaram os movimentos de paz e justiça da sociedade, incluindo protestos anuais no Instituto do Hemisfério Ocidental para Cooperação em Segurança em Fort Benning , Geórgia, Estados Unidos, onde vários dos assassinos foram treinados sob o patrocínio do governo dos Estados Unidos.

Em 21 de fevereiro de 2001, o padre jesuíta Avery Dulles , um autor, conferencista e teólogo conhecido internacionalmente, foi criado cardeal da Igreja Católica pelo Papa João Paulo II. Filho do ex-secretário de Estado John Foster Dulles, Avery Dulles era há muito conhecido por sua argumentação cuidadosamente fundamentada e fidelidade ao ofício de ensino da igreja. Autor de 22 livros e mais de 700 artigos teológicos, Dulles morreu em 12 de dezembro de 2008 na Fordham University , onde lecionou por vinte anos como Laurence J. McGinley Professor de Religião e Sociedade. Ele era, quando faleceu, um dos dez cardeais jesuítas na Igreja Católica.

Em 2002, o presidente do Boston College e padre jesuíta William P. Leahy iniciou o programa da Igreja no Século 21 como um meio de mover a Igreja "da crise à renovação". A iniciativa forneceu à sociedade uma plataforma para examinar as questões trazidas pelos casos de abuso sexual católico em todo o mundo , incluindo o sacerdócio , o celibato, a sexualidade , o papel das mulheres e o papel dos leigos .

Visita do Papa Bento XVI à
Pontifícia Universidade Gregoriana, administrada pelos jesuítas

Em abril de 2005, Thomas J. Reese , editor do semanário americano jesuíta America , renunciou a pedido da sociedade. A medida foi amplamente divulgada na mídia como resultado da pressão do Vaticano, após anos de críticas da Congregação para a Doutrina da Fé sobre artigos que abordavam assuntos como HIV / AIDS , pluralismo religioso , homossexualidade e o direito à vida. para o nascituro. Após sua renúncia, Reese passou um ano sabático na Universidade de Santa Clara antes de ser nomeado membro do Woodstock Theological Center em Washington, DC, e mais tarde analista sênior do National Catholic Reporter . O presidente Barack Obama o nomeou para a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional em 2014 e novamente em 2016.

Em 2 de fevereiro de 2006, Peter Hans Kolvenbach informou aos membros da Companhia de Jesus que, com o consentimento do Papa Bento XVI , pretendia deixar o cargo de Superior Geral em 2008, ano em que completaria 80 anos.

No dia 22 de abril de 2006, festa de Nossa Senhora, Mãe da Companhia de Jesus, o Papa Bento XVI saudou milhares de Jesuítas em peregrinação a Roma, e aproveitou para agradecer a Deus “por ter concedido à sua Companhia o dom de homens de extraordinária santidade e de excepcional zelo apostólico como Santo Inácio de Loyola, São Francisco Xavier e o Beato Pedro Faber ". Disse: «Santo Inácio de Loyola foi antes de tudo um homem de Deus, que deu o primeiro lugar da sua vida a Deus, para a sua maior glória e maior serviço. Foi um homem de profunda oração, que encontrou o seu centro e o seu culminar na Celebração Eucarística cotidiana ”.

Em maio de 2006, Bento XVI também escreveu uma carta ao Superior Geral Peter Hans Kolvenbach por ocasião do 50º aniversário da encíclica Haurietis aquas do Papa Pio XII , sobre a devoção ao Sagrado Coração , porque os Jesuítas sempre foram “extremamente ativos na promoção desta devoção essencial ". Em sua visita de 3 de novembro de 2006 à Pontifícia Universidade Gregoriana , Bento XVI citou a universidade como "um dos maiores serviços que a Companhia de Jesus realiza para a Igreja universal".

A 35ª Congregação Geral da Companhia de Jesus se reuniu em 5 de janeiro de 2008 e elegeu Adolfo Nicolás como o novo Superior Geral em 19 de janeiro de 2008. Em uma carta aos Padres da Congregação, Bento XVI escreveu:

Como várias vezes vos disseram os meus Predecessores, a Igreja tem necessidade de vós, conta-vos e continua a dirigir-se a vós com confiança, especialmente para chegar àqueles lugares físicos e espirituais que outros não alcançam ou têm dificuldade em chegar. As palavras de Paulo VI ficam gravadas nos vossos corações: «Onde quer que na Igreja, mesmo nos campos mais difíceis e extremos, nas encruzilhadas de ideologias, nas trincheiras sociais, houve e há confronto entre as exigências ardentes do homem e do mensagem perene do Evangelho, aqui também houve, e há, jesuítas "( Discurso à 32ª Congregação Geral dos Jesuítas ,   3 de dezembro de 1974;  ORE,  12 de dezembro, n. 2, p. 4.)

