Guerra do Pacífico - Pacific War

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Guerra do pacífico
Parte da segunda guerra mundial
No sentido horário a partir do canto superior esquerdo:
Data 7 de dezembro de 1941 - 2 de setembro de 1945
(3 anos, 8 meses, 3 semanas e 5 dias)
Localização
Resultado

Vitória aliada


Mudanças territoriais

Ocupação aliada do Japão

Beligerantes
Principais Aliados : China Estados Unidos Império Britânico Consulte a seção Participantes para obter mais detalhes.
 
 
 
Eixo principal : Japão Consulte a seção Participantes para obter mais detalhes.
 
Comandantes e líderes
Principais líderes aliados Chiang Kai-shek Franklin D. Roosevelt Winston Churchill


Líderes do eixo principal , Hirohito

Força
República da China (1912–1949) 14.000.000
Estados Unidos 3.621.383+ (1945)
Reino Unido 400.000
Raj britânico 2.000.000
Países Baixos 140.000
União Soviética 1.747.465 (1945)
Império do Japão 7,800,000-7,900,000 (1945)
Tailândia 126.500
Manchukuo , Bandeira da República da China-Nanjing (Paz, Anticomunismo, Construção Nacional) .svg , Azad Hind e outros bonecos : ~ + 1000000 (1945)
Vítimas e perdas

  • 11 porta-aviões militares
    5 navios
    de guerra 25 cruzadores
    84 destróieres e escoltas de destróieres
    63 submarinos
    21.555+ aeronaves
    4.000.000 mortos  (1937–45)
  • Mortes de civis mais de
    26.000.000  (1937–45)

  • 25 porta-aviões militares
    11 navios de guerra
    39 cruzadores
    135 destróieres
    131 submarinos
    43.125 ou mais aeronaves
    2.500.000 mortos (1937–45)
  • Mortes de civis mais de
    1.000.000
  • a Incluindo suas ilhas e países vizinhos.
  • b Parcial e brevemente.

A Guerra do Pacífico , às vezes chamada de Guerra Ásia-Pacífico , foi o palco da Segunda Guerra Mundial travada na Ásia , no Oceano Pacífico , no Oceano Índico e na Oceania . Foi geograficamente o maior teatro da guerra, incluindo o vasto teatro do Oceano Pacífico , o teatro do Sudoeste do Pacífico , o teatro do Sudeste Asiático , a Segunda Guerra Sino-Japonesa e a Guerra Soviética-Japonesa .

A Segunda Guerra Sino-Japonesa entre o Império do Japão e a República da China estava em andamento desde 7 de julho de 1937, com hostilidades que datavam de 19 de setembro de 1931 com a invasão japonesa da Manchúria . No entanto, é mais amplamente aceito que a própria Guerra do Pacífico começou em 7 de dezembro (8 de dezembro, hora japonesa) de 1941, quando os japoneses invadiram a Tailândia e atacaram as colônias britânicas da Malásia , Cingapura e Hong Kong , bem como os militares dos Estados Unidos e bases navais no Havaí , Ilha Wake , Guam e nas Filipinas .

A Guerra do Pacífico viu os Aliados enfrentarem o Japão, este último auxiliado pela Tailândia e em menor medida pelos aliados do Eixo , Alemanha e Itália . Os combates consistiram em algumas das maiores batalhas navais da história e em batalhas incrivelmente ferozes e crimes de guerra na Ásia e nas ilhas do Pacífico, resultando em imensa perda de vidas humanas. A guerra culminou com enormes aliadas ataques aéreos sobre o Japão , e os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki , acompanhada pela União Soviética 's declaração de guerra e invasão de Manchuria e outros territórios em 9 de agosto de 1945, fazendo com que os japoneses a anunciar um a intenção rendição em 15 de agosto de 1945. A cerimônia formal de rendição do Japão ocorreu a bordo do navio de guerra USS  Missouri na Baía de Tóquio em 2 de setembro de 1945. Após a guerra, o Japão perdeu todos os direitos e títulos de suas antigas possessões na Ásia e no Pacífico, e sua soberania foi limitado às quatro ilhas principais e outras ilhas menores, conforme determinado pelos Aliados. O Imperador Xintoísta do Japão abriu mão de grande parte de sua autoridade e status divino por meio da Diretiva Xintoísta a fim de preparar o caminho para extensas reformas culturais e políticas.

Visão geral

O Conselho de Guerra do Pacífico, conforme fotografado em 12 de outubro de 1942. Na foto estão representantes dos Estados Unidos (sentados), Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido, China, Holanda e
Comunidade das Filipinas

Nomes para a guerra

Nos países aliados durante a guerra, a "Guerra do Pacífico" geralmente não se distinguia da Segunda Guerra Mundial em geral, ou era conhecida simplesmente como Guerra contra o Japão . Nos Estados Unidos, o termo Pacific Theatre foi amplamente utilizado, embora fosse um nome impróprio em relação à campanha dos Aliados na Birmânia , a guerra na China e outras atividades dentro do South-East Asian Theatre . No entanto, as Forças Armadas dos Estados Unidos consideraram o Teatro China-Burma-Índia diferente do Teatro Ásia-Pacífico durante o conflito.

O Japão usou o nome Guerra da Grande Ásia Oriental ( 大 東 亜 戦 争 , Dai Tō-A Sensō ) , escolhido por uma decisão do gabinete em 10 de dezembro de 1941, para se referir à guerra com os Aliados Ocidentais e à guerra em andamento na China. Este nome foi divulgado ao público em 12 de dezembro, com a explicação de que envolvia nações asiáticas que alcançavam sua independência das potências ocidentais por meio das forças armadas da Esfera de Co-Prosperidade do Grande Leste Asiático . As autoridades japonesas integraram o que chamaram de Incidente Japão-China ( 日 支 事 変 , Nisshi Jihen ) na Guerra do Grande Leste Asiático.

Durante a ocupação militar aliada do Japão (1945–52), esses termos japoneses foram proibidos em documentos oficiais, embora seu uso informal tenha continuado, e a guerra tornou-se oficialmente conhecida como Guerra do Pacífico ( 太平洋 戦 争 , Taiheiyō Sensō ) . No Japão, a Guerra dos Quinze Anos ( 十五 年 戦 争 , Jūgonen Sensō ) também é usada, referindo-se ao período do Incidente de Mukden de 1931 a 1945.

Participantes

Mapa político da região da Ásia-Pacífico, 1939

Aliados

Os principais participantes aliados foram a China , os Estados Unidos e o Império Britânico . A China já estava engajada em uma guerra sangrenta contra o Japão desde 1937, incluindo o Exército Revolucionário Nacional do governo do KMT e unidades do PCCh , como a guerrilha Exército da Oitava Rota , o Novo Quarto Exército , bem como grupos menores. Os Estados Unidos e seus territórios, incluindo a Comunidade das Filipinas , entraram na guerra após serem atacados pelo Japão. O Império Britânico também foi um grande beligerante consistindo de tropas britânicas junto com um grande número de tropas coloniais das forças armadas da Índia , bem como da Birmânia , Malásia , Fiji , Tonga ; além de tropas da Austrália , Nova Zelândia e Canadá . O governo holandês no exílio (como possuidor das Índias Orientais Holandesas ) também estava envolvido. Todos eles eram membros do Conselho de Guerra do Pacífico .

O México forneceu algum apoio aéreo na forma do 201º Esquadrão de Caça e a França Livre enviou apoio naval na forma de Le Triomphant e mais tarde Richelieu . A partir de 1944, o grupo de comandos francês Corps Léger d'Intervention também participou de operações de resistência na Indochina. As forças da Indochina francesa enfrentaram as forças japonesas em um golpe em 1945 . O corpo de comando continuou a operar após o golpe até a libertação. Alguns guerrilheiros pró-aliados ativos na Ásia incluíam o Exército Popular Antijaponês da Malásia , o Exército de Libertação da Coreia , o Movimento da Tailândia Livre e o Việt Minh .

A União Soviética travou dois conflitos de fronteira curtos e não declarados com o Japão em 1938 e novamente em 1939 , então permaneceu neutra através do Pacto de Neutralidade Soviético-Japonesa de abril de 1941, até agosto de 1945, quando (e a Mongólia ) juntou-se ao resto dos Aliados e invadiu o território de Manchukuo , China, Mongólia Interior , o protetorado japonês da Coréia e territórios reivindicados por japoneses, como Sacalina do Sul .

Potências do eixo e estados alinhados

Os estados alinhados ao Eixo que ajudaram o Japão incluíam o governo autoritário da Tailândia , que formou uma aliança cautelosa com os japoneses em 1941, quando as forças japonesas deram ao governo um ultimato após a invasão japonesa da Tailândia . O líder da Tailândia, Plaek Phibunsongkhram , ficou muito entusiasmado com a aliança após vitórias japonesas decisivas na campanha da Malásia e em 1942 enviou o Exército Phayap para ajudar na invasão da Birmânia , onde o antigo território tailandês que havia sido anexado pela Grã-Bretanha foi reocupado ( Ocupado As regiões da Malásia foram igualmente reintegradas à Tailândia em 1943). Os Aliados apoiaram e organizaram um grupo clandestino de resistência antijaponesa, conhecido como Movimento Tailandês Livre , depois que o embaixador tailandês nos Estados Unidos se recusou a entregar a declaração de guerra. Por causa disso, após a rendição em 1945, a posição dos Estados Unidos era de que a Tailândia deveria ser tratada como uma marionete do Japão e ser considerada uma nação ocupada, e não como um aliado. Isso foi feito em contraste com a postura britânica em relação à Tailândia, que os enfrentou em combate quando invadiram o território britânico, e os Estados Unidos tiveram que bloquear os esforços britânicos para impor uma paz punitiva.

Também estavam envolvidos membros da Esfera de Co-Prosperidade do Grande Leste Asiático , que incluía o Exército Imperial Manchukuo e o Exército Chinês Colaboracionista dos estados fantoches japoneses de Manchukuo (consistindo na maior parte da Manchúria ), e o regime colaboracionista de Wang Jingwei (que controlava o litoral regiões da China ), respectivamente. Na campanha da Birmânia , outros membros, como o Exército Nacional da Índia Livre anti-britânico e o Exército Nacional da Birmânia do Estado da Birmânia estiveram ativos e lutando ao lado de seus aliados japoneses.

Além disso, o Japão recrutou muitos soldados de suas colônias da Coréia e Taiwan . Unidades de segurança colaboracionistas também foram formadas em Hong Kong (ex-polícia colonial reformada), Cingapura , Filipinas (também membro da Esfera de Co-Prosperidade do Grande Leste Asiático), Índias Orientais Holandesas ( PETA ), Malásia Britânica , Bornéu Britânico , a ex -Indochina Francesa (após a derrubada do regime francês em 1945 ) (os franceses de Vichy haviam permitido anteriormente que os japoneses usassem bases na Indochina Francesa a partir de 1941, após uma invasão ), bem como milícias timorenses . Essas unidades ajudaram o esforço de guerra japonês em seus respectivos territórios.

Alemanha e Itália tiveram envolvimento limitado na Guerra do Pacífico. As marinhas alemã e italiana operavam submarinos e navios de ataque nos oceanos Índico e Pacífico, notadamente o Monsun Gruppe . Os italianos tiveram acesso às bases navais do território de concessão na China, que utilizaram (e que mais tarde foram cedidas à China colaboracionista pela República Social Italiana no final de 1943). Após o ataque do Japão a Pearl Harbor e as subsequentes declarações de guerra, ambas as marinhas tiveram acesso às instalações navais japonesas.

Teatros

Entre 1942 e 1945, houve quatro áreas principais de conflito na Guerra do Pacífico: China , Pacífico Central , Sudeste Asiático e Sudoeste do Pacífico . As fontes americanas referem-se a dois teatros da Guerra do Pacífico: o teatro do Pacífico e o China Burma India Theatre (CBI). No entanto, esses não eram comandos operacionais.

No Pacífico, os Aliados dividiram o controle operacional de suas forças entre dois comandos supremos, conhecidos como Áreas do Oceano Pacífico e Área do Pacífico Sudoeste . Em 1945, por um breve período antes da rendição japonesa , a União Soviética e a Mongólia enfrentaram forças japonesas na Manchúria e no nordeste da China .

A Marinha Imperial Japonesa não integrou suas unidades em comandos permanentes do teatro. O Exército Imperial Japonês , que já havia criado o Exército Kwantung para supervisionar a ocupação de Manchukuo e o Exército Expedicionário da China durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa, criou o Grupo do Exército Expedicionário do Sul no início de suas conquistas do Sudeste Asiático. Este quartel-general controlava a maior parte das formações do Exército Japonês que se opunham aos Aliados Ocidentais no Pacífico e no Sudeste Asiático.

Contexto histórico

Conflito entre China e Japão

Generalíssimo Chiang Kai-shek , Comandante-em-Chefe Aliado no teatro da China de 1942 a 1945

Em 1937, o Japão controlava a Manchúria e também estava pronto para se aprofundar na China. O incidente da ponte Marco Polo em 7 de julho de 1937 provocou uma guerra em grande escala entre a China e o Japão. O Partido Nacionalista e os comunistas chineses suspenderam sua guerra civil para formar uma aliança nominal contra o Japão, e a União Soviética rapidamente deu apoio fornecendo grande quantidade de material às tropas chinesas. Em agosto de 1937, o Generalíssimo Chiang Kai-shek desdobrou seu melhor exército para lutar contra cerca de 300.000 soldados japoneses em Xangai , mas, após três meses de combate, Xangai caiu. Os japoneses continuaram a empurrar as forças chinesas para trás, capturando a capital Nanjing em dezembro de 1937 e conduzindo o Massacre de Nanjing . Em março de 1938, as forças nacionalistas obtiveram sua primeira vitória em Taierzhuang , mas a cidade de Xuzhou foi tomada pelos japoneses em maio. Em junho de 1938, o Japão mobilizou cerca de 350.000 soldados para invadir Wuhan e capturou-o em outubro. Os japoneses alcançaram grandes vitórias militares, mas a opinião mundial - em particular nos Estados Unidos - condenou o Japão, especialmente após o incidente de Panay .

Uma vala comum de prisioneiros chineses mortos pelo Exército Imperial Japonês no Massacre de Nanjing em 1937

Em 1939, as forças japonesas tentaram invadir o Extremo Oriente soviético vindo da Manchúria. Eles foram derrotados na Batalha de Khalkhin Gol por uma força mista soviética e mongol liderada por Georgy Zhukov . Isso interrompeu a expansão japonesa ao norte e a ajuda soviética à China terminou como resultado da assinatura do Pacto de Neutralidade Soviético-Japonesa no início de sua guerra contra a Alemanha .

Em setembro de 1940, o Japão decidiu cortar a única linha terrestre da China para o mundo exterior, apreendendo a Indochina Francesa, que era controlada na época pela França de Vichy . As forças japonesas quebraram o acordo com a administração de Vichy e os combates começaram , terminando com uma vitória japonesa. Em 27 de setembro, o Japão assinou uma aliança militar com a Alemanha e a Itália, tornando-se uma das três principais potências do Eixo . Na prática, havia pouca coordenação entre o Japão e a Alemanha até 1944, quando os Estados Unidos estavam decifrando sua correspondência diplomática secreta.

Vítimas chinesas de um pânico em massa durante um
bombardeio aéreo japonês de junho de 1941 em Chongqing

A guerra entrou em uma nova fase com a derrota sem precedentes dos japoneses na Batalha de Suixian – Zaoyang , na 1ª Batalha de Changsha , na Batalha de Kunlun Pass e na Batalha de Zaoyi . Após essas vitórias, as forças nacionalistas chinesas lançaram uma contra-ofensiva em grande escala no início de 1940; no entanto, devido à sua baixa capacidade militar-industrial, foi repelido pelo Exército Imperial Japonês no final de março de 1940. Em agosto de 1940, os comunistas chineses lançaram uma ofensiva na China Central ; em retaliação, o Japão instituiu a " Política dos Três Todos" ("Mate todos, Queime tudo, Roube tudo") nas áreas ocupadas para reduzir os recursos humanos e materiais para os comunistas.

Em 1941, o conflito se tornou um impasse. Embora o Japão tivesse ocupado grande parte do norte, centro e litoral da China, o governo nacionalista se retirou para o interior com uma capital provisória instalada em Chungking, enquanto os comunistas chineses permaneceram no controle das áreas de base em Shaanxi . Além disso, o controle japonês do norte e centro da China era um tanto tênue, visto que o Japão geralmente era capaz de controlar as ferrovias e as principais cidades ("pontos e linhas"), mas não tinha uma grande presença militar ou administrativa no vasto campo chinês . Os japoneses descobriram que sua agressão contra o exército chinês em retirada e reagrupamento foi paralisada pelo terreno montanhoso no sudoeste da China, enquanto os comunistas organizaram ampla guerrilha e atividades de sabotagem no norte e no leste da China, atrás da linha de frente japonesa.

O Japão patrocinou vários governos fantoches , um dos quais chefiado por Wang Jingwei . No entanto, suas políticas de brutalidade para com a população chinesa, de não ceder nenhum poder real a esses regimes e de apoiar vários governos rivais, não conseguiram fazer de nenhum deles uma alternativa viável ao governo nacionalista liderado por Chiang Kai-shek . Os conflitos entre as forças comunistas e nacionalistas chinesas que disputavam o controle do território atrás das linhas inimigas culminaram em um grande confronto armado em janeiro de 1941 , encerrando efetivamente sua cooperação.

Os esforços de bombardeio estratégico japonês visaram principalmente grandes cidades chinesas como Xangai, Wuhan e Chongqing , com cerca de 5.000 ataques de fevereiro de 1938 a agosto de 1943, no último caso. As campanhas de bombardeio estratégico do Japão devastaram extensamente as cidades chinesas, matando 260.000–350.934 não combatentes .

Tensões entre o Japão e o Ocidente

Já em 1935, os estrategistas militares japoneses concluíram que as Índias Orientais Holandesas eram, por causa de suas reservas de petróleo, de considerável importância para o Japão. Em 1940, eles expandiram isso para incluir a Indochina, a Malásia e as Filipinas em seu conceito de Esfera de Co-Prosperidade do Grande Leste Asiático . O aumento das tropas japonesas em Hainan, Taiwan e Haiphong foram observadas, oficiais do Exército Imperial Japonês estavam falando abertamente sobre uma guerra inevitável e o almirante Sankichi Takahashi disse que um confronto com os Estados Unidos era necessário.

Em um esforço para desencorajar o militarismo japonês, potências ocidentais, incluindo Austrália, Estados Unidos, Grã-Bretanha e o governo holandês no exílio , que controlava as Índias Orientais Holandesas ricas em petróleo, pararam de vender petróleo , minério de ferro e aço ao Japão, negando-o as matérias-primas necessárias para continuar suas atividades na China e na Indochina Francesa. No Japão, o governo e os nacionalistas viram esses embargos como atos de agressão; o petróleo importado representou cerca de 80% do consumo doméstico, sem o qual a economia do Japão, sem falar nas forças armadas, seria paralisada. A mídia japonesa, influenciada por propagandistas militares, passou a se referir aos embargos como "cerco ABCD (" American-British-Chinese-Dutch ")" ou " ABCD line ".

Diante de uma escolha entre o colapso econômico e a retirada de suas conquistas recentes (com a consequente perda de prestígio), a Sede Geral Imperial Japonesa (GHQ) começou a planejar uma guerra com as potências ocidentais em abril ou maio de 1941.

Preparações japonesas

Em preparação para a guerra contra os Estados Unidos, que seria decidida no mar e no ar, o Japão aumentou seu orçamento naval, bem como colocou grandes formações do Exército e sua força aérea anexada sob o comando da marinha. Enquanto anteriormente o IJA consumia a maior parte do orçamento militar do estado devido ao papel secundário do IJN na campanha do Japão contra a China (com uma divisão de 73/27 em 1940), de 1942 a 1945 haveria cerca de 60/40 divisão de fundos entre o exército e a marinha. O principal objetivo do Japão durante a parte inicial do conflito era confiscar recursos econômicos nas Índias Orientais Holandesas e na Malásia, o que oferecia ao Japão uma maneira de escapar dos efeitos do embargo aliado. Isso era conhecido como Plano Sul . Também foi decidido - devido ao relacionamento próximo entre o Reino Unido e os Estados Unidos e a crença (equivocada) de que os EUA inevitavelmente se envolveriam - que o Japão também exigiria a tomada das Filipinas, Wake e Guam .

O planejamento japonês era para travar uma guerra limitada em que o Japão tomaria os objetivos principais e então estabeleceria um perímetro defensivo para derrotar os contra-ataques aliados, o que por sua vez levaria a uma paz negociada. O ataque sobre o dos EUA Pacífico Fleet em Pearl Harbor , Hawaii, por transportadora aeronave com base da Fleet combinada foi destina-se a dar o tempo para completar um Japonesa de perímetro.

O período inicial da guerra foi dividido em duas fases operacionais. A Primeira Fase Operacional foi dividida em três partes separadas nas quais os objetivos principais das Filipinas, Malásia Britânica, Bornéu, Birmânia, Rabaul e as Índias Orientais Holandesas seriam ocupados. A Segunda Fase Operacional exigia uma maior expansão no Pacífico Sul, capturando o leste da Nova Guiné, Nova Grã-Bretanha, Fiji, Samoa e pontos estratégicos na área australiana. No Pacífico Central, Midway foi alvo, assim como as Ilhas Aleutas no Pacífico Norte. A apreensão dessas áreas-chave proporcionaria profundidade defensiva e negaria aos Aliados áreas de preparação para montar uma contra-ofensiva.

Em novembro, esses planos estavam essencialmente concluídos e foram modificados apenas ligeiramente no mês seguinte. A expectativa de sucesso dos planejadores militares japoneses baseava-se no fato de o Reino Unido e a União Soviética serem incapazes de responder com eficácia a um ataque japonês devido à ameaça que a Alemanha representava para cada um ; a União Soviética era mesmo considerada improvável de iniciar as hostilidades.

A liderança japonesa estava ciente de que uma vitória militar total em um sentido tradicional contra os Estados Unidos era impossível; a alternativa seria negociar a paz após as vitórias iniciais, o que reconheceria a hegemonia japonesa na Ásia. Na verdade, observou o GHQ Imperial, se negociações aceitáveis ​​fossem alcançadas com os americanos, os ataques seriam cancelados - mesmo que a ordem de ataque já tivesse sido dada. A liderança japonesa procurou basear a condução da guerra contra a América nas experiências históricas das guerras bem-sucedidas contra a China (1894–95) e a Rússia (1904–05) , nas quais uma forte potência continental foi derrotada por alcançar forças armadas limitadas objetivos, não por conquista total.

Eles também planejaram, caso os Estados Unidos transferissem sua Frota do Pacífico para as Filipinas, interceptar e atacar essa frota em rota com a Frota Combinada, de acordo com todo o planejamento e doutrina pré-guerra da Marinha Japonesa. Se os Estados Unidos ou a Grã-Bretanha atacassem primeiro, os planos estipulavam ainda que os militares deveriam manter suas posições e aguardar ordens do GHQ. Os planejadores notaram que o ataque às Filipinas e à Malásia britânica ainda tinha possibilidades de sucesso, mesmo no pior caso de um ataque preventivo combinado incluindo forças soviéticas.

Ofensivas japonesas, 1941-42

Após tensões prolongadas entre o Japão e os poderes ocidentais , unidades da Marinha Imperial Japonesa e Exército Imperial japonês lançou simultâneos ataques de surpresa contra os Estados Unidos eo Império Britânico em 7 de Dezembro (8 de dezembro na Ásia / Oeste do Pacífico fusos horários). Os locais dessa primeira onda de ataques japoneses incluíram os territórios americanos do Havaí , Filipinas , Guam e Ilha Wake e os territórios britânicos da Malásia , Cingapura e Hong Kong . Ao mesmo tempo, as forças japonesas invadiram o sul e o leste da Tailândia e resistiram por várias horas, antes que o governo tailandês assinasse um armistício e fizesse uma aliança com o Japão. Embora o Japão tenha declarado guerra aos Estados Unidos e ao Império Britânico , a declaração não foi entregue até o início dos ataques.

Ataques e invasões subsequentes ocorreram em dezembro de 1941 e no início de 1942, levando à ocupação dos territórios americanos, britânicos, holandeses e australianos e ataques aéreos ao continente australiano. Os Aliados sofreram muitas derrotas desastrosas nos primeiros seis meses da guerra.

Ataque a Pearl Harbor

O USS  Arizona queimou por dois dias após ser atingido por uma bomba japonesa no ataque a Pearl Harbor .

Nas primeiras horas de 7 de dezembro (horário havaiano), o Japão lançou um grande ataque aéreo baseado em porta-aviões surpresa em Pearl Harbor, em Honolulu, sem aviso explícito, que paralisou a Frota do Pacífico dos EUA, deixou oito navios de guerra americanos fora de ação, destruiu 188 aeronaves americanas , e causou a morte de 2.403 americanos. Os japoneses apostaram que os Estados Unidos, ao enfrentarem um golpe tão repentino e massivo e a perda de vidas, concordariam com um acordo negociado e dariam rédea solta ao Japão na Ásia. Essa aposta não valeu a pena. As perdas americanas foram menos graves do que se pensava inicialmente: os porta-aviões americanos, que provariam ser mais importantes do que os navios de guerra, estavam no mar e a infraestrutura naval vital ( tanques de óleo combustível , estaleiros e uma estação de energia), base submarina e As unidades de inteligência de sinais saíram ilesas e o fato de o bombardeio ter acontecido enquanto os Estados Unidos não estavam oficialmente em guerra em nenhum lugar do mundo causou uma onda de indignação nos Estados Unidos. A estratégia de recuo do Japão, contando com uma guerra de desgaste para fazer os EUA chegarem a um acordo, estava além das capacidades do IJN .

Antes do ataque a Pearl Harbor, os 800.000 membros do America First Committee se opunham veementemente a qualquer intervenção americana no conflito europeu, mesmo quando os Estados Unidos venderam ajuda militar à Grã-Bretanha e à União Soviética por meio do programa Lend-Lease . A oposição à guerra nos EUA desapareceu após o ataque. Em 8 de dezembro, o Reino Unido, os Estados Unidos, o Canadá e os Países Baixos declararam guerra ao Japão, seguidos pela China e Austrália no dia seguinte. Quatro dias depois de Pearl Harbor, a Alemanha e a Itália declararam guerra aos Estados Unidos, levando o país a uma guerra de dois teatros. Isso é amplamente aceito como um grande erro estratégico , pois anulou o benefício que a Alemanha ganhou com a distração do Japão dos EUA e a redução da ajuda à Grã-Bretanha, que tanto o Congresso quanto Hitler conseguiram evitar durante mais de um ano de provocações mútuas, que de outra forma teria resultado.

Campanhas do Sudeste Asiático de 1941 a 1942

Foto aérea japonesa do encouraçado HMS Prince of Wales (topo) e do cruzador de batalha HMS Repulse sob ataque.

A Tailândia, com seu território já servindo de trampolim para a Campanha da Malásia , se rendeu 5 horas após a invasão japonesa . O governo da Tailândia aliou-se formalmente ao Japão em 21 de dezembro. Ao sul, o Exército Imperial Japonês havia tomado a colônia britânica de Penang em 19 de dezembro, encontrando pouca resistência.

Hong Kong foi atacado em 8 de dezembro e caiu em 25 de dezembro de 1941, com as forças canadenses e os Voluntários Reais de Hong Kong desempenhando um papel importante na defesa. Bases americanas em Guam e na Ilha Wake foram perdidas na mesma época. As forças britânicas, australianas e holandesas, já sem pessoal e material por dois anos de guerra com a Alemanha, e fortemente comprometidas no Oriente Médio, Norte da África e em outros lugares, foram incapazes de fornecer muito mais do que uma resistência simbólica ao endurecido pela batalha Japonês. Dois grandes navios de guerra britânicos, o HMS  Repulse e o HMS  Prince of Wales , foram afundados por um ataque aéreo japonês ao largo da Malásia em 10 de dezembro de 1941.

Após a Declaração das Nações Unidas (o primeiro uso oficial do termo Nações Unidas) em 1 de janeiro de 1942, os governos aliados nomearam o General britânico Sir Archibald Wavell para o Comando Americano-Britânico-Holandês-Australiano (ABDACOM), um comando supremo da Forças aliadas no sudeste da Ásia. Isso deu a Wavell o controle nominal de uma força enorme, embora pouco espalhada por uma área da Birmânia às Filipinas e ao norte da Austrália. Outras áreas, incluindo Índia, Havaí e o resto da Austrália permaneceram sob comandos locais separados. Em 15 de janeiro, Wavell mudou-se para Bandung em Java para assumir o controle da ABDACOM.

As forças britânicas rendem Cingapura aos japoneses, fevereiro de 1942

Em janeiro, o Japão invadiu a Birmânia Britânica, as Índias Orientais Holandesas , a Nova Guiné , as Ilhas Salomão e capturou Manila , Kuala Lumpur e Rabaul . Depois de serem expulsos da Malásia, as forças aliadas em Cingapura tentaram resistir aos japoneses durante a Batalha de Cingapura , mas foram forçadas a se render aos japoneses em 15 de fevereiro de 1942; cerca de 130.000 indianos, britânicos, australianos e holandeses tornaram-se prisioneiros de guerra. O ritmo de conquista foi rápido: Bali e Timor também caíram em fevereiro. O rápido colapso da resistência Aliada deixou a "área ABDA" dividida em duas. Wavell renunciou à ABDACOM em 25 de fevereiro, entregando o controle da Área ABDA aos comandantes locais e retornando ao posto de Comandante-em-Chefe, na Índia .

O Bombardeio de Darwin , Austrália, 19 de fevereiro de 1942

Enquanto isso, as aeronaves japonesas praticamente eliminaram o poder aéreo aliado no sudeste da Ásia e estavam fazendo ataques aéreos ao norte da Austrália , começando com um bombardeio psicologicamente devastador, mas militarmente insignificante , da cidade de Darwin em 19 de fevereiro, que matou pelo menos 243 pessoas.

Na Batalha do Mar de Java no final de fevereiro e início de março, a Marinha Imperial Japonesa (IJN) infligiu uma derrota retumbante à principal força naval da ABDA, sob o comando do almirante Karel Doorman . A campanha das Índias Orientais Holandesas posteriormente terminou com a rendição das forças aliadas em Java e Sumatra.

Em março e abril, uma poderosa força de porta-aviões do IJN lançou um ataque ao Oceano Índico . Bases da Marinha Real britânica no Ceilão foram atingidas e o porta-aviões HMS  Hermes e outros navios aliados foram afundados. O ataque forçou a Marinha Real a se retirar para a parte ocidental do Oceano Índico. Isso abriu caminho para um ataque japonês à Birmânia e à Índia.

Na Birmânia, os britânicos, sob intensa pressão, fugiram de Rangoon para a fronteira indo-birmanesa. Isso cortou a Estrada da Birmânia , que era a linha de abastecimento dos Aliados ocidentais aos nacionalistas chineses. Em março de 1942, a Força Expedicionária Chinesa começou a atacar as forças japonesas no norte da Birmânia . Em 16 de abril, 7.000 soldados britânicos foram cercados pela 33ª Divisão japonesa durante a Batalha de Yenangyaung e resgatados pela 38ª Divisão chinesa, liderada por Sun Li-jen . A cooperação entre os nacionalistas chineses e os comunistas havia diminuído de seu apogeu na Batalha de Wuhan , e a relação entre os dois azedou enquanto ambos tentavam expandir suas áreas de operação nos territórios ocupados. Os japoneses aproveitaram essa falta de unidade para avançar em suas ofensivas.

Filipinas

Rendição das forças dos EUA em Corregidor , Filipinas, maio de 1942

Em 8 de dezembro de 1941, bombardeiros japoneses atingiram aeródromos americanos em Luzon. Eles pegaram a maioria dos aviões no solo, destruindo 103 aeronaves, mais da metade da força aérea dos Estados Unidos. Dois dias depois, novos ataques levaram à destruição do Estaleiro Naval Cavite, ao sul de Manila. Em 13 de dezembro, os ataques japoneses destruíram todos os campos de aviação importantes e praticamente aniquilaram o poder aéreo americano. Durante o mês anterior, antes do início das hostilidades, uma parte da Frota Asiática dos Estados Unidos foi enviada para o sul das Filipinas. No entanto, com pouca proteção aérea, os navios de superfície restantes nas Filipinas, especialmente os navios maiores, foram enviados para Java ou para a Austrália. Com sua posição igualmente insustentável, os bombardeiros americanos restantes voaram para a Austrália em meados de dezembro. As únicas forças que restaram para defender as Filipinas foram as tropas terrestres, alguns aviões de combate, cerca de 30 submarinos e alguns navios pequenos.

Em 10 de dezembro, as forças japonesas começaram uma série de pousos em pequena escala em Luzon. Os principais desembarques do 14º Exército ocorreram no Golfo de Lingayen em 22 de dezembro, com o grosso da 16ª Divisão de Infantaria . Outro grande segundo desembarque ocorreu dois dias depois em Lamon Bay , ao sul de Manila, pela 48ª Divisão de Infantaria . Enquanto as tropas japonesas convergiam para Manila, o general Douglas MacArthur começou a executar planos para fazer uma resistência final na Península de Bataan e na Ilha de Corregidor , a fim de negar o uso da baía de Manila aos japoneses. Uma série de ações de retirada trouxe suas tropas em segurança para Bataan, enquanto os japoneses entraram em Manila sem oposição em 2 de janeiro de 1942. Em 7 de janeiro, os japoneses atacaram Bataan . Depois de algum sucesso inicial, eles foram paralisados ​​por doenças e baixas, mas podiam ser reforçados, enquanto os americanos e filipinos não. Em 11 de março de 1942, sob as ordens do presidente Roosevelt, MacArthur deixou o Corregidor e foi para a Austrália, e o tenente-general Jonathan M. Wainwright assumiu o comando nas Filipinas. Os defensores em Bataan, com pouca munição e suprimentos, não conseguiram conter a ofensiva japonesa final. Conseqüentemente, Bataan caiu em 9 de abril, com os 76.000 prisioneiros de guerra americanos e filipinos sendo submetidos a uma terrível provação de 66 milhas (106 km) que veio a ser conhecida como Marcha da Morte de Bataan . Na noite de 5 para 6 de maio, após um intenso bombardeio aéreo e de artilharia de Corregidor, os japoneses desembarcaram na ilha e o general Wainwright se rendeu em 6 de maio. No sul das Filipinas, onde os principais portos e campos de aviação já haviam sido tomados pelos japoneses, as forças americanas-filipinas restantes se renderam em 9 de maio.

As forças norte-americanas e filipinas resistiram nas Filipinas até 9 de maio de 1942, quando mais de 80.000 soldados foram obrigados a se render. A essa altura, o general Douglas MacArthur , que havia sido nomeado Comandante Supremo Aliado do Sudoeste do Pacífico, havia sido retirado para a Austrália. A Marinha dos Estados Unidos, sob o comando do almirante Chester Nimitz , era responsável pelo resto do Oceano Pacífico. Esse comando dividido teve consequências desastrosas para a guerra comercial e, conseqüentemente, para a própria guerra.

Ameaça para a Austrália

No final de 1941, quando os japoneses atacaram Pearl Harbor, a maioria das melhores forças da Austrália estava comprometida com a luta contra as forças do Eixo no Teatro Mediterrâneo . A Austrália estava mal preparada para um ataque, sem armamentos, caças modernos, bombardeiros pesados ​​e porta-aviões. Enquanto ainda clamava por reforços de Churchill, o primeiro-ministro australiano John Curtin pediu apoio americano com um anúncio histórico em 27 de dezembro de 1941:

PoWs holandeses e australianos em Tarsau, na Tailândia, em 1943. 22.000 australianos foram capturados pelos japoneses; 8.000 morreram como prisioneiros de guerra.

O governo australiano ... considera a luta do Pacífico principalmente como aquela em que os Estados Unidos e a Austrália devem ter voz plena na direção do plano de luta das democracias. Sem inibições de qualquer tipo, deixo claro que a Austrália olha para a América, livre de qualquer angústia quanto a nossos vínculos ou parentesco tradicionais com o Reino Unido.

-  Primeiro Ministro John Curtin

A Austrália ficou chocada com o colapso rápido e esmagador da Malásia britânica e a queda de Cingapura, em que cerca de 15.000 soldados australianos foram capturados e se tornaram prisioneiros de guerra. Curtin previu que a " batalha pela Austrália " aconteceria em breve. Os japoneses estabeleceram uma base importante no Território Australiano da Nova Guiné começando com a captura de Rabaul em 23 de janeiro de 1942. Em 19 de fevereiro de 1942, Darwin sofreu um ataque aéreo devastador , a primeira vez que o continente australiano foi atacado. Nos 19 meses seguintes, a Austrália foi atacada pelo ar quase 100 vezes.

General dos EUA Douglas MacArthur , Comandante das Forças Aliadas na Área do Sudoeste do Pacífico, com o Primeiro Ministro australiano John Curtin

Duas divisões australianas endurecidas pelas batalhas estavam se mudando do Oriente Médio para Cingapura. Churchill queria que eles fossem desviados para a Birmânia, mas Curtin insistiu em um retorno à Austrália. No início de 1942, elementos da Marinha Imperial Japonesa propuseram uma invasão da Austrália . O Exército Imperial Japonês se opôs ao plano e ele foi rejeitado em favor de uma política de isolar a Austrália dos Estados Unidos por meio de bloqueio, avançando pelo Pacífico sul. Os japoneses decidiram por uma invasão marítima de Port Moresby , capital do Território Australiano de Papua, que colocaria todo o norte da Austrália ao alcance dos bombardeiros japoneses.

O presidente Franklin Roosevelt ordenou que o general Douglas MacArthur nas Filipinas formulasse um plano de defesa do Pacífico com a Austrália em março de 1942. Curtin concordou em colocar as forças australianas sob o comando de MacArthur, que se tornou Comandante Supremo do Sudoeste do Pacífico. MacArthur mudou seu quartel-general para Melbourne em março de 1942 e as tropas americanas começaram a se aglomerar na Austrália. A atividade naval inimiga atingiu Sydney no final de maio de 1942, quando submarinos anões japoneses lançaram um ataque ao porto de Sydney . Em 8 de junho de 1942, dois submarinos japoneses bombardearam brevemente os subúrbios ao leste de Sydney e a cidade de Newcastle.