Papa Francisco, o primeiro papa jesuíta

Em 2013, o cardeal jesuíta Jorge Bergoglio tornou-se Papa Francisco . Antes de se tornar papa, ele foi nomeado bispo quando estava em "alienação virtual dos jesuítas", já que era visto como "um inimigo da teologia da libertação" e visto por outros como "ainda muito ortodoxo". Ele foi criticado por conspirar com a junta argentina , enquanto biógrafos o caracterizaram como trabalhando para salvar a vida de outros jesuítas. Após sua eleição papal, o Superior Geral dos Jesuítas Adolfo Nicolás elogiou o Papa Francisco como um "irmão entre irmãos".

Em 2 de outubro de 2016, a Congregação Geral 36 reuniu-se em Roma, convocada pelo Superior Geral Adolfo Nicolás, que havia anunciado sua intenção de renunciar aos 80 anos. Em 14 de outubro, a 36ª Congregação Geral da Companhia de Jesus elegeu Arturo Sosa , venezuelano, como seu trigésimo primeiro Superior Geral.

A Congregação Geral dos Jesuítas que elegeu Arturo Sosa em 2016 pediu-lhe que concluísse o processo de discernimento das prioridades dos Jesuítas para o futuro. Sosa elaborou um plano que alistou todos os jesuítas e seus colaboradores leigos no processo de discernimento por um período de dezesseis meses. Então, em fevereiro de 2019, ele apresentou os resultados do discernimento, uma lista de quatro prioridades para os ministérios jesuítas para os próximos dez anos.

  1. Mostrar o caminho para Deus através do discernimento e dos Exercícios Espirituais de Inácio de Loyola ;
  2. Caminhar com os pobres, os marginalizados do mundo, aqueles cuja dignidade foi violada, numa missão de reconciliação e justiça;
  3. Acompanhar os jovens na construção de um futuro cheio de esperança;
  4. Colaborar no cuidado de nossa Casa Comum.

O Papa Francisco deu sua aprovação a essas prioridades, dizendo que elas estão em harmonia com as prioridades atuais da Igreja e com a carta programática de seu pontificado, Evangelii gaudium .

Espiritualidade inaciana

A espiritualidade praticada pelos jesuítas, chamada espiritualidade inaciana, em última análise baseada na fé católica e nos evangelhos, é extraída das Constituições , das Cartas e da Autobiografia , e mais especialmente dos Exercícios Espirituais de Inácio , cujo objetivo é "conquistar a si mesmo e regular a própria vida de maneira que nenhuma decisão seja tomada sob a influência de qualquer apego desordenado ”. Os Exercícios culminam com uma contemplação em que se desenvolve a facilidade de "encontrar Deus em todas as coisas".

Formação

A formação (treinamento) dos jesuítas visa preparar os homens espiritual, acadêmica e praticamente para os ministérios que serão chamados a oferecer à igreja e ao mundo. Inácio foi fortemente influenciado pela Renascença , e ele queria que os jesuítas pudessem oferecer todos os ministérios mais necessários a qualquer momento e, especialmente, estar prontos para responder às missões (atribuições) do papa. A formação para o sacerdócio normalmente leva entre oito e quatorze anos, dependendo da formação do homem e da educação anterior, e os votos finais são feitos vários anos depois disso, tornando a formação dos jesuítas uma das mais longas de todas as ordens religiosas.

Governança da sociedade

A sociedade é dirigida por um Superior Geral com o título formal de Praepositus Generalis , latim para "reitor-geral", mais comumente chamado de Padre Geral. É eleito pela Congregação Geral vitaliciamente ou até a sua renúncia; ele é confirmado pelo Papa e tem autoridade absoluta para dirigir a Sociedade. O atual Superior Geral dos Jesuítas é o venezuelano Arturo Sosa, eleito em 14 de outubro de 2016.

O Padre Geral é coadjuvado por "assistentes", quatro dos quais são "assistentes de assistência previdenciária" e servem como conselheiros gerais e uma espécie de conselho interno, e vários outros assistentes regionais, cada um dos quais chefia uma "assistência", que é ou uma área geográfica (por exemplo, a Assistência da América do Norte) ou uma área de ministério (por exemplo, educação superior). Os assistentes normalmente residem com o Padre Geral em Roma e junto com outros formam um conselho consultivo para o Geral. Um vigário geral e secretário da sociedade dirigem a administração cotidiana. O general também é necessário para ter uma admonitor , um conselheiro confidencial cuja tarefa é advertir-Geral honestamente e de forma confidencial quando ele pode estar agindo de maneira imprudente ou contrária à da Igreja Magistério . O estado-maior central do General é conhecido como Cúria.