Reagrupamento dos Aliados, 1942-43

Avanço japonês até meados de 1942

No início de 1942, os governos de potências menores começaram a pressionar por um conselho de guerra intergovernamental para a Ásia-Pacífico, com sede em Washington, DC. Um conselho foi estabelecido em Londres, com um órgão subsidiário em Washington. No entanto, as potências menores continuaram a pressionar por um corpo com sede nos Estados Unidos. O Conselho de Guerra do Pacífico foi formado em Washington, em 1º de abril de 1942, com o presidente Franklin D. Roosevelt , seu principal conselheiro Harry Hopkins e representantes da Grã-Bretanha, China, Austrália, Holanda, Nova Zelândia e Canadá. Posteriormente, foram acrescentados representantes da Índia e das Filipinas. O conselho nunca teve qualquer controle operacional direto, e quaisquer decisões tomadas eram encaminhadas ao Estado-Maior Combinado EUA-Reino Unido , que também estava em Washington. A resistência aliada, a princípio simbólica, gradualmente começou a endurecer. As forças australianas e holandesas lideraram civis em uma prolongada campanha de guerrilha no Timor Português .

Estratégia japonesa e o Doolittle Raid

Um bombardeiro B-25 decola do USS  Hornet como parte do Doolittle Raid.

Tendo cumprido seus objetivos durante a Primeira Fase de Operação com facilidade, os japoneses agora se voltaram para a segunda. A segunda fase operacional foi planejada para expandir a profundidade estratégica do Japão, adicionando o leste da Nova Guiné , Nova Grã-Bretanha , Aleutas , Midway , Ilhas Fiji , Samoa e pontos estratégicos na área australiana. No entanto, o Estado-Maior Naval , a Frota Combinada e o Exército Imperial , todos tinham estratégias diferentes para a próxima sequência de operações. O Estado-Maior Naval defendeu um avanço ao sul para tomar partes da Austrália. No entanto, com um grande número de tropas ainda engajadas na China combinadas com aquelas estacionadas na Manchúria em um impasse com a União Soviética, o Exército Imperial Japonês se recusou a contribuir com as forças necessárias para tal operação; isso rapidamente levou ao abandono do conceito. O Estado-Maior Naval ainda queria cortar as ligações marítimas entre a Austrália e os Estados Unidos, capturando a Nova Caledônia , Fiji e Samoa . Como isso exigia muito menos tropas, em 13 de março o Estado-Maior Naval e o Exército concordaram com operações com o objetivo de capturar Fiji e Samoa. A segunda fase operacional começou bem quando Lae e Salamaua, localizadas no leste da Nova Guiné, foram capturadas em 8 de março. No entanto, em 10 de março, um porta-aviões americano atacou as forças de invasão e causou perdas consideráveis. O ataque teve importantes implicações operacionais porque forçou os japoneses a interromper seu avanço no Pacífico Sul, até que a Frota Combinada forneceu os meios para proteger futuras operações de ataques de porta-aviões americanos. Ao mesmo tempo, o Doolittle Raid ocorreu em abril de 1942, onde 16 bombardeiros decolaram do porta-aviões USS  Hornet , a 600 milhas (970 km) do Japão. A incursão causou danos materiais mínimos em solo japonês, mas foi um grande impulso moral para os Estados Unidos; também teve grandes repercussões psicológicas no Japão, ao expor as vulnerabilidades da pátria japonesa. Como o ataque foi montado por uma força-tarefa de porta-aviões, consequentemente destacou os perigos que as ilhas japonesas poderiam enfrentar até que a destruição das forças de porta-aviões americanas fosse alcançada. Com apenas a Ilha de Marcus e uma linha de traineiras convertidas patrulhando as vastas águas que separam Wake e Kamchatka , a costa leste japonesa ficou aberta a ataques.

O almirante Yamamoto percebeu agora que era essencial completar a destruição da Marinha dos Estados Unidos, que havia começado em Pearl Harbor. Ele propôs atingir isso atacando e ocupando o Atol de Midway , um objetivo pelo qual pensava que os americanos iriam lutar, já que Midway estava perto o suficiente para ameaçar o Havaí. Durante uma série de reuniões realizadas de 2 a 5 de abril, o Estado-Maior Naval e os representantes da Frota Combinada chegaram a um acordo. Yamamoto conseguiu sua operação Midway, mas só depois de ameaçar renunciar. Em troca, no entanto, Yamamoto teve que concordar com duas exigências do Estado-Maior Naval, ambas as quais tinham implicações para a operação Midway. A fim de cobrir a ofensiva no Pacífico Sul, Yamamoto concordou em alocar uma divisão de transportadoras para a operação contra Port Moresby . Yamamoto também concordou em incluir um ataque para tomar pontos estratégicos nas Ilhas Aleutas simultaneamente com a operação Midway. Isso foi o suficiente para remover a margem de superioridade japonesa no próximo ataque de Midway.

Mar de Coral

O porta-aviões USS  Lexington explode em 8 de maio de 1942, várias horas depois de ser danificado por um ataque aéreo a um porta-aviões japonês.

O ataque a Port Moresby recebeu o codinome de Operação MO e foi dividido em várias partes ou fases. Na primeira, Tulagi seria ocupada em 3 de maio, os porta-aviões realizariam uma ampla varredura no Mar de Coral para encontrar e destruir as forças navais aliadas, com os desembarques realizados para capturar Port Moresby programados para 10 de maio. A Operação MO contou com uma força de 60 navios liderados por dois porta-aviões: Shōkaku e Zuikaku , um porta-aviões leve ( Shōhō ), seis cruzadores pesados, três cruzadores leves e 15 contratorpedeiros. Além disso, cerca de 250 aeronaves foram designadas para a operação, incluindo 140 a bordo dos três porta-aviões. No entanto, a batalha real não saiu de acordo com o planejado; embora Tulagi tenha sido apreendido em 3 de maio, no dia seguinte, aviões do porta-aviões americano Yorktown atacaram a força de invasão. O elemento surpresa, que estivera presente em Pearl Harbor, foi agora perdido devido ao sucesso dos decifradores aliados, que descobriram que o ataque seria contra Port Moresby . Do ponto de vista dos Aliados, se Port Moresby caísse, os japoneses controlariam os mares ao norte e oeste da Austrália e poderiam isolar o país. Uma força-tarefa aliada sob o comando do almirante Frank Fletcher , com os porta-aviões USS  Lexington e USS  Yorktown , foi montada para impedir o avanço japonês. Nos dois dias seguintes, as forças de porta-aviões americanas e japonesas tentaram, sem sucesso, localizar-se. Em 7 de maio, os porta-aviões japoneses lançaram um ataque total a um contato que se dizia ser porta-aviões inimigos, mas o relatório revelou-se falso. A força de ataque encontrou e atingiu apenas um lubrificador, o Neosho e o destruidor Sims . Os porta-aviões americanos também lançaram um ataque com reconhecimento incompleto e, em vez de encontrar a principal força de porta-aviões japonesa, eles apenas localizaram e afundaram o Shōho . Em 8 de maio, as forças de porta-aviões opostas finalmente se encontraram e trocaram ataques aéreos. As 69 aeronaves dos dois porta-aviões japoneses conseguiram afundar o porta-aviões Lexington e danificar o Yorktown . Em troca, os americanos danificaram Shōkaku . Embora Zuikaku não tenha sofrido danos, as perdas de aeronaves e pessoal em Zuikaku foram pesadas e os japoneses não puderam suportar um pouso em Port Moresby. Como resultado, a Operação MO foi cancelada e os japoneses foram subsequentemente forçados a abandonar suas tentativas de isolar a Austrália. Embora tenham conseguido afundar um porta-aviões, a batalha foi um desastre para os japoneses. Não apenas o ataque a Port Moresby foi interrompido, o que constituiu o primeiro revés japonês estratégico da guerra, mas todos os três porta-aviões comprometidos com a batalha estariam agora indisponíveis para a operação contra Midway. A Batalha do Mar de Coral foi a primeira batalha naval travada em que os navios envolvidos nunca se avistaram, com ataques exclusivamente de aeronaves.

Depois do Mar de Coral, os japoneses tinham quatro porta-aviões operacionais - Sōryū , Kaga , Akagi e Hiryū - e acreditavam que os americanos tinham no máximo dois - Enterprise e Hornet . Saratoga estava fora de ação, passando por reparos após um ataque de torpedo, enquanto Yorktown havia sido danificada no Mar de Coral e foi considerada pela inteligência naval japonesa como tendo sido afundada. Ela iria, de fato, ir para Midway depois de apenas três dias de reparos em sua cabine de comando , com equipes de trabalho civis ainda a bordo, a tempo de estar presente para o próximo confronto decisivo.

Midway

Hiryū sob ataque de bombardeiros pesados B-17 Flying Fortress

O almirante Yamamoto viu a operação contra Midway como a batalha potencialmente decisiva da guerra que poderia levar à destruição do poder estratégico americano no Pacífico e, posteriormente, abrir a porta para um acordo de paz negociado com os Estados Unidos, favorável ao Japão. Para a operação, os japoneses contavam com apenas quatro operadoras; Akagi , Kaga , Sōryū e Hiryū . Por meio de surpresa estratégica e tática, os japoneses derrubariam a força aérea da Midway e a suavizariam para um pouso de 5.000 soldados. Após a rápida captura da ilha, a Frota Combinada lançaria a base para a parte mais importante da operação. Yamamoto esperava que o ataque atraísse os americanos para uma armadilha. Midway seria a isca para a USN que partiria de Pearl Harbor para contra-atacar depois que Midway fosse capturado. Quando os americanos chegassem, ele concentraria suas forças dispersas para derrotá-los. Um aspecto importante do esquema era a Operação AL , que era o plano de tomar duas ilhas nas Aleutas , simultaneamente com o ataque a Midway. Contraditório ao mito persistente, a operação nas Aleutas não foi uma diversão para atrair as forças americanas de Midway, já que os japoneses queriam que os americanos fossem atraídos para Midway, em vez de longe dela. No entanto, em maio, os decifradores aliados descobriram o ataque planejado a Midway. O plano complexo de Yamamoto não previa a intervenção da frota americana antes que os japoneses esperassem. A vigilância planejada da frota americana em Pearl Harbor por hidroaviões de longo alcance não ocorreu como resultado de uma operação idêntica abortada em março. As linhas de reconhecimento de submarinos japoneses que deveriam estar instaladas ao longo das ilhas havaianas não foram concluídas a tempo, conseqüentemente os japoneses foram incapazes de detectar os porta-aviões americanos. Em uma área de busca, os submarinos japoneses haviam chegado à estação apenas algumas horas antes da Força-Tarefa 17 , contendo Yorktown , que havia passado pouco antes da meia-noite de 31 de maio.

A batalha começou em 3 de junho, quando uma aeronave americana da Midway avistou e atacou o grupo de transporte japonês 700 milhas (1.100 km) a oeste do atol. Em 4 de junho, os japoneses lançaram um ataque de 108 aeronaves na ilha, os atacantes empurrando os caças de defesa de Midway, mas não conseguindo desferir um golpe decisivo nas instalações da ilha. Mais importante, a aeronave de ataque baseada em Midway já havia partido para atacar os porta-aviões japoneses, que haviam sido avistados. A informação foi repassada aos três porta-aviões americanos e um total de 116 porta-aviões, além dos da Midway, estavam a caminho para atacar os japoneses. A aeronave de Midway atacou, mas não conseguiu acertar um único golpe contra os japoneses. No meio desses ataques descoordenados, uma aeronave de reconhecimento japonesa relatou a presença de uma força-tarefa americana, mas só mais tarde foi confirmada a presença de um porta-aviões americano. O vice-almirante Chuichi Nagumo foi colocado em uma situação tática difícil na qual ele teve que conter ataques aéreos americanos contínuos e se preparar para recuperar seus aviões de ataque Midway, enquanto decidia se lançaria um ataque imediato ao porta-aviões americano ou esperaria para preparar um ataque apropriado. Após rápida deliberação, ele optou por um ataque retardado, mas mais bem preparado, à força-tarefa americana, após recuperar seu ataque a Midway e armar adequadamente a aeronave. No entanto, começando às 10h22, os bombardeiros de mergulho American SBD Dauntless surpreenderam e atacaram com sucesso três dos porta-aviões japoneses. Com seus conveses carregados com aeronaves totalmente abastecidas e armadas, Sōryū , Kaga e Akagi foram transformados em destroços em chamas. Um único porta-aviões japonês, Hiryū , permaneceu operacional e lançou um contra-ataque imediato. Ambos os ataques atingiram Yorktown e a colocaram fora de ação. No final da tarde, aeronaves dos dois porta-aviões americanos restantes encontraram e destruíram Hiryū . O Yorktown aleijado , junto com o destróier Hammann , foram ambos afundados pelo submarino japonês I-168 . Com o poder de ataque do Kido Butai sendo destruído, o poder ofensivo do Japão foi enfraquecido. Na madrugada de 5 de junho, com a batalha perdida, os japoneses cancelaram a operação Midway e a iniciativa no Pacífico estava em jogo. Parshall e Tully notaram que embora os japoneses tenham perdido quatro porta-aviões, as perdas em Midway não degradaram radicalmente as capacidades de combate da aviação IJN como um todo.

Nova Guiné e Salomão

As forças terrestres japonesas continuaram avançando nas Ilhas Salomão e na Nova Guiné . A partir de julho de 1942, alguns batalhões de reserva australianos , muitos deles muito jovens e destreinados, lutaram uma teimosa ação de retaguarda na Nova Guiné, contra um avanço japonês ao longo da trilha Kokoda , em direção a Port Moresby, sobre as acidentadas cordilheiras Owen Stanley . A milícia, desgastada e severamente exaurida pelas baixas, foi substituída no final de agosto por tropas regulares da Segunda Força Imperial Australiana , retornando da ação no teatro mediterrâneo . No início de setembro de 1942, os fuzileiros navais japoneses atacaram uma base estratégica da Real Força Aérea Australiana em Milne Bay , perto da ponta leste da Nova Guiné. Eles foram derrotados pelas forças aliadas (principalmente batalhões de infantaria do Exército australiano e esquadrões da Força Aérea Real Australiana , com engenheiros do Exército dos Estados Unidos e uma bateria antiaérea em apoio), a primeira derrota da guerra para as forças japonesas em terra.

Na Nova Guiné, os japoneses na trilha Kokoda estavam à vista das luzes de Port Moresby, mas receberam ordem de recuar para a costa nordeste. As forças australianas e americanas atacaram suas posições fortificadas e, após mais de dois meses de combates na área de Buna-Gona, finalmente capturaram a cabeça de ponte japonesa no início de 1943.

Guadalcanal

Fuzileiros navais dos EUA descansam em campo durante a campanha de Guadalcanal em novembro de 1942.

Ao mesmo tempo em que ocorriam grandes batalhas na Nova Guiné, as forças aliadas tomaram conhecimento de um campo de aviação japonês em construção em Guadalcanal por meio de observadores costeiros . Em 7 de agosto de 1942, os fuzileiros navais dos EUA desembarcaram nas ilhas de Guadalcanal e Tulagi nas Ilhas Salomão. O vice-almirante Gunichi Mikawa , comandante da recém-formada Oitava Frota em Rabaul, reagiu rapidamente. Reunindo cinco cruzadores pesados, dois cruzadores leves e um contratorpedeiro, ele navegou para enfrentar as forças aliadas na costa de Guadalcanal. Na noite de 8-9 de agosto, a rápida resposta de Mikawa resultou na Batalha da Ilha de Savo , uma brilhante vitória japonesa durante a qual quatro cruzadores pesados ​​Aliados foram afundados, enquanto nenhum navio japonês foi perdido. Foi uma das piores derrotas navais aliadas da guerra. A vitória foi mitigada apenas pelo fracasso dos japoneses em atacar os transportes vulneráveis. Se assim fosse, o primeiro contra-ataque americano no Pacífico poderia ter sido interrompido. Os japoneses originalmente perceberam os desembarques americanos como nada mais do que um reconhecimento em vigor.

Com as forças japonesas e aliadas ocupando várias partes da ilha, nos seis meses seguintes ambos os lados despejaram recursos em uma batalha cada vez maior de atrito em terra, no mar e no céu. A cobertura aérea dos EUA com base no Campo de Henderson garantiu o controle americano das águas ao redor de Guadalcanal durante o dia, enquanto as capacidades superiores de combate noturno da Marinha Imperial Japonesa deram aos japoneses a vantagem durante a noite. Em agosto, as forças de porta-aviões japoneses e norte-americanos se envolveram em um confronto indeciso conhecido como Batalha das Salomões Orientais , resultando no naufrágio do porta-aviões leve Ryujo e danos ao USS  Enterprise   (CV-6) . Em outubro, as forças de cruzadores e destróieres dos EUA desafiaram com sucesso os japoneses em combates noturnos durante a Batalha de Cabo Esperance , afundando um cruzador japonês e um destruidor e a perda de um destruidor. Durante a noite de 13 de outubro, dois navios de guerra japoneses Kongo e Haruna bombardearam o Campo de Henderson. O campo de aviação foi temporariamente desativado, mas rapidamente voltou ao serviço. Em 26 de outubro, os porta-aviões japoneses Shokaku e Zuikaku afundaram o USS  Hornet   (CV-8) e danificaram fortemente a Enterprise na Batalha das Ilhas de Santa Cruz . A perda do Hornet , juntamente com a perda anterior do USS  Wasp   (CV-7) para o submarino IJN I-19 e pesados ​​danos submarinos para o USS  Saratoga   (CV-3) em setembro, significou que a força do porta-aviões dos EUA na região foi reduzido a uma única nave, Enterprise . No entanto, os dois porta-aviões do IJN sofreram graves perdas em aeronaves e pilotos também e tiveram que se retirar para suas águas residenciais para reparos e reabastecimento. De 12 de novembro a 15 de novembro, navios de superfície japoneses e americanos se envolveram em violentas ações noturnas na Batalha Naval de Guadalcanal , uma das duas únicas batalhas na Guerra do Pacífico durante as quais os navios de guerra lutaram entre si, que viu dois almirantes dos EUA mortos em ação e dois navios de guerra japoneses afundados.

Durante a campanha, a maioria das aeronaves japonesas baseadas no Pacífico Sul foram reimplantadas para a defesa de Guadalcanal. Muitos foram perdidos em vários confrontos com as forças aéreas aliadas baseadas no campo de Henderson, bem como aeronaves baseadas em porta-aviões. Enquanto isso, as forças terrestres japonesas lançaram ataques repetidos contra as posições dos EUA fortemente defendidas ao redor do Campo de Henderson, nos quais os japoneses sofreram terríveis baixas. Para sustentar essas ofensivas, o reabastecimento foi realizado por comboios japoneses, chamados de " Expresso de Tóquio " pelos Aliados. Os comboios freqüentemente enfrentavam batalhas noturnas com as forças navais inimigas, nas quais usavam destróieres que o IJN mal podia perder. Batalhas de frota envolvendo navios mais pesados ​​e até mesmo batalhas de porta-aviões durante o dia resultaram em um trecho de água perto de Guadalcanal que se tornou conhecido como " Som de Ironbottom " devido à multidão de navios afundados em ambos os lados. No entanto, os Aliados foram muito mais capazes de substituir essas perdas. Finalmente reconhecendo que a campanha para recapturar o Campo de Henderson e proteger Guadalcanal tinha simplesmente se tornado muito caro para continuar, os japoneses evacuaram a ilha e se retiraram em fevereiro de 1943. Na guerra de desgaste de seis meses, os japoneses perderam por não terem comprometer forças suficientes em tempo suficiente.

No final de 1942, a sede japonesa decidiu fazer de Guadalcanal sua prioridade. Contrariamente, os americanos, principalmente o almirante da Marinha dos Estados Unidos John S. McCain Sr. , esperavam usar sua vantagem numérica em Guadalcanal para derrotar um grande número de forças japonesas lá e drenar progressivamente a força de trabalho japonesa. No final das contas, quase 20.000 japoneses morreram em Guadalcanal, em comparação com pouco mais de 7.000 americanos.

Impasse na China e Sudeste Asiático

China 1942-1943

Tropas chinesas durante a Batalha de Changde em novembro de 1943

Na China continental , as 3ª, 6ª e 40ª Divisões japonesas, um grande total de cerca de 120.000 soldados, concentraram-se em Yueyang e avançaram para o sul em três colunas, tentando novamente cruzar o rio Miluo para chegar a Changsha. Em janeiro de 1942, as forças chinesas conquistaram a vitória em Changsha , o primeiro sucesso dos Aliados contra o Japão.

Após o Raid Doolittle , o Exército Imperial Japonês conduziu a Campanha Zhejiang-Jiangxi , com o objetivo de procurar os aviadores americanos sobreviventes, aplicando retaliação aos chineses que os ajudaram e destruindo as bases aéreas. Esta operação começou em 15 de maio de 1942 com 40 infantaria e 15-16 batalhões de artilharia, mas foi repelida pelas forças chinesas em setembro. Durante esta campanha, o Exército Imperial Japonês deixou para trás um rastro de devastação e também se envolveu na guerra biológica , disseminando patógenos de cólera , febre tifóide , peste e disenteria . As estimativas chinesas indicam que o número de mortos chega a 250.000 civis. Cerca de 1.700 soldados japoneses morreram, de um total de 10.000 que adoeceram quando as armas biológicas japonesas infectaram suas próprias forças.

Em 2 de novembro de 1943, Isamu Yokoyama , comandante do 11º Exército Imperial Japonês, implantou a 39ª, 58ª, 13ª, 3ª, 116ª e 68ª Divisões, um total de cerca de 100.000 soldados, para atacar Changde. Durante a Batalha de Changde , que durou sete semanas , os chineses forçaram o Japão a travar uma custosa campanha de desgaste. Embora o Exército Imperial Japonês inicialmente capturasse a cidade com sucesso, a 57ª Divisão chinesa foi capaz de imobilizá-los por tempo suficiente para que os reforços chegassem e cercassem os japoneses. Os chineses então cortaram as linhas de abastecimento japonesas, provocando uma retirada e uma perseguição chinesa. Durante a batalha, o Japão usou armas químicas.

Generalíssimo Chiang Kai-shek e General Joseph Stilwell , Comandante-em-Chefe Aliado no teatro da China de 1942 a 1945

Birmânia 1942-1943

Após a conquista japonesa da Birmânia, houve desordem generalizada e agitação pró-independência no leste da Índia e uma fome desastrosa em Bengala , que acabou causando até 3 milhões de mortes. Apesar disso, e das linhas de comunicação inadequadas, as forças britânicas e indianas tentaram contra-ataques limitados na Birmânia no início de 1943. Uma ofensiva em Arakan falhou, ignominiosamente na visão de alguns oficiais superiores, durante um ataque de longa distância montado pelos Chindits sob o brigadeiro Orde Wingate sofreu pesadas perdas, mas foi divulgado para elevar o moral Aliado. Também provocou os próprios japoneses a montarem grandes ofensivas no ano seguinte.

Em agosto de 1943, os Aliados formaram um novo Comando do Sudeste Asiático (SEAC) para assumir as responsabilidades estratégicas para a Birmânia e a Índia do Comando da Índia Britânica , sob Wavell. Em outubro de 1943, Winston Churchill nomeou o almirante Lord Louis Mountbatten como seu comandante supremo. O 14º Exército britânico e indiano foi formado para enfrentar os japoneses na Birmânia. Sob o comando do tenente-general William Slim , seu treinamento, moral e saúde melhoraram muito. O general americano Joseph Stilwell , que também foi vice-comandante de Mountbatten e comandou as forças dos EUA no China Burma India Theatre , direcionou ajuda à China e preparou-se para construir a estrada Ledo para ligar a Índia e a China por terra. Em 1943, a invasão do Exército Phayap da Tailândia dirigiu-se a Xishuangbanna na China, mas foi rechaçada pela Força Expedicionária Chinesa .

Ofensivas aliadas, 1943-44

Rotas de ataque aliadas contra o Império do Japão

Midway provou ser a última grande batalha naval em dois anos. Os Estados Unidos usaram o período que se seguiu para transformar seu vasto potencial industrial em um número cada vez maior de navios, aviões e tripulações treinadas. Ao mesmo tempo, o Japão, sem uma base industrial adequada ou estratégia tecnológica, um bom programa de treinamento de tripulantes ou recursos navais e defesa comercial adequados , ficava cada vez mais para trás. Em termos estratégicos, os Aliados iniciaram um longo movimento através do Pacífico, capturando uma base insular após a outra. Nem todas as fortalezas japonesas tiveram que ser capturadas; alguns, como Truk, Rabaul e Formosa, foram neutralizados por ataque aéreo e contornados. O objetivo era chegar perto do próprio Japão, então lançar ataques aéreos estratégicos massivos, melhorar o bloqueio do submarino e, finalmente, (apenas se necessário) executar uma invasão.

A Marinha dos Estados Unidos não procurou a frota japonesa para uma batalha decisiva, como sugeria a doutrina mahaniana (e como o Japão esperava); o avanço aliado só poderia ser interrompido por um ataque naval japonês, que a escassez de petróleo (induzida por ataque de submarino) tornou impossível.

Ofensivas aliadas na Nova Guiné e nas Salomões

Forças americanas desembarcando na Ilha Rendova , junho de 1943

No sudoeste do Pacífico, os Aliados agora tomaram a iniciativa estratégica pela primeira vez durante a guerra e, em junho de 1943, lançaram a Operação Cartwheel , uma série de invasões anfíbias para recapturar as Ilhas Salomão e a Nova Guiné e, por fim, isolar a principal base avançada japonesa em Rabaul . Após a invasão japonesa de Salamaua-Lae em março de 1943, Cartwheel começou com a campanha de Salamaua-Lae no norte da Nova Guiné em abril de 1943, que foi seguida em junho a outubro pela campanha da Nova Geórgia , na qual os Aliados usaram os desembarques em Rendova , Drive em Munda Point e Batalha de Munda Point para garantir um aeródromo japonês construído secretamente em Munda e o resto do grupo New Georgia Islands . Os desembarques de setembro até dezembro garantiram as ilhas do Tesouro e desembarcaram as tropas aliadas em Choiseul , Bougainville e Cabo Gloucester .

Esses desembarques prepararam o caminho para a campanha de Nimitz de salto de ilhas em direção ao Japão.

Invasão das Ilhas Gilbert e Marshall

Em novembro de 1943, os fuzileiros navais dos EUA sofreram muitas baixas quando oprimiram a guarnição de 4.500 homens em Tarawa . Isso ajudou os Aliados a melhorar as técnicas de desembarques anfíbios, aprendendo com seus erros e implementando mudanças, como bombardeios e bombardeios preventivos completos, planejamento mais cuidadoso em relação às marés e cronogramas de embarcações de desembarque e melhor coordenação geral. As operações nas Gilberts foram seguidas no final de janeiro e meados de fevereiro de 1944 por novos desembarques, menos onerosos, nas Ilhas Marshall.

Conferência do Cairo

Os líderes aliados dos teatros da Ásia e do Pacífico: Generalíssimo Chiang Kai-shek , Franklin D. Roosevelt e Winston Churchill reunidos na Conferência do
Cairo em 1943

Em 22 de novembro de 1943, o presidente americano Franklin D. Roosevelt, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill e o ROC Generalíssimo Chiang Kai-shek se reuniram no Cairo , Egito, para discutir uma estratégia para derrotar o Japão. A reunião também foi conhecida como Conferência do Cairo e foi concluída com a Declaração do Cairo .

Guerra submarina

Submarinos dos EUA, bem como alguns navios britânicos e holandeses, operando a partir de bases em Cavite nas Filipinas (1941–42); Fremantle e Brisbane , Austrália; Pearl Harbor; Trincomalee , Ceilão; Midway ; e mais tarde Guam , desempenhou um papel importante na derrota do Japão , embora os submarinos representassem uma pequena proporção das marinhas aliadas - menos de 2% no caso da Marinha dos Estados Unidos. Submarinos estrangularam o Japão afundando sua frota mercante, interceptando muitos transportes de tropas e interrompendo quase todas as importações de petróleo essenciais para a produção de armas e operações militares. No início de 1945, os suprimentos de petróleo japoneses eram tão limitados que sua frota ficou praticamente encalhada.

Os militares japoneses alegaram que suas defesas afundaram 468 submarinos aliados durante a guerra. Na realidade, apenas 42 submarinos americanos foram afundados no Pacífico devido à ação hostil, com outros 10 perdidos em acidentes ou como resultado de fogo amigo . Os holandeses perderam cinco submarinos devido a ataques japoneses ou campos minados, e os britânicos perderam três.

O Yamakaze torpedeado , visto através do periscópio de um submarino americano, Nautilus , em junho de 1942

Os submarinos americanos representaram 56% dos navios mercantes japoneses afundados; minas ou aeronaves destruíram a maior parte do resto. Os submarinistas americanos também reivindicaram 28% dos navios de guerra japoneses destruídos. Além disso, eles desempenharam papéis importantes de reconhecimento, como nas batalhas do Mar das Filipinas (junho de 1944) e Golfo de Leyte (outubro de 1944) (e, coincidentemente, em Midway em junho de 1942), quando deram um aviso preciso e oportuno da aproximação de a frota japonesa. Os submarinos também resgataram centenas de pilotos abatidos, incluindo o futuro presidente dos Estados Unidos, George HW Bush .

Os submarinos aliados não adotaram uma postura defensiva e esperaram o ataque do inimigo. Poucas horas depois do ataque a Pearl Harbor, em retribuição contra o Japão, Roosevelt promulgou uma nova doutrina: guerra submarina irrestrita contra o Japão. Isso significava afundar qualquer navio de guerra, navio comercial ou navio de passageiros em águas controladas pelo Eixo, sem aviso e sem ajudar os sobreviventes. Com a eclosão da guerra no Pacífico, o almirante holandês encarregado da defesa naval das Índias Orientais, Conrad Helfrich , deu instruções para travar a guerra de forma agressiva. Sua pequena força de submarinos afundou mais navios japoneses nas primeiras semanas da guerra do que todas as marinhas britânica e americana juntas, uma façanha que lhe rendeu o apelido de "Ship-a-day Helfrich".

Embora o Japão tivesse um grande número de submarinos, eles não tiveram um impacto significativo na guerra. Em 1942, os submarinos da frota japonesa tiveram um bom desempenho, derrubando ou danificando muitos navios de guerra aliados. No entanto, a doutrina da Marinha Imperial Japonesa (e dos Estados Unidos antes da guerra) estipulava que apenas as batalhas da frota, e não o guerre de course (ataque comercial), poderiam vencer as campanhas navais. Assim, enquanto os Estados Unidos tinham uma linha de suprimento incomumente longa entre sua costa oeste e as áreas da linha de frente, o que o deixava vulnerável a ataques submarinos, o Japão usava seus submarinos principalmente para reconhecimento de longo alcance e apenas ocasionalmente atacava linhas de suprimento norte-americanas. A ofensiva submarina japonesa contra a Austrália em 1942 e 1943 também conseguiu pouco.

À medida que a guerra se voltava contra o Japão, os submarinos IJN serviam cada vez mais para reabastecer fortalezas que haviam sido isoladas, como Truk e Rabaul . Além disso, o Japão honrou seu tratado de neutralidade com a União Soviética e ignorou os cargueiros americanos que transportavam milhões de toneladas de suprimentos militares de São Francisco para Vladivostok , para consternação de seu aliado alemão.

A
classe I-400 , os maiores submarinos não nucleares já construídos

A Marinha dos Estados Unidos, por outro lado, confiou nos ataques ao comércio desde o início. No entanto, o problema do cerco das forças aliadas nas Filipinas, no início de 1942, levou ao desvio de barcos para missões de "submarino de guerrilha". Basear-se na Austrália colocou os barcos sob ameaça aérea japonesa durante a rota para patrulhar áreas, reduzindo sua eficácia, e Nimitz dependia de submarinos para vigilância próxima das bases inimigas. Além disso, o torpedo Mark 14 de emissão padrão e seu explodidor Mark VI provaram estar com defeito, problemas que não foram corrigidos até setembro de 1943. Pior de tudo, antes da guerra, um desinformado oficial da alfândega dos EUA apreendeu uma cópia do código da marinha mercante japonesa (chamado de " código maru " na USN), sem saber que o Escritório de Inteligência Naval (ONI) o havia quebrado. Os japoneses o mudaram prontamente, e o novo código não foi quebrado novamente pelo OP-20-G até 1943.

Assim, somente em 1944 a Marinha dos Estados Unidos começou a usar seus 150 submarinos com o máximo efeito: instalando um radar de bordo eficaz, substituindo comandantes considerados pouco agressivos e consertando as falhas nos torpedos. A proteção do comércio japonês era "indescritível e indescritível" e os comboios eram mal organizados e defendidos em comparação com os aliados, um produto da doutrina e do treinamento falhos do IJN - erros ocultados tanto pelas falhas americanas quanto pelo excesso de confiança japonesa. O número de patrulhas (e afundamentos) de submarinos americanos aumentou vertiginosamente: 350 patrulhas (180 navios afundados) em 1942, 350 (335) em 1943 e 520 (603) em 1944. Em 1945, os afundamentos de navios japoneses diminuíram porque tão poucos alvos ousaram se aventurar em alto mar. Ao todo, os submarinos aliados destruíram 1.200 navios mercantes - cerca de cinco milhões de toneladas de navios. A maioria eram pequenos transportadores de carga, mas 124 eram petroleiros trazendo o petróleo desesperadamente necessário das Índias Orientais. Outros 320 eram navios de passageiros e transporte de tropas. Em estágios críticos das campanhas de Guadalcanal, Saipan e Leyte, milhares de soldados japoneses foram mortos ou desviados de onde eram necessários. Mais de 200 navios de guerra foram afundados, variando de muitos auxiliares e destruidores a um navio de guerra e nada menos que oito porta-aviões.

A guerra subaquática era especialmente perigosa; dos 16.000 americanos que saíram em patrulha, 3.500 (22%) nunca retornaram, a maior taxa de baixas de qualquer força americana na Segunda Guerra Mundial. O Comitê Conjunto de Avaliação Exército-Marinha avaliou os créditos de submarinos dos EUA. As perdas japonesas, 130 submarinos ao todo, foram maiores.

Contra-ofensivas japonesas na China, 1944

Em meados de 1944, o Japão mobilizou mais de 500.000 homens e lançou uma operação massiva em toda a China sob o codinome Operação Ichi-Go , sua maior ofensiva da Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de conectar o território controlado pelos japoneses na China e na Indochina francesa e capturar bases aéreas no sudeste da China, onde os bombardeiros americanos estavam baseados. Durante esse tempo, cerca de 250.000 soldados chineses recém-treinados pelos americanos sob o comando de Joseph Stilwell e a força expedicionária chinesa foram trancados à força no teatro birmanês pelos termos do Acordo de Lend-Lease. Embora o Japão tenha sofrido cerca de 100.000 baixas, esses ataques, os maiores em vários anos, ganharam muito terreno para o Japão antes que as forças chinesas parassem as incursões em Guangxi . Apesar das grandes vitórias táticas, a operação em geral não conseguiu fornecer ao Japão nenhum ganho estratégico significativo. A grande maioria das forças chinesas foi capaz de recuar para fora da área e, mais tarde, voltou para atacar as posições japonesas na Batalha de West Hunan . O Japão não estava mais perto de derrotar a China depois dessa operação, e as constantes derrotas sofridas pelos japoneses no Pacífico significavam que o Japão nunca teve o tempo e os recursos necessários para alcançar a vitória final sobre a China. A Operação Ichi-go criou um grande sentimento de confusão social nas áreas da China que afetou. Os guerrilheiros comunistas chineses foram capazes de explorar essa confusão para ganhar influência e controle de grandes áreas do campo após o Ichi-go.

Ofensiva japonesa na Índia, 1944

Forças chinesas nos tanques M3A3 Stuart na estrada Ledo
Tropas indianas britânicas durante a Batalha de Imphal

Após os reveses dos Aliados em 1943, o comando do Sudeste Asiático se preparou para lançar ofensivas na Birmânia em várias frentes. Nos primeiros meses de 1944, as tropas chinesas e americanas do Comando da Área de Combate do Norte (NCAC), comandado pelo americano Joseph Stilwell, começaram a estender a Estrada Ledo da Índia para o norte da Birmânia, enquanto o XV Corpo de exército iniciava um avanço ao longo da costa na província de Arakan . Em fevereiro de 1944, os japoneses montaram um contra-ataque local em Arakan. Após o sucesso japonês inicial, este contra-ataque foi derrotado quando as divisões indianas do XV Corpo de exército permaneceram firmes, contando com aeronaves para lançar suprimentos para unidades avançadas isoladas até que as divisões de reserva pudessem substituí-los.

Os japoneses responderam aos ataques aliados lançando uma ofensiva própria na Índia em meados de março, através da fronteira montanhosa e densamente arborizada. Este ataque, com o codinome Operação U-Go , foi defendido pela Tenente General Renya Mutaguchi , a comandante recentemente promovida do Décimo Quinto Exército Japonês ; O quartel-general imperial permitiu que continuasse, apesar das dúvidas de vários quartéis-generais intermediários. Embora várias unidades do Décimo Quarto Exército britânico tivessem que lutar para escapar do cerco, no início de abril eles haviam se concentrado em Imphal, no estado de Manipur. Uma divisão japonesa que avançou para Kohima em Nagaland cortou a estrada principal para Imphal, mas não conseguiu capturar todas as defesas em Kohima. Durante abril, os ataques japoneses contra Imphal falharam, enquanto novas formações aliadas expulsaram os japoneses das posições que haviam capturado em Kohima.