A sociedade é dividida em áreas geográficas chamadas de províncias, cada uma das quais é chefiada por um Superior Provincial, formalmente chamado de Padre Provincial, escolhido pelo Superior Geral. Ele tem autoridade sobre todos os jesuítas e ministérios em sua área e é assistido por um socius que atua como uma espécie de secretário e chefe de gabinete. Com a aprovação do Superior Geral, o Superior Provincial nomeia um mestre de noviços e um mestre de tertianos para supervisionar a formação e reitores de comunidades locais de Jesuítas. Para uma melhor cooperação e eficácia apostólica em cada continente, as províncias jesuítas estão agrupadas em seis conferências jesuítas em todo o mundo.

Cada comunidade jesuíta dentro de uma província é normalmente chefiada por um reitor que é assistido por um "ministro", palavra latina para "servo", um sacerdote que ajuda a supervisionar as necessidades do dia-a-dia da comunidade.

A Congregação Geral é uma reunião de todos os assistentes, provinciais e representantes adicionais eleitos pelos jesuítas professos de cada província. Reúne-se irregularmente e raramente, normalmente para eleger um novo superior geral e / ou para tratar de algumas questões políticas importantes para a Ordem. O Superior Geral se reúne mais regularmente com conselhos menores compostos apenas por provinciais.

Estatisticas

Jesuítas no mundo - janeiro de 2013
Região jesuítas Percentagem
África 1.509 9%
Sul américa latina 1.221 7%
América Latina do Norte 1.226 7%
sul da Asia 4.016 23%
Ásia-Pacífico 1.639 9%
Europa Central e Leste 1.641 10%
Sul da europa 2.027 12%
Oeste da Europa 1.541 9%
América do Norte 2.467 14%
Total 17.287

Em 2012, os Jesuítas formaram a maior ordem religiosa individual de padres e irmãos da Igreja Católica. Os jesuítas sofreram um declínio em número nas últimas décadas. Em 2018 a sociedade contava com 15.842 membros: 11.389 padres e 4.453 Jesuítas em formação, o que inclui irmãos e escolásticos. Isso representa um declínio de 56% por cento desde o Concílio Vaticano II (1965), quando a sociedade tinha um total de 36.038 membros, dos quais 20.301 eram padres. Esse declínio é mais pronunciado na Europa e nas Américas, com ganhos de sócios relativamente modestos ocorrendo na Ásia e na África. De acordo com Patrick Reilly, do National Catholic Register , parece não haver " efeito Papa Francisco " em neutralizar a queda das vocações entre os jesuítas. Vinte e oito noviços fizeram os primeiros votos nos jesuítas nos Estados Unidos e no Haiti em 2019. Em setembro de 2019, o superior geral dos jesuítas, Arturo Sosa , estimou que em 2034 o número diminuiria para cerca de 10.000 jesuítas, com um muito mais jovem idade média do que em 2019 e com uma mudança da Europa para a América Latina, África e Índia.

A sociedade está dividida em 83 províncias, juntamente com seis regiões independentes e dez regiões dependentes. Em 1º de janeiro de 2007, os membros serviam em 112 nações em seis continentes, com o maior número na Índia e nos Estados Unidos. A idade média era de 57,3 anos: 63,4 anos para os padres, 29,9 anos para os escolásticos e 65,5 anos para os irmãos.

O atual Superior Geral dos Jesuítas é Arturo Sosa . A sociedade é caracterizada por seus ministérios nas áreas de trabalho missionário , direitos humanos, justiça social e, principalmente, educação superior. Ela opera faculdades e universidades em vários países ao redor do mundo e é particularmente ativa nas Filipinas e na Índia . Nos Estados Unidos, os jesuítas têm laços históricos com 27 faculdades e universidades e 61 escolas secundárias . O grau de envolvimento dos jesuítas na administração de cada instituição varia. Em setembro de 2018, 15 das 27 universidades jesuítas nos Estados Unidos tinham presidentes leigos não jesuítas. De acordo com um artigo de 2014 no The Atlantic , "o número de padres jesuítas que estão ativos nas atividades diárias nas escolas não é tão alto quanto era antes". No mundo todo, ele administra 322 escolas secundárias e 172 faculdades e  universidades . Uma concepção típica da missão de uma escola jesuíta freqüentemente conterá conceitos como propor Cristo como o modelo de vida humana, a busca da excelência no ensino e aprendizagem, crescimento espiritual e intelectual por toda a vida e treinamento de homens e mulheres para os outros.

Hábito e vestido

Os jesuítas não têm um hábito oficial. As Constituições da sociedade dão as seguintes instruções: "Também o vestuário deve ter três características: primeiro, deve ser adequado; segundo, conforme ao uso do país de residência; e terceiro, não contraditório com a pobreza que professamos." (Const. 577)

Historicamente, uma batina de estilo jesuíta que os jesuítas chamam de Soutane tornou-se "padrão": é semelhante a um manto que envolve o corpo e é amarrado com um cinturão , em vez da costumeira frente abotoada. Uma biretta sem tufos (apenas o clero diocesano usava tufos) e um ferraiolo (capa) completavam o visual.