Como muitos japoneses temiam, os arranjos de abastecimento do Japão não conseguiram manter suas forças. Depois que as esperanças de Mutaguchi de uma vitória precoce foram frustradas, suas tropas, principalmente as de Kohima, morreram de fome. Durante o mês de maio, enquanto Mutaguchi continuava a ordenar ataques, os Aliados avançaram para o sul de Kohima e para o norte de Imphal. Os dois ataques aliados se encontraram em 22 de junho, quebrando o cerco japonês de Imphal. Os japoneses finalmente interromperam a operação em 3 de julho. Eles haviam perdido mais de 50.000 soldados, principalmente devido à fome e doenças. Isso representou a pior derrota sofrida pelo Exército Imperial Japonês até aquela data.

Embora o avanço em Arakan tivesse sido interrompido para liberar tropas e aeronaves para a Batalha de Imphal , os americanos e chineses continuaram avançando no norte da Birmânia, auxiliados pelos Chindits operando contra as linhas de comunicação japonesas. Em meados de 1944, a Força Expedicionária Chinesa invadiu o norte da Birmânia de Yunnan . Eles capturaram uma posição fortificada no Monte Song . No momento em que a campanha cessou durante as monções chuvas, o CNAM tinha assegurado um campo de pouso vital em Myitkyina (agosto de 1944), o que aliviou os problemas de reabastecimento aéreo da Índia para a China mais de " O corcunda ".

Começo do fim no Pacífico, 1944

Em maio de 1943, os japoneses prepararam a Operação Z ou o Plano Z, que previa o uso do poder naval japonês para conter as forças americanas que ameaçavam a linha externa do perímetro de defesa. Esta linha se estendia das Aleutas até Wake , as Ilhas Marshall e Gilbert , Nauru , o Arquipélago Bismarck , Nova Guiné , depois para o oeste, passando por Java e Sumatra até a Birmânia . Em 1943–44, as forças aliadas nas Salomão começaram a dirigir incansavelmente para Rabaul , eventualmente cercando e neutralizando a fortaleza. Com sua posição nas Salomão se desintegrando, os japoneses modificaram o Plano Z eliminando as Ilhas Gilbert e Marshall e o Arquipélago de Bismarck como áreas vitais a serem defendidas. Eles então basearam suas possíveis ações na defesa de um perímetro interno, que incluía as Marianas , Palau , a Nova Guiné Ocidental e as Índias Orientais Holandesas . Enquanto isso, no Pacífico Central, os americanos iniciaram uma grande ofensiva, começando em novembro de 1943 com desembarques nas ilhas Gilbert. Os japoneses foram forçados a assistir impotentes enquanto suas guarnições nas Gilbert e, em seguida, os Marshalls eram esmagados. A estratégia de manter guarnições em ilhas com extensão excessiva foi totalmente exposta.

Em fevereiro de 1944, a força-tarefa de porta-aviões rápido da Marinha dos Estados Unidos , durante a Operação Hailstone , atacou a principal base naval de Truk. Embora os japoneses tenham retirado seus principais navios a tempo de evitar serem ancorados no atol, dois dias de ataques aéreos resultaram em perdas significativas para aeronaves japonesas e navios mercantes. Os japoneses foram forçados a abandonar Truk e agora eram incapazes de enfrentar os americanos em qualquer frente do perímetro. Consequentemente, os japoneses mantiveram suas forças restantes em preparação para o que eles esperavam que fosse uma batalha decisiva. Os japoneses desenvolveram então um novo plano, conhecido como A-GO . A-GO imaginou uma ação decisiva da frota que seria travada em algum lugar do Palaus às Carolinas Ocidentais . Foi nesta área que a recém-formada Frota Móvel, juntamente com um grande número de aeronaves terrestres, se concentraria. Se os americanos atacassem as Marianas, eles seriam atacados por aviões terrestres nas proximidades. Então os americanos seriam atraídos para as áreas onde a Frota Móvel poderia derrotá-los.

Marianas e Palaus

Fuzileiros navais disparam arma de montanha capturada durante o ataque a Garapan , Saipan, em 21 de junho de 1944.
Fuzileiros navais dos EUA durante operações de limpeza em Peleliu, setembro de 1944

Em 12 de março de 1944, o Estado-Maior Conjunto dirigiu a ocupação das Marianas do Norte , especificamente as ilhas de Saipan , Tinian e Guam. A data-alvo foi definida para 15 de junho. Todas as forças da operação Marianas seriam comandadas pelo almirante Raymond A. Spruance. As forças designadas para seu comando consistiam em 535 navios de guerra e auxiliares, juntamente com uma força terrestre de três divisões e meia de fuzileiros navais e uma divisão reforçada do Exército, um total de mais de 127.500 soldados. Para os americanos, a operação nas Marianas traria os seguintes benefícios: a interrupção do oleoduto japonês para o sul; o desenvolvimento de bases navais avançadas para operações submarinas e de superfície; o estabelecimento de aeródromos para basear os B-29s para bombardear as ilhas japonesas; a escolha entre vários objetivos possíveis para a próxima fase de operações, o que manteria os japoneses incertos quanto às intenções americanas. Esperava-se também que essa penetração na zona de defesa interna japonesa, que ficava a pouco mais de 1.250 milhas (2.010 km) de Tóquio, pudesse forçar a frota japonesa a um combate decisivo. A capacidade de planejar e executar uma operação tão complexa no espaço de 90 dias era um indicativo da superioridade logística dos Aliados.

Em 15 de junho, a 2ª e a 4ª Divisões da Marinha, apoiadas por um grupo de bombardeio naval, totalizando oito navios de guerra, onze cruzadores e 26 destróieres desembarcaram em Saipan. No entanto, o fogo japonês foi tão eficaz que o objetivo do primeiro dia não foi alcançado até o dia 3. Após a fanática resistência japonesa, os fuzileiros navais capturaram o campo de aviação de Aslito no sul em 18 de junho. Os Seabees da Marinha dos EUA rapidamente tornaram o campo operacional para uso de aeronaves americanas. Em 22 de junho, a frente da 2ª e 4ª Divisões da Marinha que avançava para o norte se alargou a tal ponto que o General Holland Smith ordenou que a maior parte da 27ª Divisão do Exército assumisse a linha no centro, entre as duas divisões da Marinha dos EUA. A 27ª Divisão demorou a tomar sua posição e a fazer avanços, de modo que os flancos internos das divisões de fuzileiros navais ficaram expostos. Um U gigante foi formado com o 27º na base 1.500 jardas (1,4 km) atrás das formações em avanço. Isso deu aos japoneses a oportunidade de explorá-lo. Em 24 de junho, o general Holland Smith substituiu o general Ralph C. Smith , o general comandante da 27ª Divisão, que ele acreditava carecer de espírito agressivo.

Nafutan, o ponto ao sul de Saipan, foi assegurado em 27 de junho, depois que as tropas japonesas presas lá se esforçaram em uma tentativa desesperada de romper a barreira. No norte, o Monte Tapotchau , o ponto mais alto da ilha, foi conquistado em 27 de junho. Os fuzileiros navais então avançaram firmemente para o norte. Na noite de 6 para 7 de julho, ocorreu um ataque banzai no qual três a quatro mil japoneses fizeram uma investida fanática que penetrou nas linhas perto de Tanapag antes de ser exterminada. Após esse ataque, centenas da população nativa cometeram suicídio em massa, atirando-se dos penhascos nas rochas abaixo perto da ponta norte da ilha. Em 9 de julho, dois dias após o ataque banzai, a resistência organizada em Saipan cessou. Os fuzileiros navais dos EUA chegaram ao extremo norte de Saipan, Marpi Point, vinte e quatro dias após o desembarque. Restaram apenas grupos isolados de tropas japonesas ocultas.

Um mês após a invasão de Saipan, os EUA recapturaram Guam e capturaram Tinian . Uma vez capturadas, as ilhas de Saipan e Tinian foram amplamente utilizadas pelos militares dos Estados Unidos, enquanto finalmente colocavam o Japão continental ao alcance de ida e volta dos bombardeiros americanos B-29 . Em resposta, as forças japonesas atacaram as bases em Saipan e Tinian de novembro de 1944 a janeiro de 1945. Ao mesmo tempo e depois, as Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos com base nessas ilhas conduziram uma intensa campanha de bombardeio estratégico contra as cidades japonesas de militares e importância industrial, incluindo Tóquio , Nagoya , Osaka , Kobe e outros.

A invasão de Peleliu nas Ilhas Palau em 15 de setembro foi notável por uma mudança drástica nas táticas defensivas japonesas, resultando na maior taxa de baixas entre as forças dos EUA em uma operação anfíbia durante a Guerra do Pacífico. Em vez dos quatro dias previstos, demorou até 27 de novembro para garantir a segurança da ilha. O valor estratégico final dos desembarques ainda é contestado.

Mar das Filipinas

O porta-aviões japonês Zuikaku e dois contratorpedeiros sob ataque na Batalha do Mar das Filipinas

Quando os americanos pousaram em Saipan nas Marianas, os japoneses consideraram que manter Saipan era um imperativo. Consequentemente, os japoneses responderam com sua maior força de porta-aviões da guerra: a Frota Móvel de nove porta-aviões sob o comando do vice-almirante Jisaburō Ozawa , complementada por 500 aeronaves adicionais em terra. Diante deles estava a Quinta Frota dos Estados Unidos, sob o comando do Almirante Raymond A. Spruance , que continha 15 porta-aviões e 956 aeronaves. O confronto foi a maior batalha de porta-aviões da história. A batalha não saiu como os japoneses esperavam. Durante o mês anterior, os destróieres americanos destruíram 17 dos 25 submarinos da força de triagem de Ozawa e os repetidos ataques aéreos americanos destruíram as aeronaves japonesas baseadas em terra.

Em 19 de junho, uma série de ataques aéreos de transportadoras japonesas foram destruídos por fortes defesas americanas. O resultado foi mais tarde apelidado de Great Marianas Turkey Shoot . Todas as transportadoras americanas tinham centros de informação de combate , que interpretavam o fluxo de dados do radar e ordens de interceptação transmitidas por rádio para as patrulhas aéreas de combate . Os poucos atacantes japoneses que conseguiram alcançar a frota dos EUA em uma sequência escalonada encontraram fogo antiaéreo maciço com detonadores de proximidade . Apenas um navio de guerra americano foi ligeiramente danificado. No mesmo dia, Shōkaku foi atingido por quatro torpedos do submarino Cavalla e afundou com grande perda de vidas. O Taihō também foi afundado por um único torpedo, do submarino Albacora . No dia seguinte, a força de porta-aviões japonesa foi submetida a um ataque aéreo de porta-aviões americano e sofreu a perda do porta-aviões Hiyō . Os quatro ataques aéreos japoneses envolveram 373 porta-aviões, dos quais 130 retornaram aos porta-aviões. Muitos desses sobreviventes foram posteriormente perdidos quando Taihō e Shōkaku foram afundados por ataques de submarinos americanos. Após o segundo dia de batalha, as perdas totalizaram três porta-aviões e 445 tripulações com mais de 433 porta-aviões e cerca de 200 aeronaves terrestres. Os americanos perderam 130 aeronaves e 76 tripulantes, muitas perdas devido ao esgotamento do combustível das aeronaves que retornavam a seus porta-aviões à noite.

Embora a derrota no mar das Filipinas tenha sido severa em termos da perda dos três porta-aviões Taihō , Shōkaku e o Hiyō , o verdadeiro desastre foi a aniquilação dos grupos aéreos de porta-aviões. Essas perdas para a armada aérea da frota japonesa, já em menor número, foram insubstituíveis. Os japoneses passaram a maior parte do ano reconstituindo seus grupos aéreos, e os americanos destruíram 90% deles em dois dias. Os japoneses tinham apenas pilotos suficientes para formar o grupo aéreo de um de seus porta-aviões. A Frota Móvel voltou para casa com apenas 35 aeronaves dos 430 com os quais havia iniciado a batalha. A batalha terminou com uma derrota total dos japoneses e resultou no fim virtual de sua força de porta-aviões.

Golfo de Leyte, 1944

Os quatro combates na Batalha do Golfo de Leyte

O desastre no mar das Filipinas deixou os japoneses com duas escolhas: ou comprometer suas forças restantes em uma ofensiva total ou ficar sentados enquanto os americanos ocupavam as Filipinas e cortavam as rotas marítimas entre o Japão e os recursos vitais do leste holandês Índias e Malásia. Assim, os japoneses conceberam um plano que representava uma tentativa final de forçar uma batalha decisiva, utilizando sua última força restante - o poder de fogo de seus pesados ​​cruzadores e navios de guerra - contra a cabeça de praia americana em Leyte . Os japoneses planejavam usar seus porta-aviões restantes como isca para atrair os porta-aviões americanos para longe do Golfo de Leyte por tempo suficiente para que os navios de guerra pesados ​​entrassem e destruíssem todos os navios americanos presentes.

Os japoneses reuniram uma força de quatro porta-aviões, nove navios de guerra, 14 cruzadores pesados, sete cruzadores leves e 35 destróieres. Eles se dividem em três forças. A "Força Central", sob o comando do vice-almirante Takeo Kurita , consistia em cinco navios de guerra (incluindo o Yamato e o Musashi ), 12 cruzadores e 13 destróieres; a "Força do Norte", sob o comando de Jisaburō Ozawa , era composta por quatro porta-aviões, dois navios de guerra parcialmente convertidos em porta-aviões, três cruzadores leves e nove contratorpedeiros; a "Força do Sul" continha dois grupos, um sob o comando de Shōji Nishimura consistindo em dois navios de guerra da classe Fusō , um cruzador pesado e quatro destróieres, o outro sob Kiyohide Shima compreendia dois cruzadores pesados, um cruzador leve e quatro destróieres. A força central principal passaria pelo estreito de San Bernardino no mar das Filipinas, viraria para o sul e, em seguida, atacaria a área de desembarque. Os dois grupos separados da Força do Sul se uniriam e atacariam na área de pouso através do estreito de Surigao , enquanto a Força do Norte com os porta-aviões japoneses atrairia as principais forças de cobertura americanas para longe de Leyte. As transportadoras embarcaram um total de apenas 108 aeronaves.

No entanto, depois que o Center Force partiu da Baía de Brunei em 23 de outubro, dois submarinos americanos o atacaram, resultando na perda de dois cruzadores pesados ​​e outro avariado. Depois de entrar no Mar de Sibuyan em 24 de outubro, o Center Force foi atacado por um porta-aviões americano durante todo o dia, forçando outro cruzador pesado a se retirar. Os americanos então miraram no Musashi e o afundaram sob uma enxurrada de torpedos e bombas. Muitas outras naves do Center Force foram atacadas, mas continuaram. Convencidos de que seus ataques haviam tornado a Center Force ineficaz, os porta-aviões americanos seguiram para o norte para enfrentar a ameaça recém-detectada dos porta-aviões japoneses da Força do Norte de Ozawa. Na noite de 24-25 de outubro, a Força do Sul sob Nishimura tentou entrar no Golfo de Leyte pelo sul através do Estreito de Surigão, onde uma força americano-australiana liderada pelo contra-almirante Jesse Oldendorf e consistindo em seis navios de guerra, oito cruzadores e 26 destróieres , emboscou os japoneses. Utilizando ataques de torpedo guiados por radar, os destróieres americanos afundaram um dos couraçados e três contratorpedeiros enquanto danificavam o outro. O tiroteio naval guiado por radar acabou com o segundo navio de guerra, com apenas um único contratorpedeiro japonês sobrevivendo. Como resultado da observação do silêncio do rádio , o grupo de Shima foi incapaz de coordenar e sincronizar seus movimentos com o grupo de Nishimura e posteriormente chegou ao Estreito de Surigao no meio do encontro; depois de fazer um ataque de torpedo ao acaso, Shima recuou.

Ao largo do Cabo Engaño , 500 milhas (800 km) ao norte do Golfo Leyte, os americanos lançaram mais de 500 missões de aeronaves na Força do Norte, seguidas por um grupo de superfície de cruzadores e destróieres. Todos os quatro porta-aviões japoneses foram afundados, mas essa parte do plano japonês conseguiu afastar os porta-aviões americanos do Golfo de Leyte. Em 25 de outubro, a última grande ação de superfície travada entre as frotas japonesas e americanas durante a guerra ocorreu ao largo de Samar , quando a Center Force caiu sobre um grupo de porta-aviões de escolta americanos escoltados apenas por contratorpedeiros e escoltas de contratorpedeiros. Ambos os lados ficaram surpresos, mas o resultado parecia certo, já que os japoneses tinham quatro navios de guerra, seis cruzadores pesados ​​e dois cruzadores leves liderando dois esquadrões de destróieres. No entanto, eles não aproveitaram sua vantagem e se contentaram em conduzir um duelo de artilharia bastante indeciso antes de se separarem. As perdas japonesas foram extremamente pesadas, com quatro porta-aviões, três navios de guerra, seis cruzadores pesados, quatro cruzadores leves e onze contratorpedeiros afundados, enquanto os americanos perderam um porta-aviões leve e dois porta-aviões de escolta, um contratorpedeiro e duas escoltas de contratorpedeiro. A Batalha do Golfo de Leyte, sem dúvida a maior batalha naval da história , foi a maior batalha naval da Segunda Guerra Mundial. Para os japoneses, a derrota no Golfo de Leyte foi catastrófica, a Marinha Imperial Japonesa sofreu sua maior perda de navios e homens em combate. A inevitável libertação das Filipinas também significou que as ilhas natais seriam virtualmente isoladas dos recursos vitais dos territórios ocupados do Japão no Sudeste Asiático.

Filipinas, 1944–45

General Douglas MacArthur em terra firme em Leyte

Em 20 de outubro de 1944, o Sexto Exército dos Estados Unidos , apoiado por bombardeio naval e aéreo, pousou na favorável costa leste de Leyte , ao norte de Mindanao . O Sexto Exército dos EUA continuou seu avanço do leste, enquanto os japoneses enviaram reforços para a área da Baía de Ormoc, no lado oeste da ilha. Os EUA reforçaram o Sexto Exército com sucesso, mas a Quinta Força Aérea dos EUA devastou as tentativas japonesas de reabastecimento. Sob chuvas torrenciais e em terrenos difíceis, o avanço dos EUA continuou através de Leyte e da ilha vizinha de Samar ao norte. Em 7 de dezembro, unidades do Exército dos EUA desembarcaram em Ormoc Bay e, após uma grande batalha aérea e terrestre, interromperam a capacidade japonesa de reforçar e fornecer Leyte. Embora combates ferozes continuassem em Leyte por meses, o Exército dos EUA estava no controle.

Em 15 de dezembro de 1944, ocorreram desembarques contra resistência mínima nas praias do sul da ilha de Mindoro , um local-chave nas operações planejadas do Golfo de Lingayen , em apoio aos principais desembarques programados em Luzon . Em 9 de janeiro de 1945 , o Sexto Exército do General Krueger desembarcou suas primeiras unidades na costa sul do Golfo de Lingayen, na costa oeste de Luzon. Quase 175.000 homens seguiram através da cabeça de praia de 32 km em poucos dias. Com forte apoio aéreo, as unidades do Exército avançaram para o interior, tomando Clark Field , 40 milhas (64 km) a noroeste de Manila , na última semana de janeiro.