Hoje, a maioria dos jesuítas nos Estados Unidos usa o colarinho clerical e roupas pretas de padres comuns, embora alguns ainda usem a batina preta . Os jesuítas em países tropicais usam uma batina branca.

Controvérsias

Buscando poder

A Monita Secreta (Instruções Secretas dos Jesuítas), publicada em 1612 e em 1614 em Cracóvia , teria sido escrita por Claudio Acquaviva , o quinto general da sociedade, mas provavelmente foi escrita pelo ex-jesuíta Jerome Zahorowski. Pretende descrever os métodos a serem adotados pelos jesuítas para a aquisição de maior poder e influência para a sociedade e para a Igreja Católica. A Enciclopédia Católica afirma que o livro é uma falsificação, fabricada para atribuir uma reputação sinistra à Sociedade de Jesus.

Intriga política

Os jesuítas foram temporariamente banidos da França em 1594 depois que um homem chamado Jean Châtel tentou assassinar o rei da França, Henrique IV . Questionado, Châtel revelou que foi educado pelos jesuítas do Collège de Clermont. Os jesuítas foram acusados ​​de inspirar o ataque de Châtel. Dois de seus ex-professores foram exilados e um terceiro foi enforcado. O Collège de Clermont foi fechado e o edifício confiscado. Os jesuítas foram banidos da França, embora essa proibição tenha sido rapidamente suspensa.

Na Inglaterra, Henry Garnet , um dos principais jesuítas ingleses, foi enforcado por erro de traição por causa de seu conhecimento da Conspiração da Pólvora (1605). A Conspiração foi a tentativa de assassinato do Rei Jaime I da Inglaterra e VI da Escócia , sua família e a maior parte da aristocracia protestante em um único ataque, explodindo as Casas do Parlamento . Outro jesuíta, Oswald Tesimond , conseguiu escapar da prisão por seu envolvimento neste complô.

Justificativa casuística

Jesuítas foram acusados ​​de usar a casuística para obter justificativas para ações injustificáveis ​​(cf. Formulary Controvérsia e Lettres Provinciales , de Blaise Pascal ). Conseqüentemente, o Concise Oxford Dictionary of the English language lista "equivocando" como uma denotação secundária da palavra "Jesuíta". Os críticos modernos da Sociedade de Jesus incluem Avro Manhattan , Alberto Rivera e Malachi Martin , sendo este último o autor de Os Jesuítas: A Sociedade de Jesus e a Traição da Igreja Católica Romana (1987).

Exclusão de judeus e muçulmanos

Embora nos primeiros 30 anos da existência da Sociedade de Jesus houvesse muitos jesuítas conversos (judeus convertidos ao católico), uma facção anticonverso levou ao Decree de genere (1593), que proclamou que tanto a ancestralidade judia quanto a muçulmana , por mais distante que fosse, era um obstáculo intransponível para a admissão na Companhia de Jesus. Esta nova regra era contrária aos desejos originais de Inácio, que "disse que consideraria uma graça especial de nosso Senhor vir de linhagem judaica". O Decreto de gênero do século 16 foi revogado em 1946.

Debates teológicos

Dentro da Igreja Católica, existe uma relação às vezes tensa entre os jesuítas e a Santa Sé , devido ao questionamento dos ensinamentos oficiais da Igreja e das diretrizes papais, como aquelas sobre aborto , controle de natalidade , mulheres diáconas , homossexualidade e teologia da libertação . Ao mesmo tempo, os jesuítas foram nomeados para posições doutrinárias e teológicas proeminentes na igreja; sob o Papa Bento XVI, o Arcebispo Luis Ladaria Ferrer foi Secretário da Congregação para a Doutrina da Fé , que agora é, sob o Papa Francisco, o Prefeito desta Congregação.

Perseguição nazista

A Igreja Católica enfrentou perseguição na Alemanha nazista . Hitler era anticlerical e tinha um desdém particular pelos jesuítas. De acordo com John Pollard, o "ethos dos jesuítas representava a oposição mais intransigente à filosofia do nazismo" e, portanto, os nazistas os consideravam um de seus inimigos mais perigosos. Um colégio jesuíta na cidade de Innsbruck serviu como centro de resistência antinazista e foi fechado pelos nazistas em 1938. Os jesuítas foram alvo de perseguição pela Gestapo e muitos padres jesuítas foram deportados para campos de concentração. Os jesuítas constituíam o maior contingente de clérigos encarcerados no Quartel dos Padres do Campo de Concentração de Dachau . Lapomarda enumera cerca de 30 jesuítas como mortos em Dachau. Do total de 152 jesuítas assassinados pelos nazistas em toda a Europa, 43 morreram nos campos de concentração e outros 27 morreram em cativeiro ou seus resultados.

O Superior Geral dos Jesuítas no início da guerra era Wlodzimierz Ledochowski , um polonês. A perseguição nazista à Igreja Católica na Polônia foi particularmente severa. Vincent Lapomarda escreveu que Ledochowski ajudou "a endurecer a atitude geral dos jesuítas contra os nazistas" e que permitiu que a Rádio Vaticano continuasse sua campanha contra os nazistas na Polônia. A Rádio Vaticano era dirigida pelo jesuíta Filippo Soccorsi e se manifestava contra a opressão nazista, particularmente em relação à Polônia e ao anti-semitismo francês de Vichy.

O jesuíta Alfred Delp , membro do Círculo Kreisau que operava dentro da Alemanha nazista; ele foi executado em fevereiro de 1945.

Vários jesuítas foram proeminentes na pequena Resistência Alemã . Entre os membros centrais do Círculo Kreisau da Resistência estavam os padres jesuítas Augustin Rösch , Alfred Delp e Lothar König . O provincial jesuíta da Baviera, Augustin Rosch , encerrou a guerra no corredor da morte por seu papel no complô de julho para derrubar Hitler. Outro grupo não militar da Resistência Alemã, apelidado de "Frau Solf Tea Party" pela Gestapo, incluía o padre jesuíta Friedrich Erxleben . O jesuíta alemão Robert Leiber atuou como intermediário entre Pio XII e a Resistência Alemã .

Entre as vítimas jesuítas dos nazistas, o alemão Rupert Mayer foi beatificado. Mayer era um jesuíta bávaro que entrou em confronto com os nazistas já em 1923. Continuando sua crítica após a ascensão de Hitler ao poder, Mayer foi preso em 1939 e enviado para o campo de concentração de Sachsenhausen . Como sua saúde piorou, os nazistas temeram a criação de um mártir e o enviaram para a Abadia de Ettal em 1940. Lá ele continuou a dar sermões e palestras contra os males do regime nazista, até sua morte em 1945.

Esforços de resgate durante o Holocausto

Em sua história dos heróis do Holocausto, o historiador judeu Martin Gilbert observa que em todos os países sob ocupação alemã, os padres desempenharam um papel importante no resgate de judeus, e que os jesuítas eram uma das ordens católicas que escondiam crianças judias em mosteiros e escolas para protegê-los dos nazistas. Catorze padres jesuítas que tenham sido formalmente reconhecidos por Yad Vashem , o Holocausto dos Mártires e Heróis do relembrança em Jerusalém, para arriscar suas vidas para salvar judeus durante o Holocausto da Segunda Guerra Mundial: Roger Braun (1910-1981) da França; Pierre Chaillet (1900–1972) da França; Jean-Baptist De Coster (1896–1968) da Bélgica; Jean Fleury (1905–1982) da França; Emile Gessler (1891–1958) da Bélgica; Jean-Baptiste Janssens (1889–1964) da Bélgica; Alphonse Lambrette (1884–1970) da Bélgica; Emile Planckaert (1906–2006) da França; Jacob Raile (1894–1949) da Hungria; Henri Revol (1904–1992) da França; Adam Sztark (1907–1942) da Polônia; Henri Van Oostayen (1906–1945) da Bélgica; Ioannes Marangas (1901–1989) da Grécia; e Raffaele de Chantuz Cubbe (1904–1983) da Itália.

Vários outros jesuítas são conhecidos por terem resgatado ou dado refúgio aos judeus durante esse período. Uma placa em homenagem aos 152 padres jesuítas que deram suas vidas durante o Holocausto foi instalada em abril de 2007 na Universidade dos Jesuítas Rockhurst em Kansas City, Missouri , Estados Unidos.

Em ciência

Estudiosos
jesuítas na China . Acima : Matteo Ricci , Adam Schall e Ferdinand Verbiest (1623–1688); Embaixo: Paul Siu (Xu Guangqi) , Colao ou Primeiro Ministro de Estado, e sua neta Cândido Hiu.

Entre os séculos XVI e XVIII, o ensino das ciências nas escolas jesuítas, conforme previsto na Ratio atque Institutio Studiorum Societatis Iesu ("O Plano Oficial de Estudos para a Companhia de Jesus") de 1599, foi quase inteiramente baseado nas obras de Aristóteles.