Tropas americanas se aproximando de posições japonesas perto de Baguio, Luzon, 23 de março de 1945

Seguiram-se mais dois grandes desembarques, um para isolar a Península de Bataan e outro, que incluiu uma queda de paraquedas, ao sul de Manila. Pinças cercaram a cidade e, em 3 de fevereiro de 1945, elementos da 1ª Divisão de Cavalaria invadiram os arredores ao norte de Manila e a 8ª Cavalaria passou pelos subúrbios ao norte e entrou na própria cidade.

Como o avanço em Manila continuou do norte e do sul, a Península de Bataan foi rapidamente protegida. Em 16 de fevereiro, pára-quedistas e unidades anfíbias atacaram a ilha-fortaleza de Corregidor , e a resistência terminou ali em 27 de fevereiro.

Ao todo, dez divisões dos EUA e cinco regimentos independentes lutaram em Luzon, tornando-se a maior campanha da Guerra do Pacífico, envolvendo mais tropas do que os Estados Unidos haviam usado no Norte da África, Itália ou sul da França. As forças incluíram o esquadrão de caça mexicano Escuadrón 201 como parte da Fuerza Aérea Expedicionaria Mexicana (FAEM - " Força Aérea Expedicionária Mexicana "), com o esquadrão anexado ao 58º Grupo de Caças das Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos que realizava missões de apoio tático. Dos 250.000 soldados japoneses que defendem Luzon, 80% morreram. O último soldado japonês remanescente nas Filipinas, Hiroo Onoda , se rendeu em 9 de março de 1974.

O Oitavo Exército invadiu a Ilha de Palawan , entre Bornéu e Mindoro (a quinta maior e mais ocidental ilha das Filipinas) em 28 de fevereiro de 1945, com desembarques em Puerto Princesa . Os japoneses apresentaram pouca defesa direta de Palawan, mas a limpeza de bolsões de resistência japonesa durou até o final de abril, quando os japoneses usaram sua tática comum de retirada para as selvas montanhosas, dispersas como pequenas unidades. Em todas as Filipinas, guerrilheiros filipinos ajudaram as forças dos EUA a encontrar e despachar os redutos.

O Oitavo Exército dos EUA então partiu para seu primeiro desembarque em Mindanao (17 de abril), a última das principais ilhas filipinas a ser tomada. Seguiu-se então a invasão e ocupação de Panay , Cebu , Negros e várias ilhas do arquipélago Sulu . Essas ilhas forneceram bases para que a Quinta e a Décima Terceira Força Aérea dos EUA atacassem alvos em todas as Filipinas e no Mar da China Meridional .

Etapas finais

Ofensivas aliadas na Birmânia, 1944–45

Royal Marines pousando em Ramree
Soldados britânicos patrulhando as ruínas de uma cidade birmanesa durante o avanço sobre Mandalay, janeiro de 1945

No final de 1944 e início de 1945, o Comando Aliado do Sudeste Asiático lançou ofensivas na Birmânia, com a intenção de recuperar a maior parte do país, incluindo Rangoon , a capital, antes do início das monções em maio. As ofensivas foram travadas principalmente pelas forças da Comunidade Britânica, China e Estados Unidos contra as forças do Japão Imperial, que foram assistidas até certo ponto pela Tailândia, o Exército Nacional da Birmânia e o Exército Nacional Indiano . As forças terrestres da Comunidade Britânica foram retiradas principalmente do Reino Unido, da Índia Britânica e da África.

O XV Corpo de exército indiano avançou ao longo da costa na província de Arakan, finalmente capturando a ilha de Akyab após fracassos nos dois anos anteriores. Eles então desembarcaram tropas atrás dos japoneses em retirada, causando pesadas baixas, e capturaram as ilhas Ramree e Cheduba ao largo da costa, estabelecendo campos de aviação nelas que foram usados ​​para apoiar a ofensiva na Birmânia Central.

A Força Expedicionária Chinesa capturou Mong-Yu e Lashio , enquanto o Comando da Área de Combate do Norte chinês e americano retomou seu avanço no norte da Birmânia. No final de janeiro de 1945, essas duas forças se uniram em Hsipaw . A Estrada Ledo foi concluída, ligando a Índia e a China, mas tarde demais na guerra para ter qualquer efeito significativo.

O Exército Japonês da Área da Birmânia tentou evitar o principal ataque aliado na parte central da frente retirando suas tropas para trás do rio Irrawaddy . O Tenente General Heitarō Kimura , o novo comandante japonês na Birmânia, esperava que as linhas de comunicação dos Aliados ficassem sobrecarregadas ao tentar cruzar este obstáculo. No entanto, o avanço do 14º Exército britânico sob o comando do tenente-general William Slim mudou seu eixo de avanço para flanquear os principais exércitos japoneses.

Durante fevereiro, o Décimo Quarto Exército garantiu as cabeças de ponte do Irrawaddy em uma ampla frente. Em 1o de março, unidades do IV Corpo de exército capturaram o centro de suprimentos de Meiktila , deixando os japoneses em desordem. Enquanto os japoneses tentavam recapturar Meiktila, o XXXIII Corpo de exército capturou Mandalay . Os exércitos japoneses foram fortemente derrotados e, com a captura de Mandalay, a população birmanesa e o Exército Nacional da Birmânia (que os japoneses haviam levantado) se voltaram contra os japoneses.

Durante o mês de abril, o Décimo Quarto Exército avançou 300 milhas (480 km) ao sul em direção a Rangoon, a capital e principal porto da Birmânia, mas foi atrasado pelas retaguardas japonesas a 40 milhas (64 km) ao norte de Rangoon no final do mês. Slim temia que os japoneses defendessem Rangoon de casa em casa durante a monção, o que comprometeria seu exército a uma ação prolongada com suprimentos desastrosamente inadequados, e em março ele havia solicitado um plano para capturar Rangoon por uma força anfíbia, a Operação Drácula , que havia sido abandonado antes, ser reintegrado. O Drácula foi lançado em 1º de maio, para descobrir que os japoneses já haviam evacuado Rangoon. As tropas que ocuparam Rangoon se uniram ao Décimo Quarto Exército cinco dias depois, garantindo as linhas de comunicação dos Aliados.

As forças japonesas que foram contornadas pelos avanços dos Aliados tentaram atravessar o rio Sittaung durante junho e julho para se juntar ao Exército de Área da Birmânia, que havia se reagrupado em Tenasserim, no sul da Birmânia. Eles sofreram 14.000 baixas, metade de sua força. No geral, os japoneses perderam cerca de 150.000 homens na Birmânia. Apenas 1.700 soldados japoneses se renderam e foram feitos prisioneiros.

Os Aliados estavam se preparando para fazer pousos anfíbios na Malásia quando a notícia da rendição japonesa chegou.

Iwo Jima

Iwo Jima mapa de localização

Embora as Marianas estivessem seguras e as bases americanas firmemente estabelecidas, o longo alcance de 1.200 milhas (1.900 km) das Marianas significava que as tripulações B-29 em missões de bombardeio sobre o Japão se encontravam no mar se sofressem danos graves e não pudessem retornar casa. As atenções se voltaram para a ilha de Iwo Jima nas Ilhas do Vulcão , a meio caminho entre as Marianas e o Japão. Os planejadores americanos reconheceram a importância estratégica da ilha, que tinha apenas 5 milhas (8,0 km) de comprimento, 8 milhas quadradas (21 km 2 ) de área e não tinha população nativa. A ilha foi usada pelos japoneses como uma estação de alerta precoce contra ataques aéreos iminentes às cidades japonesas. Além disso, as aeronaves japonesas baseadas em Iwo Jima foram capazes de atacar os B-29s em suas missões de bombardeio na rota para suas missões e no retorno perna para casa, e até mesmo para atacar instalações nas próprias Marianas. A captura de Iwo Jima forneceria aeródromos de pouso de emergência para consertar e reabastecer B-29s com problemas no caminho para casa e uma base para escoltas de caças P-51 para os B-29s. Iwo Jima também poderia fornecer uma base a partir da qual o apoio aéreo baseado em terra poderia proteger as frotas navais dos Estados Unidos à medida que se moviam para as águas japonesas ao longo do arco que desce de Tóquio através das Ilhas Ryukyu.

No entanto, os japoneses também perceberam o valor estratégico de Iwo Jima e o tenente-general Tadamichi Kuribayashi foi designado para o comando da ilha em maio de 1944. Nos meses seguintes, os japoneses começaram a trabalhar na construção de defesas elaboradas, fazendo o melhor uso possível de as cavernas naturais da ilha e o terreno irregular e rochoso. A ilha foi transformada em uma enorme rede de bunkers, armas escondidas, com passagens subterrâneas que levam de um ponto forte a outro. Cavernas naturais foram ampliadas e muitas outras novas foram destruídas. Um total de 11 milhas (18 km) de túneis foram construídos. Os japoneses também fizeram um grande esforço para construir grandes câmaras subterrâneas, algumas com até cinco andares de profundidade para servir como áreas de armazenamento e hospital com paredes grossas e tetos feitos de concreto armado. O principal posto de comando subterrâneo tinha um telhado de concreto de 3,0 m de espessura. Caixas de pílulas, bunkers e outras obras defensivas foram construídas perto do solo. Uma série de pontos fortes cobrindo as áreas de desembarque também foram construídos, a maioria coberta com areia e, em seguida, cuidadosamente camuflada. Os muitos canhões bem camuflados de 120 mm e 6 polegadas foram posicionados de forma que seu fogo pudesse ser direcionado para as praias. Os porta-remédios e os bunkers estavam todos conectados de forma que, se um deles fosse derrubado, pudesse ser reocupado novamente. Artilharia de menor calibre, canhões antiaéreos e morteiros também estavam bem escondidos e localizados onde apenas um ataque direto poderia destruí-los. Os japoneses estavam determinados a fazer os americanos pagarem um alto preço por Iwo Jima e estavam preparados para defendê-la até a morte. Kuribayashi sabia que não poderia vencer a batalha, mas esperava infligir graves baixas tão caras que retardaria o avanço americano sobre o Japão e talvez desse aos japoneses algum poder de barganha. Em fevereiro, um total de 21.000 soldados japoneses foram implantados em Iwo Jima.

A operação americana ("Operação Destacamento") para capturar a ilha envolveu três divisões de fuzileiros navais do V Corpo Anfíbio , um total de 70.647 soldados, sob o comando de Holland Smith . A partir de meados de junho de 1944, Iwo Jima ficou sob bombardeio aéreo e naval americano, que continuou até os dias que antecederam a invasão.

Levantando a Bandeira em Iwo Jima , uma fotografia icônica tirada por Joe Rosenthal em 23 de fevereiro de 1945, mostra seis fuzileiros navais dos Estados Unidos hasteando uma bandeira americana no topo do Monte Suribachi .

Um intenso bombardeio naval e aéreo precedeu o pouso, mas fez pouco além de levar os japoneses ainda mais para o subsolo, tornando suas posições impermeáveis ​​ao fogo inimigo. As armas e defesas ocultas sobreviveram ao bombardeio constante praticamente ilesas. Na manhã de 19 de fevereiro de 1945, 30.000 homens da 4ª e 5ª Divisões da Marinha sob o comando do Maj. General Harry Schmidt desembarcaram na costa sudeste da ilha perto do Monte. Suribachi , um vulcão inativo, onde se concentrava a maior parte das defesas da ilha. Os japoneses seguraram fogo até que as praias de desembarque estivessem cheias. Assim que os fuzileiros navais avançaram para o interior, foram atacados por devastadores tiros de metralhadora e artilharia. Embora tenham conseguido se firmar nas praias, os defensores os fizeram pagar um preço alto por cada avanço no interior. No final do dia, os fuzileiros navais alcançaram a costa oeste da ilha, mas suas perdas foram severas; quase 2.000 homens mortos ou feridos. Em 23 de fevereiro, o 28º Regimento de Fuzileiros Navais alcançou o cume do Monte. Suribachi, levando à agora famosa fotografia de Iwo Jima, Levantando a Bandeira . O secretário da Marinha, James Forrestal, ao ver a bandeira, disse que "haverá um Corpo de Fuzileiros Navais pelos próximos 500 anos". O hasteamento da bandeira é freqüentemente citado como a fotografia mais reproduzida de todos os tempos e se tornou a representação arquetípica não apenas daquela batalha, mas de toda a Guerra do Pacífico. No restante de fevereiro, os americanos avançaram para o norte e, em 1º de março, haviam conquistado dois terços da ilha. Mas foi só no dia 26 de março que a ilha foi finalmente protegida. Iwo Jima foi uma das batalhas mais sangrentas travadas pelos americanos durante a Guerra do Pacífico; os japoneses lutaram até o último homem.

As baixas americanas foram 6.821 mortos e 19.207 feridos. As perdas japonesas totalizaram bem mais de 20.000 homens mortos, com apenas 1.083 prisioneiros foram feitos. Os historiadores debatem se valeu a pena estrategicamente as baixas sofridas.

Okinawa

USS  Bunker Hill queima após ser atingido por dois kamikazes . Em Okinawa, os kamikazes causaram 4.900 mortes de americanos.
Fuzileiros navais dos EUA passam por um soldado japonês morto em uma vila destruída em Okinawa, abril de 1945

A maior e mais sangrenta batalha travada pelos americanos contra os japoneses ocorreu em Okinawa. A tomada de ilhas no Ryukyus deveria ter sido o último passo antes da invasão real das ilhas japonesas. Okinawa, a maior das ilhas Ryukyu, estava localizada a cerca de 340 milhas (550 km) da ilha de Kyushu. A captura de Okinawa proporcionaria bases aéreas para os bombardeiros B-29 para intensificar o bombardeio aéreo do Japão e para o apoio aéreo direto baseado em terra na invasão de Kyushu. As ilhas também poderiam abrir caminho para aumentar o bloqueio à navegação japonesa e ser usadas como uma área de espera e base de abastecimento para qualquer invasão das ilhas natais.

As tropas japonesas defendendo Okinawa, sob o comando do tenente-general Ushijima Mitsuru, totalizaram cerca de 75.000-100.000, acrescidos de milhares de civis na ilha densamente povoada. As forças americanas para a operação totalizaram 183.000 soldados em sete divisões (quatro do Exército dos EUA e três da Marinha) sob o Décimo Exército . A Frota Britânica do Pacífico operou como uma unidade separada das forças-tarefa americanas na operação de Okinawa. Seu objetivo era atacar aeródromos na cadeia de ilhas entre Formosa e Okinawa, para evitar que os japoneses reforçassem as defesas de Okinawa daquela direção.

Após um intenso bombardeio de sete dias, os principais desembarques em Okinawa ocorreram em 1º de abril, nas praias de Hagushi, perto da parte central da costa oeste da ilha. No entanto, houve pouca oposição nas praias, pois os japoneses haviam decidido enfrentar os americanos mais para o interior, fora do alcance dos tiros navais. Cerca de 60.000 soldados americanos pousaram no primeiro dia, ocupando os dois campos de aviação próximos e avançando pela estreita cintura da ilha para cortá-la em duas.

O primeiro grande contra-ataque japonês ocorreu nos dias 6 e 7 de abril, na forma de ataques de aeronaves kamikaze e de uma operação naval, denominada Ten-Go . Uma força, sob o comando do almirante Seiichi Itō , consistindo no encouraçado Yamato , o cruzador leve Yahagi e oito destróieres foi montada. Essa força deveria ser usada como isca para afastar o máximo possível de porta-aviões americanos de Okinawa, a fim de deixar as forças navais aliadas vulneráveis ​​a ataques Kamikaze em grande escala. Os japoneses estavam com falta de combustível, conseqüentemente o Yamato tinha apenas o suficiente para chegar a Okinawa. Na costa de Okinawa, foi planejado encalhar o navio de guerra e usar suas armas de 18,1 polegadas (46 cm) para apoiar os combates na ilha. Após serem avistados por um submarino americano e uma aeronave de reconhecimento, aeronaves de ataque naval foram enviadas para atacar as forças japonesas, resultando no naufrágio do Yamato , Yahagi e quatro dos contratorpedeiros. Ataques Kamikaze em massa se intensificaram durante os três meses seguintes, com um total de 5.500 surtidas feitas pelos japoneses.

Na parte norte de Okinawa, as tropas americanas encontraram apenas uma leve oposição, e a área foi tomada em cerca de duas semanas. No entanto, as principais defesas japonesas estavam na parte sul da ilha. Houve uma luta acirrada contra as tropas japonesas bem entrincheiradas, mas as forças dos EUA progrediram lentamente. A tomada do castelo de Shuri em 29 de maio, o centro da resistência japonesa, representou um golpe estratégico e psicológico. A resistência organizada não acabou até 21 de junho. Mas muitos japoneses se esconderam e a campanha não foi declarada terminada até 2 de julho.

A batalha por Okinawa foi custosa e durou muito mais tempo do que os americanos esperavam inicialmente. Os japoneses utilizaram habilmente o terreno para infligir o máximo de baixas. O total de baixas americanas foi de 49.451, incluindo 12.520 mortos ou desaparecidos e 36.631 feridos. As vítimas japonesas foram de aproximadamente 110.000 mortos e 7.400 foram feitos prisioneiros. 94% dos soldados japoneses morreram junto com muitos civis. Os ataques Kamikaze também afundaram 36 navios de todos os tipos, danificaram mais 368 e causaram a morte de 4.900 marinheiros americanos, causando a perda de 7.800 aeronaves japonesas.

China, 1945

Em abril de 1945, a China já estava em guerra com o Japão há mais de sete anos. Ambas as nações estavam exauridas por anos de batalhas, bombardeios e bloqueios. Após as vitórias japonesas na Operação Ichi-Go , o Japão estava perdendo a batalha na Birmânia e enfrentando constantes ataques das forças nacionalistas chinesas e guerrilheiros comunistas no campo. O Exército Imperial Japonês começou os preparativos para a Batalha de West Hunan em março de 1945. Os japoneses mobilizaram 34ª, 47ª, 64ª, 68ª e 116ª Divisões, bem como a 86ª Brigada Independente, para um total de 80.000 homens para tomar aeródromos chineses e proteger ferrovias em West Hunan no início de abril. Em resposta, o Conselho Militar Nacional Chinês despachou o 4º Exército da Frente e os 10º e 27º Grupos de Exércitos com He Yingqin como comandante-chefe. Ao mesmo tempo, ele transportou de avião todo o Novo 6º Corpo chinês, um corpo equipado pelos americanos e veteranos da Força Expedicionária da Birmânia, de Kunming a Zhijiang . As forças chinesas totalizaram 110.000 homens em 20 divisões. Eles foram apoiados por cerca de 400 aeronaves das forças aéreas chinesas e americanas. As forças chinesas alcançaram uma vitória decisiva e lançaram um grande contra-ataque nesta campanha . Ao mesmo tempo, os chineses conseguiram repelir uma ofensiva japonesa em Henan e Hubei . Posteriormente, as forças chinesas retomaram as províncias de Hunan e Hubei no sul da China. Os chineses lançaram uma contra- ofensiva para retomar Guangxi, o último grande reduto japonês no sul da China. Em agosto de 1945, as forças chinesas retomaram Guangxi com sucesso.

Bornéu, 1945

Os LVTs dos EUA desembarcam soldados australianos em Balikpapan em 7 de julho de 1945.

A campanha de Bornéu de 1945 foi a última grande campanha na área do Sudoeste do Pacífico . Em uma série de ataques anfíbios entre 1 ° de maio e 21 de julho, o I Corps australiano , comandado pelo general Leslie Morshead , atacou as forças japonesas que ocupavam a ilha. As forças navais e aéreas aliadas, centradas na 7ª Frota dos EUA sob o almirante Thomas Kinkaid , a Primeira Força Aérea Tática Australiana e a Décima Terceira Força Aérea dos EUA também desempenharam papéis importantes na campanha.

A campanha começou com um desembarque na pequena ilha de Tarakan em 1º de maio. Em 1º de junho, ocorreram ataques simultâneos no noroeste, na ilha de Labuan e na costa de Brunei. Uma semana depois, os australianos atacaram as posições japonesas no Bornéu do Norte . A atenção dos Aliados então se voltou para a costa leste central, com o último grande ataque anfíbio da Segunda Guerra Mundial, em Balikpapan em 1º de julho.

Embora a campanha tenha sido criticada na Austrália na época, e nos anos subsequentes, como sem sentido ou um "desperdício" de vidas de soldados, ela atingiu uma série de objetivos, como aumentar o isolamento de forças japonesas significativas que ocupavam a parte principal das Índias Orientais Holandesas , capturando grandes suprimentos de petróleo e libertando prisioneiros de guerra aliados, que estavam sendo mantidos em condições de deterioração. Em um dos piores locais, perto de Sandakan, em Bornéu, apenas seis dos cerca de 2.500 prisioneiros britânicos e australianos sobreviveram.

Desembarques nas ilhas japonesas (1945)

Superfortresses americanas
B-29 lançam bombas incendiárias sobre a cidade portuária de Kobe , junho de 1945

Batalhas duras nas ilhas japonesas de Iwo Jima , Okinawa e outras resultaram em terríveis baixas em ambos os lados, mas finalmente produziram uma derrota japonesa. Dos 117.000 soldados de Okinawa e japoneses que defendem Okinawa, 94% morreram. Diante da perda da maioria de seus pilotos experientes, os japoneses aumentaram o uso de táticas kamikaze na tentativa de criar baixas inaceitavelmente altas para os Aliados. A Marinha dos Estados Unidos propôs forçar uma rendição japonesa por meio de um bloqueio naval total e ataques aéreos. Muitos historiadores militares acreditam que a campanha de Okinawa levou diretamente aos bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki , como meio de evitar a planejada invasão terrestre do continente japonês . Esta visão é explicada por Victor Davis Hanson : "porque os japoneses em Okinawa ... foram tão ferozes em sua defesa (mesmo quando cortados e sem suprimentos), e porque as baixas foram tão terríveis, muitos estrategistas americanos procuraram um meio alternativo para subjugar o Japão continental, a não ser uma invasão direta. Este meio se apresentou, com o advento das bombas atômicas, que funcionaram admiravelmente para convencer os japoneses a suplicar pela paz [incondicionalmente], sem baixas americanas ”.

Perto do final da guerra, quando o papel do bombardeio estratégico se tornou mais importante, um novo comando para as Forças Aéreas Estratégicas dos Estados Unidos no Pacífico foi criado para supervisionar todos os bombardeios estratégicos dos EUA no hemisfério, sob o comando do General Curtis LeMay das Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos . A produção industrial japonesa despencou quando quase metade das áreas construídas de 67 cidades foram destruídas por ataques com bombas incendiárias de B-29 . Somente em 9–10 de março de 1945, cerca de 100.000 pessoas foram mortas em um incêndio causado por um ataque incendiário em Tóquio . LeMay também supervisionou a Operação Starvation , na qual as vias navegáveis ​​interiores do Japão foram extensivamente minadas por via aérea, o que interrompeu a pequena quantidade de tráfego marítimo costeiro japonês remanescente. Em 26 de julho de 1945, o Presidente dos Estados Unidos Harry S. Truman , o Presidente do Governo Nacionalista da China Chiang Kai-shek e o Primeiro Ministro da Grã-Bretanha Winston Churchill emitiram a Declaração de Potsdam , que delineou os termos de rendição para o Império do Japão conforme acordado na Conferência de Potsdam . Este ultimato afirmava que, se o Japão não se rendesse, enfrentaria "destruição imediata e total".

Bombas atômicas

A nuvem em forma de cogumelo da explosão nuclear sobre Nagasaki subindo 18 km no ar na manhã de 9 de agosto de 1945

Em 6 de agosto de 1945, os Estados Unidos lançaram uma bomba atômica na cidade japonesa de Hiroshima no primeiro ataque nuclear da história. Em um comunicado de imprensa emitido após o bombardeio atômico de Hiroshima, o presidente Harry S. Truman alertou o Japão para se render ou "esperar uma chuva de ruína do ar, como nunca foi vista nesta Terra". Três dias depois, em 9 de agosto, os EUA lançaram outra bomba atômica sobre Nagasaki , o último ataque nuclear da história. Mais de 140.000–240.000 pessoas morreram como resultado direto desses dois bombardeios. A necessidade dos bombardeios atômicos há muito é debatida , com detratores alegando que um bloqueio naval e uma campanha de bombardeio incendiário já haviam tornado a invasão, daí a bomba atômica, desnecessária. No entanto, outros estudiosos argumentaram que os bombardeios atômicos levaram o governo japonês a se render, com o imperador finalmente indicando seu desejo de parar a guerra. Outro argumento a favor das bombas atômicas é que elas ajudaram a evitar a Operação Queda , ou um bloqueio prolongado e uma campanha de bombardeio convencional, qualquer uma das quais teria causado muito mais baixas entre os civis japoneses. O historiador Richard B. Frank escreveu que uma invasão soviética do Japão nunca foi provável porque eles tinham capacidade naval insuficiente para montar uma invasão anfíbia de Hokkaido.

Entrada soviética

Em fevereiro de 1945, durante a Conferência de Yalta, a União Soviética concordou em entrar na guerra contra o Japão 90 dias após a rendição da Alemanha. Na época, a participação soviética era considerada crucial para amarrar o grande número de forças japonesas na Manchúria e na Coréia, evitando que fossem transferidas para as ilhas natais para montar uma defesa contra uma invasão.

No dia 9 de agosto, exatamente no prazo, 90 dias após o fim da guerra na Europa, a União Soviética entrou na guerra invadindo a Manchúria . Uma força soviética endurecida pela batalha, com um milhão de homens, transferida da Europa, atacou as forças japonesas na Manchúria e desferiu um forte golpe contra o Kantōgun japonês (Exército Kwantung).

A Operação Ofensiva Estratégica da Manchúria começou em 9 de agosto de 1945, com a invasão soviética do estado fantoche japonês de Manchukuo e foi a última campanha da Segunda Guerra Mundial e a maior da Guerra Soviético-Japonesa de 1945 , que retomou as hostilidades entre a União Soviética Repúblicas Socialistas e o Império do Japão após quase seis anos de paz. Os ganhos soviéticos no continente foram Manchukuo, Mengjiang (Mongólia Interior) e norte da Coréia. A entrada da URSS na guerra foi um fator significativo na decisão japonesa de rendição, pois ficou claro que a União Soviética não estava mais disposta a agir como intermediária para um acordo negociado em termos favoráveis.

No final de 1945, os soviéticos também lançaram uma série de invasões bem-sucedidas dos territórios do norte do Japão, em preparação para a possível invasão de Hokkaido :

Render

Os efeitos dos bombardeios atômicos e da entrada soviética foram profundos. Em 10 de agosto, a "sagrada decisão" foi tomada pelo gabinete japonês de aceitar os termos de Potsdam com uma condição: a "prerrogativa de Sua Majestade como Governante Soberano". Ao meio-dia de 15 de agosto, após a resposta intencionalmente ambígua do governo americano, afirmando que a "autoridade" do imperador "estará sujeita ao Comandante Supremo das Potências Aliadas", o Imperador transmitiu à nação e ao mundo em geral o rescrito de rendição, terminando a Segunda Guerra Mundial.

Se continuarmos a lutar, isso não só resultará no colapso final e na obliteração da nação japonesa, mas também levará à extinção total da civilização humana.

-  Imperador Hirohito, A Voz da Garça: O Rescrito Imperial de 15 de agosto de 1945

No Japão, 14 de agosto é considerado o dia em que terminou a Guerra do Pacífico. No entanto, como o Japão imperial realmente se rendeu em 15 de agosto, esse dia ficou conhecido nos países de língua inglesa como o Dia do VJ (Vitória no Japão). O instrumento formal de rendição japonês foi assinado em 2 de setembro de 1945, no navio de guerra USS  Missouri , na baía de Tóquio . A rendição foi aceita pelo General Douglas MacArthur como Comandante Supremo das Potências Aliadas , com representantes de várias nações aliadas, de uma delegação japonesa liderada por Mamoru Shigemitsu e Yoshijirō Umezu .

Após esse período, MacArthur foi a Tóquio para supervisionar o desenvolvimento do país no pós-guerra . Este período da história japonesa é conhecido como ocupação .

Vítimas

Aliado

Estados Unidos

Cadáveres americanos espalhados na praia de Tarawa , novembro de 1943

Houve cerca de 426.000 baixas americanas: 161.000 mortos (incluindo 111.914 em batalha e 49.000 fora de batalha), 248.316 feridos e 16.358 capturados (sem contar os prisioneiros de guerra que morreram). As perdas materiais foram de mais de 188 navios de guerra, incluindo 5 navios de guerra, 11 porta-aviões, 25 cruzadores, 84 destróieres e escoltas de contratorpedeiro e 63 submarinos, além de 21.255 aeronaves. Isso deu ao USN uma relação de troca de 2-1 com o IJN em termos de navios e aeronaves.

O protetorado dos EUA nas Filipinas sofreu perdas consideráveis. As perdas militares foram de 27.000 mortos (incluindo prisioneiros de guerra), 75.000 prisioneiros de guerra vivos e um número desconhecido de feridos, sem contar os irregulares que lutaram na insurgência . Entre 500.000 e 1.000.000 de civis filipinos morreram devido à escassez relacionada à guerra, massacres, bombardeios e bombardeios.

China

De acordo com estatísticas nacionalistas chinesas oficiais, as perdas para o Exército Nacional Revolucionário regular totalizaram 3.237.000, com 1.320.000 mortos, 1.797.000 feridos e 120.000 desaparecidos. Os soldados do Partido Comunista Chinês sofreram 584.267 baixas, das quais 160.603 foram mortas, 133.197 desaparecidas e 290.467 feridas. Isso equivaleria a um total de 3,82 milhões de vítimas combinadas de NRA / CCP, das quais 1,74 milhão foram mortas ou desaparecidas. Nenhum total inclui o número considerável de guerrilheiros irregulares juramentados aos senhores da guerra regionais que lutaram contra os japoneses. Incluindo eles, um estudo acadêmico publicado nos Estados Unidos estima as baixas militares chinesas em 6,75 milhões, com 3,75 milhões mortos ou desaparecidos. As baixas foram de 1,5 milhão de mortos em batalha, 750 mil desaparecidos em combate, 1,5 milhão de mortes devido a doenças e 3 milhões de feridos.

A China sofreu enormes perdas de civis na guerra. As estimativas variam muito, embora haja um consenso geral de que as mortes de civis estavam na faixa de 17 a 22 milhões, principalmente por causas relacionadas com a guerra, como a fome. Um grande número de mortes foi causado diretamente por crimes de guerra japoneses. Por exemplo, 2,7 milhões de civis chineses foram mortos na campanha "Três Todos" .

Comunidade

Prisioneiros de guerra indianos alvejados e golpeados com baionetas por soldados japoneses

Entre a Campanha da Malásia (130.000 descontando cerca de 20.000 australianos), a Campanha da Birmânia (86.600), Batalha de Hong Kong (15.000) e vários encontros navais, as forças do Império Britânico sofreram cerca de 235.000 baixas no Teatro do Pacífico, incluindo cerca de 82.000 mortos (50.000 em combate e 32.000 como prisioneiros de guerra). A Marinha Real perdeu 23 navios de guerra nos oceanos Pacífico e Índico: 1 navio de guerra, 1 cruzador de batalha, 1 porta-aviões, 3 cruzadores, 8 destróieres, 5 submarinos e 4 escoltas. Houve perdas indiretas significativas para os territórios do Império Britânico da Índia e da Birmânia como resultado da guerra. Estes incluíram 3 milhões de mortes na fome de Bengala em 1943 e 0,25 a 1 milhão de mortes na Birmânia Britânica.

A Austrália sofreu perdas de 45.841, não incluindo mortes e doenças de causas naturais, como doenças: 17.501 mortos (incluindo mortes de prisioneiros de guerra em cativeiro), 13.997 feridos e 14.345 prisioneiros de guerra vivos. A Nova Zelândia perdeu 578 homens mortos, com um número desconhecido ferido ou capturado. 6 navios de guerra da Royal Australian Navy totalizando 29.391 toneladas foram afundados: 3 cruzadores ( Canberra , Perth e Sydney ), 2 contratorpedeiros ( Vampire e Voyager ) e 3 corvetas ( Armidale , Geelong e Wallaroo , os dois últimos em acidentes).

Outro

Entre o lago Khasan, Khalkin Gol, assessores destacados para a China e as operações de 1945 na Manchúria e nas Curilas, as baixas soviéticas contra o Japão totalizaram 68.612: 22.731 mortos / desaparecidos e 45.908 feridos. As perdas materiais incluíram cerca de 1.000 tanques e AFVs, 5 navios de desembarque e 300 aeronaves. As vítimas mongóis foram 753.

Todo o exército Real Holandês das Índias Orientais, com 140.000 homens, foi morto, capturado ou desaparecido com a conclusão da Campanha das Índias Orientais. 1.500 soldados coloniais e 900 soldados holandeses foram mortos em combate. A maioria dos soldados coloniais foi libertada no local ou deserta. Das tropas étnicas holandesas, 900 foram mortos em combate e 37.000 tornaram-se prisioneiros. 8.500 desses prisioneiros de guerra morreriam em cativeiro japonês. As perdas navais holandesas no Pacífico totalizaram 14 navios de guerra principais e 14 menores, totalizando cerca de 40.427 toneladas: 2 cruzadores ( Java e De Ruyter ), 7 contratorpedeiros ( Evertsen , Kortenaer , Piet Hein , Witte de With , Banckert , Van Nes e Van Ghent ), 5 submarinos ( K XVIII , K XVII , K XIII , KX e K VII ), 7 camadas de minério ( Prins van Oranje , Pro Patria , Bangkalan , Rigel , Soemenep , Krakatau e Gouden Leeuw , a maioria dos quais foram afundados), e 7 caça-minas ( A , B , D , C , Pieter de Bitter , Eland Dubois e Jan van Amstel ). Cerca de 30.000 holandeses e 300.000 trabalhadores forçados indonésios morreram durante a ocupação japonesa das Índias Orientais, enquanto 3 milhões de civis indonésios morreram de fome.

Semelhante ao holandês, o exército colonial francês de 65.000 homens na Indochina Francesa (16.500 franceses europeus e 48.500 coloniais) se desintegrou no final da invasão japonesa. 2.129 franceses europeus e 2.100 soldados coloniais da Indochina foram mortos, enquanto 12.000 franceses e 3.000 soldados coloniais foram mantidos como prisioneiros. 1-2 milhões de mortes ocorreram na Indochina Francesa durante a ocupação japonesa, principalmente devido à Fome no Vietnã em 1945 .

Eixo

Soldados do IJA após uma carga suicida contra posições dos fuzileiros navais dos EUA em Guadalcanal
Restos mortais carbonizados de civis mortos no ataque a bomba em Tóquio em
10 de março , cujo codinome Operação Capela, que matou cerca de 100.000 pessoas, março de 1945

800.000 civis japoneses e mais de 2 milhões de soldados japoneses morreram durante a guerra. De acordo com um relatório compilado pelo Relief Bureau do Ministério da Saúde e Bem-Estar Japonês em março de 1964, as mortes combinadas do Exército e da Marinha japonesas durante a guerra (1937-45) totalizaram aproximadamente 2.121.000 homens, principalmente contra os americanos e seus aliados (1.1 + milhões) em lugares como as Ilhas Salomão, Japão, Taiwan, Pacífico Central e Filipinas, ou contra várias facções chinesas (mais de 500.000), predominantemente a NRA e o PCC, durante a guerra no continente chinês, o movimento de resistência chinês na campanha da Manchúria e da Birmânia. As perdas foram divididas da seguinte forma:

              Chave: Localização , Exército morto, Marinha morto, (total morto)
              Japão Própria : 58.100 ,
45.800, (103.900)
              Ilhas Bonin : 2.700, 12.500, (15.200)
              Okinawa : 67.900, 21.500, (89.400)
              Formosa (Taiwan) : 28.500, 10.600, (39.100)
              Coreia : 19.600, 6.900, (26.500)
              Sakhalin, as Aleutas e Ilhas Curilas : 8.200, 3.200, (11.400)
              Manchúria : 45.900, 800, (46.700)
              China (incluindo Hong Kong) : 435.600, 20.100 , (455.700)
              Sibéria : 52.300, 400, (52.700)
              Pacífico Central : 95.800, 151.400, (247.200)
              Filipinas : 377.500, 121.100, (498.600)
              Indochina Francesa : 7.900, 4.500, (12.400)
              Tailândia : 6.900, 100, (7.000 )
              Birmânia (inc. Índia) : 163.000, 1.500, (164.500)
              Malásia e Cingapura : 8.500, 2.900, (11.400)
              Ilhas Andaman e Nicobar : 900, 1.500, (2.400)
              Sumatra : 2.700, 500, (3.200)
              Java : 2.700 , 3.800, (6.500)
              Sundas menores : 51.800, 1.200, (53.000)
              Bornéu : 11.300, 6.700, (18.000)
              Celebes : 1.500, 4.000, (5.500)
              Molucas : 2.600, 1.800, (4.400)
              Nova Guiné : 112.400, 15.200, (127.600)
              Arquipélago de Bismarck : 19.700, 10.80 0, (30.500)
              Ilhas Salomão : 63.200, 25.000, (88.200)

              Total : 1.647.200, 473.800, (2.121.000)

O IJN perdeu mais de 341 navios de guerra, incluindo 11 navios de guerra, 25 porta-aviões, 39 cruzadores, 135 destróieres e 131 submarinos, quase inteiramente em ação contra a Marinha dos Estados Unidos. O IJN e o IJA juntos perderam cerca de 45.125 aeronaves.

A Alemanha, aliada do Japão, perdeu 10 submarinos e quatro cruzadores auxiliares ( Thor , Michel , Pinguin e Kormoran ) nos oceanos Índico e Pacífico. Só esses quatro afundaram 420.467 toneladas brutas de navios aliados.

Crimes de guerra

O sargento australiano Leonard G. Siffleet da Unidade Especial M sendo decapitado por um oficial japonês, Yasuno Chikao, em 24 de outubro de 1943. Foto AWM.
Uma mulher e uma criança filipina mortas por forças japonesas no massacre de Manila

Em 7 de dezembro de 1941, 2.403 não combatentes (2.335 militares neutros e 68 civis) foram mortos e 1.247 feridos durante o ataque surpresa japonês a Pearl Harbor . Como o ataque aconteceu sem uma declaração de guerra ou aviso explícito, foi considerado um crime de guerra pelos Julgamentos de Tóquio .