Os jesuítas, no entanto, deram inúmeras contribuições significativas para o desenvolvimento da ciência. Por exemplo, os jesuítas dedicaram estudos significativos a campos que vão da cosmologia à sismologia , a última das quais foi descrita como "a ciência jesuíta". Os jesuítas foram descritos como "o contribuinte mais importante para a física experimental no século XVII". De acordo com Jonathan Wright em seu livro Soldados de Deus , no século XVIII os jesuítas "contribuíram para o desenvolvimento de relógios de pêndulo , pantógrafos , barômetros , telescópios refletores e microscópios - para campos científicos tão diversos como magnetismo , óptica e eletricidade . Eles observaram , em alguns casos antes de qualquer outra pessoa, as faixas coloridas na superfície de Júpiter , a nebulosa de Andrômeda e os anéis de Saturno . Eles teorizaram sobre a circulação do sangue (independentemente de Harvey ), a possibilidade teórica de voo, a forma como lua afetou as marés, e a natureza ondulatória da luz. "

As missões jesuíticas na China dos séculos 16 e 17 introduziram a ciência e a astronomia ocidentais . Um historiador moderno escreve que nos últimos tribunais Ming, os jesuítas eram "considerados impressionantes, especialmente por seus conhecimentos de astronomia, construção de calendário, matemática, hidráulica e geografia". A Sociedade de Jesus introduziu, de acordo com Thomas Woods , "um corpo substancial de conhecimento científico e uma vasta gama de ferramentas mentais para a compreensão do universo físico, incluindo a geometria euclidiana que tornava o movimento planetário compreensível".

Membros notáveis

Jesuítas notáveis ​​incluem missionários , educadores, cientistas, artistas, filósofos e um Papa. Entre muitos dos primeiros jesuítas ilustres estava Francis Xavier , um missionário na Ásia que converteu mais pessoas ao catolicismo do que qualquer um antes, e Robert Bellarmine , um médico da Igreja. José de Anchieta e Manuel da Nóbrega , fundadores da cidade de São Paulo , Brasil, eram padres jesuítas. Outro jesuíta famoso foi Jean de Brébeuf , um missionário francês que foi martirizado durante o século 17 no que antes era a Nova França (hoje Ontário ) no Canadá.

Na América espanhola, José de Acosta escreveu uma grande obra sobre o Peru e a Nova Espanha primitivos, com material importante sobre os povos indígenas. Na América do Sul, Peter Claver se destacou por sua missão aos escravos africanos, com base na obra de Alonso de Sandoval. Francisco Javier Clavijero foi expulso da Nova Espanha durante a Supressão da Companhia de Jesus em 1767 e escreveu uma importante história do México durante seu exílio na Itália. Eusebio Kino é conhecido no sudoeste dos Estados Unidos e no norte do México (uma área então chamada de Pimería Alta ). Ele fundou várias missões e serviu como o portador da paz entre as tribos e o governo da Nova Espanha. Antonio Ruiz de Montoya foi um importante missionário nas reduções jesuítas do Paraguai.

Baltasar Gracián foi um jesuíta espanhol do século 17 e escritor e filósofo de prosa barroca. Ele nasceu em Belmonte , perto de Calatayud ( Aragão ). Seus escritos, particularmente El Criticón (1651-7) e Oráculo Manual y Arte de Prudencia ("A Arte da Prudência", 1647) foram elogiados por Schopenhauer e Nietzsche .

Na Escócia , John Ogilvie , um jesuíta, é o único santo pós-Reforma da nação.

Gerard Manley Hopkins foi um dos primeiros poetas ingleses a usar versos saltados. Anthony de Mello foi um padre e psicoterapeuta jesuíta que se tornou amplamente conhecido por seus livros que introduziram os ocidentais às tradições de espiritualidade das Índias Orientais .

O cardeal Jorge Bergoglio, da Argentina, foi eleito Papa Francisco em 13 de março de 2013 e é o primeiro jesuíta a ser eleito papa.

Em setembro de 2020, o vice-governador do Estado de Washington, Cyrus Habib , é um novato na Província Oeste dos EUA.

A Festa de Todos os Santos e Beatos Jesuítas é celebrada a 5 de novembro.

Igrejas jesuítas

Instituições

Instituições educacionais

Embora o trabalho dos jesuítas hoje abarque uma ampla variedade de apostolados, ministérios e ocupações civis, eles provavelmente são mais conhecidos por seu trabalho educacional. Desde o início da ordem, os jesuítas são professores. Além de servir no corpo docente de escolas católicas e seculares, os jesuítas são a ordem religiosa católica com o segundo maior número de escolas administradas por eles: 168 instituições terciárias em 40 países e 324 escolas secundárias em 55 países. (Os Irmãos das Escolas Cristãs têm mais de 560 instituições educacionais lassalistas .) Eles também administram escolas primárias nas quais são menos propensos a ensinar. Muitas das escolas têm o nome de Francis Xavier e outros jesuítas proeminentes.

Depois do Concílio Vaticano II , as escolas jesuítas se tornaram um local de instrução muito controverso, pois abandonaram o ensino da educação católica tradicional com coisas como o domínio do latim e o Catecismo de Baltimore . As escolas jesuítas substituíram a instrução teológica clássica de pessoas como Santo Tomás de Aquino e São Boaventura por pessoas como Karl Rahner e Pierre Teilhard de Chardin, o que foi um movimento muito controverso na época.