Durante a Guerra do Pacífico, os soldados japoneses mataram milhões de não combatentes, incluindo prisioneiros de guerra , das nações vizinhas. Pelo menos 20 milhões de chineses morreram durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937–1945).

A Unidade 731 foi um exemplo de atrocidades cometidas em tempo de guerra contra uma população civil durante a Segunda Guerra Mundial, onde experimentos foram realizados em milhares de civis chineses e coreanos , bem como em prisioneiros de guerra Aliados . As armas biológicas usadas pelo Japão mataram cerca de 500.000 chineses. O Massacre de Nanquim é outro exemplo de atrocidade cometida por soldados japoneses contra uma população civil.

De acordo com as conclusões do Tribunal de Tóquio, a taxa de mortalidade de prisioneiros ocidentais foi de 27%, cerca de sete vezes a de prisioneiros de guerra sob os alemães e italianos. O uso mais notório de trabalho forçado foi na construção da " Ferrovia da Morte " Birmânia-Tailândia . Cerca de 1.536 civis americanos foram mortos ou morreram de abuso e maus-tratos em campos de internamento japoneses no Extremo Oriente; em comparação, 883 civis americanos morreram em campos de internamento alemães na Europa.

Uma jovem chinesa de um 'batalhão de conforto' japonês sendo entrevistada por um oficial britânico. Rangoon , Birmânia , 1945

Um exemplo amplamente divulgado de escravidão sexual institucionalizada são " mulheres de conforto ", um eufemismo para as 200.000 mulheres, principalmente da Coréia e da China, que serviram nos acampamentos do Exército Imperial Japonês durante a Segunda Guerra Mundial. Cerca de 35 mulheres holandesas levaram um caso bem-sucedido ao Tribunal Militar de Batávia em 1948. Em 1993, o secretário-chefe de gabinete Yōhei Kōno disse que as mulheres eram coagidas a entrar em bordéis administrados pelos militares japoneses durante a guerra. Outros líderes japoneses se desculparam, incluindo o ex-primeiro-ministro Junichiro Koizumi em 2001. Em 2007, o então primeiro-ministro Shinzō Abe afirmou: "O fato é que não há evidências que provem que houve coerção". Em 27 de março, o parlamento japonês emitiu um pedido de desculpas oficial pelo comentário de Abe.

A Política dos Três Todos ( Sankō Sakusen ) foi uma política japonesa de terra arrasada adotada na China, os três alls sendo: "Matar Todos, Queimar Todos e Saquear Todos" . Iniciado em 1940 por Ryūkichi Tanaka , o Sankō Sakusen foi implementado em escala real em 1942 no norte da China por Yasuji Okamura . De acordo com o historiador Mitsuyoshi Himeta, a campanha de terra arrasada foi responsável pela morte de "mais de 2,7 milhões" de civis chineses.

Vários estudos mostraram que a coleção de crânios e outros restos de soldados japoneses por soldados americanos foi amplamente divulgada para ser comentada pelas autoridades militares aliadas e pela imprensa dos Estados Unidos durante a guerra.

Após a rendição do Japão, o Tribunal Militar Internacional para o Extremo Oriente teve lugar em Ichigaya , Tóquio, de 29 de abril de 1946 a 12 de novembro de 1948, para julgar os acusados ​​dos crimes de guerra mais graves . Enquanto isso, tribunais militares também eram mantidos pelas potências que retornavam em toda a Ásia e no Pacífico para figuras menores.

Veja também

Notas

Referências

Citações

Origens

  • Bergerud, Eric M. (2000). Fire in the Sky: The Air War in the South Pacific . Boulder, Colorado: Westview Press. ISBN   0-8133-3869-7 .
  • Blair Jr., Clay. Vitória silenciosa . Filadélfia: Lippincott, 1975 (guerra submarina).
  • Bond, Brian; Tachikawa, Kyoichi (2004). Liderança militar britânica e japonesa na Guerra do Extremo Oriente, 1941–1945 Volume 17 da série de política e história militar . Routledge. ISBN   9780714685557 .
  • Buell, Thomas. Master of Seapower: A Biography of Admiral Ernest J. King Naval Institute Press, 1976.
  • ——. The Quiet Warrior: A Biography of Admiral Raymond Spruance . 1974.
  • Ch'i, Hsi-Sheng (1992). "The Military Dimension, 1942-1945". Em James C. Hsiung; Steven I. Levine (eds.). China's Bitter Victory: War with Japan, 1937–45 . Armonk, NY: ME Sharpe . ISBN   978-1-56324-246-5 .
  • Canal 4 (Reino Unido). Hell in the Pacific (série de documentários para televisão). 2001.
  • Cleaver, Thomas McKelvey (2018). Tidal Wave: do Golfo de Leyte à Baía de Tóquio . Publicação da Bloomsbury. ISBN   978-1-472-82546-9 .
  • Costello, John. A Guerra do Pacífico . 1982, visão geral
  • Craven, Wesley e James Cate, eds. As Forças Aéreas do Exército na Segunda Guerra Mundial. Vol. 1, Planos e operações iniciais, janeiro de 1939 a agosto de 1942 . University of Chicago Press, 1958. História oficial; Vol. 4, The Pacific: Guadalcanal to Saipan, agosto de 1942 a julho de 1944 . 1950; Vol. 5, The Pacific: Matterhorn to Nagasaki . 1953.
  • Cutler, Thomas (1994). A Batalha do Golfo de Leyte: 23-26 de outubro de 1944 . Annapolis, Maryland, EUA: Naval Institute Press. ISBN   1-55750-243-9 .
  • Degan, Patrick (2003). Fighting in World War II: The Battles Between American and Japanese Aircraft Carriers (New ed.). Jefferson, Carolina do Norte: McFarland & Company Inc. ISBN   0-786-41451-0 .
  • Dennis, Peter; Gray, Jeffrey; Morris, Ewan; Prior, Robin; Bou, Jean (2008). The Oxford Companion to Australian Military History (segunda edição). Melbourne: Oxford University Press. ISBN   978-0195517842 .
  • Drea, Edward J. (1998). A serviço do imperador: Ensaios sobre o Exército Imperial Japonês . Nebraska: University of Nebraska Press . ISBN   0-8032-1708-0 .
  • Dunnigan, James F. e Albert A. Nofi . The Pacific War Encyclopedia. Fatos em arquivo, 1998. 2 vols. 772p.
  • Evans, David C; Peattie, Mark R (1997). Kaigun: estratégia, tática e tecnologia na Marinha Imperial Japonesa, 1887–1941 . Annapolis, Maryland: Naval Institute Press. ISBN   0-87021-192-7 .
  • Gailey, Harry A. (2011). The War in the Pacific: From Pearl Harbor to Tokyo Bay (reimpressão, 1995 ed.). Grupo de publicação da Random House. ISBN   978-0-307-80204-0 .
  • Goldman, Stuart (2012). Nomonhan, 1939: A vitória do Exército Vermelho que deu forma à Segunda Guerra Mundial . Naval Institute Press. ISBN   978-1-61251-098-9 .
  • Gordon, David M. "The China-Japan War, 1931–1945" Journal of Military History (janeiro de 2006) v 70 # 1, pp 137–82. Visão historiográfica dos principais livros
  • Seki, Eiji. (2006). Conjunto de chá da Sra. Ferguson, Japão e a Segunda Guerra Mundial: as consequências globais após o naufrágio do SS Automedon na Alemanha em 1940. Londres: Global Oriental . ISBN   978-1-905246-28-1 (tecido) (reimpresso pela University of Hawaii Press ), Honolulu, 2007. anunciado anteriormente como Naufrágio do SS Automedon e o papel da Marinha Japonesa: Uma Nova Interpretação .
  • Hara, Tameichi (2011). Capitão do Destroyer Japonês . Annapolis, Maryland: Naval Institute Press. ISBN   978-1-59114-384-0 .
  • Harrison, Simon (2012). Dark Trophies. A caça e o corpo inimigo na guerra moderna . Cidade de Nova York: Berghahn Books. ISBN   978-0-85745-499-7 .
  • Hastings, Max (2008). Retribuição . Knopf Doubleday Publishing Group. ISBN   978-0307263513 .
  • Hayashi, Saburo e Alvin, Coox . Kogun: O Exército Japonês na Guerra do Pacífico . Quantico, Virginia: Marine Corps Assoc., 1959.
  • Heinrichs, Waldo H .; Gallicchio, Marc S. (2017). Implacable Foes: War in the Pacific, 1944-1945 . Imprensa da Universidade de Oxford. ISBN   978-0-19061-675-5 .
  • Hopkins, William B. (2010). A guerra do Pacífico: a estratégia, a política e os jogadores que ganharam a guerra . Zenith Press. ISBN   978-0-76033-975-6 .
  • Hornfischer, James D. (2011). O Inferno de Netuno: A Marinha dos EUA em Guadalcanal . Grupo de publicação da Random House. ISBN   978-0553385120 .
  • Hornfischer, James D. (2016). The Fleet at Flood Tide: The US at Total War in the Pacific, 1944-1945 . Grupo de publicação da Random House. ISBN   978-0345548726 .
  • Hsiung, James C. e Steven I. Levine, eds. Vitória amarga da China: a guerra com o Japão, 1937-1945 ME Sharpe, 1992
  • Hsi-sheng, Ch'i. China nacionalista em guerra: derrotas militares e colapso político, 1937–1945 University of Michigan Press, 1982
  • Hsu Long-hsuen; Chang Ming-kai (1971). História da Guerra Sino-Japonesa (1937–1945) . Traduzido por Wen Ha-hsiung (2ª ed.). Taipei, Taiwan, República da China: Chung Wu Publishing.
  • Inoguchi, Rikihei, Tadashi Nakajima e Robert Pineau. O Vento Divino . Ballantine, 1958. Kamikaze.
  • James, D. Clayton. Os anos de MacArthur . Vol. 2. Houghton Mifflin, 1972.
  • Jansen, Marius B. (2002). The Making of Modern Japan . Cambridge, Mass: Harvard University Press. ISBN   0-674-00334-9 .
  • Jowett, Phillip (2005). Raios do Sol Nascente: Aliados Asiáticos do Japão 1931–1945 Volume 1: China e Manchukuo . Helion and Company Ltd. ISBN   1-874622-21-3 .
  • Kirby, S. Woodburn A Guerra Contra o Japão . 4 vols. Londres: HMSO, 1957–1965. História oficial da Marinha Real.
  • L, Klemen (1999–2000). "Campanha esquecida: Campanha das Índias Orientais Holandesas 1941–1942" .
  • Leary, William M. Devemos Retornar: Comandantes de MacArthur e a Derrota do Japão . University Press of Kentucky, 1988.
  • Long, Gavin (1963). As campanhas finais . Austrália na Guerra de 1939–1945. Série 1 - Exército. Volume 7. Canberra: Australian War Memorial. OCLC   1297619 . |volume= tem texto extra ( ajuda )
  • Lundstrom, John B. (2005). A Primeira Equipe e a Campanha Guadalcanal: Combate Naval Fighter de agosto a novembro de 1942 (nova ed.). Annapolis, Maryland: US Naval Institute Press. ISBN   1-59114-472-8 .
  • Matloff, Maurice e Snell, Edwin M. Planejamento Estratégico para Guerra de Coalizão 1941–1942 , Centro de História Militar do Exército dos Estados Unidos , Washington, DC, 1990
  • McCarthy, Dudley (1959). Área Sudoeste do Pacífico - Primeiro ano . Austrália na Guerra de 1939–1945. Série 1 - Exército. Volume 5. Canberra: Australian War Memorial. OCLC   3134247 . |volume= tem texto extra ( ajuda )
  • McGibbon, Ian, ed. (2000). The Oxford Companion to New Zealand Military History . Auckland: Oxford University Press. ISBN   0-19-558376-0 .
  • Miller, Edward S. (2007). Plano de Guerra Laranja: A Estratégia dos EUA para Derrotar o Japão, 1897–1945 . US Naval Institute Press. ISBN   978-1-59114-500-4 .
  • Morrison, Samuel, Elliot , História das Operações Navais dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial . Vol. 3, O Sol Nascente no Pacífico. Boston: Little, Brown, 1961; Vol. 4, Mar de Coral, Ações Intermediárias e Submarinas. 1949; Vol. 5, A luta por Guadalcanal. 1949; Vol. 6, Quebrando a barreira Bismarcks. 1950; Vol. 7, Aleutas, Gilberts e Marshalls. 1951; Vol. 8, Nova Guiné e Marianas. 1962; Vol. 12, Leyte. 1958; vol. 13, A Libertação das Filipinas: Luzon, Mindanao, os Visayas. 1959; Vol. 14, Vitória no Pacífico. 1961.
  • Okumiya, Masatake e Fuchida, Mitso. Midway: The Battle That Doomed Japan . Naval Institute Press, 1955.
  • Parshall, Jonathan; Tully, Anthony (2005). Espada Quebrada: A História Não Contada da Batalha de Midway . Dulles, Virginia: Potomac Books. ISBN   1-57488-923-0 .
  • Peattie, Mark R (2007). Sunburst: The Rise of Japanese Naval Air Power, 1909–1941 . Annapolis, Maryland: Naval Institute Press. ISBN   978-1-59114-664-3 .
  • Potter, EB e Chester W. Nimitz. Triunfo no Pacífico . Prentice Hall, 1963. Batalhas navais
  • ——. Yamamoto Annapolis, Maryland: Naval Institute Press. 1967.
  • ——. Nimitz . Annapolis, Maryland: Naval Institute Press, 1976.
  • ——. Bull Halsey Annapolis, Maryland: Naval Institute Press, 1985.
  • Prados, John (2012). Ilhas do Destino: A Campanha das Solomonas e o Eclipse do Sol Nascente . Dulles, Virginia: Penguin. ISBN   978-1-101-60195-2 .
  • Prados, John (2016). Storm Over Leyte: The Philippine Invasion and the Destruction of the Japanese Navy . Cidade de Nova York: Penguin. ISBN   978-0-698-18576-0 .
  • Prange, Gordon W. Donald Goldstein e Katherine Dillon. Ao amanhecer, dormimos . Penguin, 1982. Pearl Harbor
  • ——, et al. Milagre em Midway . Penguin, 1982.
  • ——, et al. Pearl Harbor: o veredicto da história .
  • Sarantakes, Nicholas Evan. Aliados contra o Sol Nascente: Estados Unidos, Nações Britânicas e a Derrota do Japão Imperial (2009). 458pp.
  • Seki, Eiji (2007). Naufrágio do SS Automedon e o papel da marinha japonesa: uma nova interpretação . University of Hawaii Press. ISBN   978-1-905246-28-1 .
  • Shaw, Henry e Douglas Kane. História das Operações do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA na Segunda Guerra Mundial. Vol. 2, Isolamento de Rabaul . Washington, DC: Quartel-General, Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, 1963
  • Shaw, Henry, Bernard Nalty e Edwin Turnbladh. História das Operações do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA na Segunda Guerra Mundial. Vol. 3, Central Pacific Drive. Washington, DC: Escritório do Chefe de História Militar, 1953.
  • Trenó, EB , com a velha raça : em Peleliu e Okinawa. Presidio, 1981. Memoir.
  • Smith, J. Douglas e Richard Jensen. Segunda Guerra Mundial na Web: Um Guia para os Melhores Sites . (2002)
  • Spector, Ronald , Eagle Against the Sun: The American War with Japan Free Press, 1985.
  • Stevens, Keith (março de 2005). "Uma operação simbólica: 204 missão militar na China, 1941–1945". Assuntos Asiáticos . 36 (1): 66–74. doi : 10.1080 / 03068370500039151 . S2CID   161326427 .
  • Stille, Mark (2014). A Marinha Imperial Japonesa na Guerra do Pacífico . Publicação Osprey. ISBN   978-1-47280-146-3 .
  • Takemae, Eiji (2003). A ocupação aliada do Japão . Continuum Press. ISBN   0-82641-521-0 .
  • Toland, John , O Sol Nascente . 2 vols. Random House, 1970. Guerra do Japão.
  • Toll, Ian W .. Pacific Crucible: War at Sea in the Pacific, 1941–1942 WW Norton, (2011). ISBN   978-0393080650
  • ——. The Conquering Tide: War in the Pacific Islands, 1942–1944 , WW Norton, (2015). ISBN   978-0393080643
  • ——. Crepúsculo dos Deuses: Guerra no Pacífico Ocidental, 1944-1945 , WW Norton, (2020). ISBN   978-0393080650
  • Willmott, HP (2014). Empires in the Balance: Japanese and Allied Pacific Strategies to April 1942 (reimpressão, 1982 ed.). Annapolis, Maryland: Naval Institute Press. ISBN   978-1-612-51728-5 .
  • Willmott, HP (1983). A barreira e o dardo . Annapolis, Maryland: United States Naval Institute Press. ISBN   0-87021-092-0 .
  • Willmott, HP (2005). A Batalha do Golfo de Leyte: A Última Ação da Frota . Indiana University Press. ISBN   0-253-34528-6 .
  • Willmott, HP (2002). A guerra com o Japão: o período de equilíbrio, maio de 1942 a outubro de 1943 . Rowman & Littlefield Publishers. ISBN   1-461-64607-3 .
  • Weinberg, Gerhard L. Um Mundo em Armas: Uma História Global da Segunda Guerra Mundial, Cambridge University Press. ISBN   0-521-44317-2 . (2005).
  • Y'Blood, William T. (1981). Pôr do Sol Vermelho: A Batalha do Mar das Filipinas . Annapolis, Maryland: Naval Institute Press. ISBN   1-59114-994-0 .
  • Yenne, Bill (2014). The Imperial Japanese Army: The Invincible Years 1941–42 . Publicação Osprey. ISBN   978-1-78200-982-5 .
  • Harries, Meirion; Harries, Susie (1994). Soldados do Sol: A Ascensão e Queda do Exército Imperial Japonês . Nova York: Random House . ISBN   0-679-75303-6 .
  • Tsuyoshi Hasegawa, O fator soviético no fim da Guerra do Pacífico (2003)

Fontes primárias

  • Departamento de Guerra dos Estados Unidos. TM 30-480 Handbook On Japanese Military Forces, 1942 (1942) online ; 384pp; descrição altamente detalhada de IJA em tempo de guerra pela Inteligência do Exército dos EUA.

Leitura adicional

  • Dean, Peter J. McArthur's Coalition: US and Australian Operations in the Southwest Pacific Area, 1942–1945 (University Press of Kansas, 2018)
  • Gruhl, Werner (31 de dezembro de 2011). A Segunda Guerra Mundial do Japão Imperial: 1931–1945 . Editores de transações. ISBN   978-1-4128-0926-9 .
  • Juiz, Sean M. et al. A virada da maré na Guerra do Pacífico: Iniciativa Estratégica, Inteligência e Comando, 1941-1943 (University Press of Kansas, 2018)
  • Myers, Michael W. Guerra do Pacífico e vitória contingente: por que a derrota japonesa não era inevitável (UP of Kansas, 2015) 198 pp. Revisão online

links externos