As instituições educacionais jesuítas têm como objetivo promover os valores da Eloquentia Perfecta . Esta é uma tradição jesuíta que se concentra em cultivar a pessoa como um todo, à medida que se aprende a falar e escrever para o bem comum.

Instituições sociais e de desenvolvimento

Os jesuítas têm se envolvido cada vez mais em obras voltadas principalmente para o desenvolvimento social e econômico dos pobres e marginalizados. Incluem-se nisso a pesquisa, o treinamento, a defesa e a ação para o desenvolvimento humano, bem como os serviços diretos. A maioria das escolas jesuítas tem um escritório que promove a consciência social e o serviço social em sala de aula e por meio de programas extracurriculares, geralmente detalhados em seus sites. Os Jesuítas também administram mais de 500 centros de desenvolvimento social ou econômico notáveis ​​ou autônomos em 56 países ao redor do mundo.

Publicações

O Santuário de Loyola em Azpeitia , País Basco , Espanha , o principal santuário jesuíta na cidade natal de Inácio de Loyola

Os jesuítas também são conhecidos por seu envolvimento em publicações. La Civiltà Cattolica , um periódico produzido em Roma pelos jesuítas, tem sido freqüentemente usado como uma plataforma semi-oficial para papas e funcionários do Vaticano apresentarem ideias para discussão ou sugerirem declarações ou posições futuras. Nos Estados Unidos, The Way é um jornal internacional de espiritualidade cristã contemporânea publicado pelos jesuítas britânicos. A revista America há muito tem um lugar de destaque nos círculos intelectuais católicos. A maioria das faculdades e universidades jesuítas têm suas próprias editoras que produzem uma variedade de livros, séries de livros, livros didáticos e publicações acadêmicas. A Ignatius Press , fundada por um jesuíta, é uma editora independente de livros católicos, muitos dos quais são da variedade acadêmica popular ou intelectual leiga. Manresa é uma revisão da espiritualidade inaciana publicada em Madrid, Espanha.

Na Austrália, os jesuítas produzem várias revistas, incluindo Eureka Street , Madonna , Australian Catholics e Province Express .

Na Alemanha, os jesuítas publicam Geist und Leben .

Na Suécia, a revista cultural católica Signum , editada pelo Newman Institute, cobre um amplo espectro de questões relativas à fé, cultura, pesquisa e sociedade. A versão impressa do Signum é publicada oito vezes por ano.

Veja também

Notas

Referências

Citações

Origens

Leitura adicional

pesquisas

História das missões jesuítas na Índia, China e Japão (Luis de Guzmán, 1601).
  • Bangert, William V. Uma História da Sociedade de Jesus (2ª ed. 1958) 552 pp.
  • Barthel, Manfred. Jesuítas: História e Lenda da Companhia de Jesus (1984) 347 pp. Online grátis
  • Chapple, Christopher. Jesuit Tradition in Education & Missions: A 450-Year Perspective (1993), 290 pp.
  • Mitchell, David. Jesuits: A History (1981) 320 pp.
  • Molina, J. Michelle. Para Superar a Si Mesmo: The Jesuit Ethic and Spirit of Global Expansion, 1520–1767 (2013) online
  • O'Malley, John W. Os Jesuítas: Uma História de Inácio ao Presente (2014), 138 pp
  • Worcester, Thomas. ed. The Cambridge Companion to the Jesuits (2008), para 1773
  • Wright, Jonathan. Soldados de Deus: Aventura, Política, Intriga e Poder: Uma História dos Jesuítas (2004) 368 pp online grátis

Estudos especializados

  • Alden, Dauril. Making of an Enterprise: The Society of Jesus in Portugal, Its Empire & Beyond, 1540–1750 (1996).
  • Brockey, Liam Matthew. Journey to the East: The Jesuit Mission to China, 1579–1724 (2007).
  • Brodrick James (1940). A Origem dos Jesuítas . Originalmente publicado Longmans Green. ISBN   9780829409307 . , Edição especial publicada em 1997 pela Loyola University Press, EUA. ISBN   0829409300 .
  • Brodrick, James . São Francisco Xavier (1506–1552) (1952).
  • Brodrick, James . Saint Ignatius Loyola: The Pilgrim Years 1491-1538 (1998).
  • Burson, Jeffrey D. e Jonathan Wright, eds. The Jesuit Suppression in Global Context: Causes, Events, and Consequences (Cambridge UP, 2015).
  • Bygott, Ursula ML With Pen & Tongue: The Jesuits in Australia, 1865–1939 (1980).
  • Dalmases, Cándido de. Inácio de Loyola, Fundador dos Jesuítas: Sua Vida e Obra (1985).
  • Caraman, Philip. Ignatius Loyola: Uma Biografia do Fundador dos Jesuítas (1990).
  • Edwards, Francis. Jesuítas na Inglaterra de 1580 até os dias atuais (1985).
  • Grendler, Paul F. "Jesuit Schools and Universities in Europe 1548–1773." Brill Research Perspectives in Jesuit Studies 1.1 (2019): 1-118. conectados
  • Healy, Róisin. Jesuit Specter in Imperial Germany (2003).
  • Höpfl, Harro. Pensamento político jesuíta: A Sociedade de Jesus e o Estado, c. 1540–1640 (2004).
  • Hsia, Ronnie Po-chia. "Jesuit Foreign Missions. A Historiographical Essay." Journal of Jesuit Studies (2014) 1 # 1, pp. 47-65.
  • Kaiser, Robert Blair. Por dentro dos Jesuítas: como o Papa Francisco está mudando a Igreja e o mundo (Rowman & Littlefield, 2014)
  • Klaiber, Jeffrey. Os Jesuítas na América Latina: 1549–2000 :: 450 anos de inculturação, defesa dos direitos humanos e testemunho profético . St Louis, MO: Institute of Jesuit Sources 2009.
  • Lapomarda, Vincent A., Os Bispos Católicos da Europa e as Perseguições nazistas de Católicos e Judeus , The Edwin Mellen Press (2012)
  • McCoog, Thomas M., ed. Projeto Mercurian: Forming Jesuit Culture: 1573–1580 (2004) (30 ensaios avançados de estudiosos).
  • Martin, A. Lynn. Jesuit Mind. The Mentality of an Elite in Early Modern France (1988).
  • O'Malley, John. "A Companhia de Jesus." em R. Po-chia Hsia, ed., A Companion to the Reformation World (2004), pp. 223-36.
  • O'Malley, John W. ed. Santos ou demônios encarnados? Studies in Jesuit History (2013).
  • Parkman, Francis (1867). Os Jesuítas na América do Norte no Século XVII (PDF) . p. 637. Arquivo do original (PDF) em 9 de maio de 2012 . Página visitada em 25 de abril de 2012 .
  • Pomplun, Trent. Jesuíta no Telhado do Mundo: Missão de Ippolito Desideri ao Tibete. Oxford University Press (2010).
  • Roberts, Ian D. Harvest of Hope: Jesuit Collegiate Education in England, 1794–1914 (1996).
  • Ronan, Charles E. e Bonnie BC Oh, eds. East Meets West: The Jesuits in China, 1582–1773 (1988).
  • Ross, Andrew C. Vision Betrayed: The Jesuits in Japan & China, 1542–1742 (1994).
  • Santich, Jan Joseph. Missio Moscovitica: O Papel dos Jesuítas na Ocidentalização da Rússia, 1582–1689 (1995).
  • Schmiedl, Joachim (2011). Ordens religiosas como redes transnacionais da Igreja Católica , EGO - European History Online , Mainz: Institute of European History , recuperado: 25 de março de 2021 ( pdf ).
  • Wright, Jonathan. "Da Imolação à Restauração: Os Jesuítas, 1773-1814." Estudos Teológicos (2014) 75 # 4 pp. 729–745.
  • Zhang, Qiong. Fazendo seu próprio o Novo Mundo: encontros chineses com a ciência jesuíta na era das descobertas (Brill, 2015).


Estados Unidos

  • Cushner, Nicholas P. Soldados de Deus: Os Jesuítas na América Colonial, 1565–1767 (2002) 402 pp.
  • Garraghan, Gilbert J. Os Jesuítas do Meio dos Estados Unidos (3 vol 1938) cobre o Meio-Oeste de 1800 a 1919 vol 1 online ; vol 2 ; vol 3
  • McDonough, Peter. Homens treinados astutamente: uma história dos jesuítas no século americano (1994), cobre 1900 a 1960; grátis online
  • Schroth, Raymond A. The American Jesuits: A History (2009)

Fontes primárias

  • Desideri, Ippolito. "Missão ao Tibete: o relato extraordinário do século XVIII sobre o padre Ippolito Desideri." Traduzido por Michael J. Sweet. Editado por Leonard Zwilling. Boston: Publicações de Sabedoria, 2010.
  • Donnelly, John Patrick, ed. Escritos Jesuítas do Período Moderno: 1540–1640 (2006)

Em alemão

  • Klaus Schatz. Geschichte der deutschen Jesuiten: Bd. 1: 1814–1872 Münster: Aschendorff Verlag, 2013. XXX, 274 S. ISBN   978-3-402-12964-7 . revisão online
  • Schatz. Geschichte der deutschen Jesuiten: Bd. 2: 1872–1917
  • Schatz. Geschichte der deutschen Jesuiten: Bd. 3: 1917–1945
  • Schatz. Geschichte der deutschen Jesuiten: Bd. 4: 1945–1983
  • Schatz. Geschichte der deutschen Jesuiten: Bd. 5: Quellen, Glossar, Biogramme, Gesamtregister

links externos

Documentos da igreja católica

Documentos jesuítas

Outros links