Libertação da França - Liberation of France

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Libertação da França
Parte da Frente Ocidental
De Gaulle falando da varanda da Prefeitura de Cherbourg, 20 de agosto de 1944.jpg
De Gaulle falando da varanda na prefeitura de Cherbourg , 20 de agosto de 1944
Data 6 de junho de 1944 - 8 de maio de 1945
Localização
Resultado

Alemães expulsos da França

Beligerantes

França livre Resistência francesa (até 1944)

França livre FFI (desde 1944) França Livre (até 1944) PGFR (desde 1944)
 
França

  Reino Unido Estados Unidos Canadá Polônia Tchecoslováquia
 
 
Polônia
Checoslováquia
  Alemanha nazista Reino da Itália (até 1943) Vichy França
 
 

A Libertação da França na Segunda Guerra Mundial foi realizada por meio da diplomacia, da política e dos esforços militares combinados das Potências Aliadas , das Forças Francesas Livres em Londres e da África e da Resistência Francesa .

A Alemanha nazista invadiu a França em maio de 1940. Seu avanço aparentemente imparável causou uma crise no governo francês; a Terceira República Francesa se dissolveu em julho e entregou o poder absoluto ao marechal Philippe Pétain , um herói da Primeira Guerra Mundial. Pétain assinou um armistício com a Alemanha com o norte e o oeste da França sob ocupação militar alemã . Pétain estabeleceu um governo autoritário em Vichy, na zona sul livre ("zona franca"). Embora nominalmente independente, a França de Vichy tornou-se um regime colaboracionista e era pouco mais do que um estado cliente nazista que participou ativamente das deportações de judeus.

Mesmo antes de a França se render em 22 de junho de 1940, o general Charles de Gaulle fugiu para Londres, de onde pediu que seus concidadãos resistissem aos alemães. Os britânicos reconheceram e financiaram o governo da França Livre de De Gaulle no exílio com base em Londres. Os esforços para libertar a França começaram no outono de 1940 no império colonial francês na África, ainda nas mãos do regime de Vichy. O General de Gaulle persuadiu o Chade francês a apoiar a França Livre, e em 1943 a maioria das outras colônias francesas na Equatorial e no Norte da África haviam seguido o exemplo. De Gaulle anunciou a formação do Conselho de Defesa do Império em Brazzaville , que se tornou a capital da França Livre . Em 1942, uma força de invasão anglo-americana desembarcou no norte da África francesa , territórios completando o domínio aliado do Mediterrâneo, de onde invadiram a Itália. Um Corpo Expedicionário Francês de tropas principalmente coloniais lutou sob o comando dos Aliados na Itália.

Os esforços militares aliados no noroeste da Europa começaram no verão de 1944 com duas invasões marítimas da França. A Operação Overlord em junho de 1944 desembarcou dois milhões de homens, incluindo uma divisão blindada francesa, pelas praias da Normandia , abrindo uma frente ocidental contra a Alemanha. A Operação Dragão em agosto desembarcou uma segunda força, incluindo o Exército francês B , no sul da França. Cidade após cidade na França foi libertada pelos Aliados, incluindo Paris em 25 de agosto de 1944 . À medida que a libertação progredia, os grupos de resistência foram incorporados à força Aliada. Sob a ameaça do avanço dos Aliados, Pétain e os restos do regime de Vichy fugiram da França em setembro para a Alemanha e estabeleceram um governo fantoche em Sigmaringen, Alemanha . Os exércitos aliados continuaram a empurrar os alemães de volta através do leste da França e em fevereiro e março de 1945, de volta através do Reno para a Alemanha. Alguns bolsões de resistência alemã permaneceram até o final da guerra em 7 de maio de 1945.

Imediatamente após a libertação, a França foi varrida por uma onda de execuções, agressões e degradação de supostos colaboradores, incluindo vergonha de mulheres suspeitas de relacionamento com alemães . Os tribunais criados em junho de 1944 levaram a cabo uma épuration légale (expurgo oficial) de funcionários maculados por associação com Vichy ou ocupação militar. Alguns réus foram condenados à morte e enfrentaram um pelotão de fuzilamento. As primeiras eleições desde 1940 foram organizadas em maio de 1945 pelo Governo Provisório ; essas eleições municipais foram as primeiras em que as mulheres puderam votar. Em referendos em outubro de 1946, os eleitores aprovaram uma nova constituição e a Quarta República nasceu em 27 de outubro de 1946.

Eventos precedentes

Queda da França

A Alemanha nazista invadiu a França e os Países Baixos a partir de 10 de maio de 1940. As forças alemãs separaram os franceses de seus aliados britânicos atacando as Ardenas , cuja topografia os estrategistas franceses consideraram proibitivamente difícil para tanques.

Os invasores forçaram a Força Expedicionária Britânica a evacuar e derrotaram várias divisões francesas antes de avançarem para Paris e descendo a estratégica costa atlântica. Em junho, a terrível situação militar francesa fez a política francesa girar em torno de se a Terceira República deveria negociar um armistício, lutar no norte da África ou apenas se render. O primeiro-ministro Paul Reynaud queria continuar lutando, mas foi derrotado na votação e renunciou. O governo mudou-se várias vezes antes do avanço das tropas alemãs, terminando em Bordéus. O presidente Albert Lebrun nomeou o herói de guerra Philippe Pétain , de 84 anos, como seu substituto em 16 de junho de 1940.

Seis semanas após o ataque alemão inicial, um exército francês oprimido enfrentou uma derrota iminente. O gabinete concordou em buscar termos de paz e enviou aos alemães uma delegação sob o comando do general Charles Huntziger , com instruções para interromper as negociações se os alemães exigissem condições excessivamente duras, como a ocupação de toda a França metropolitana, a frota francesa ou qualquer um dos franceses territórios ultramarinos. Os alemães, entretanto, não.

Pierre Laval , um forte defensor da colaboração, organizou um encontro entre Hitler e Pétain. Aconteceu em 24 de outubro de 1940 em Montoire, no trem particular de Hitler. Pétain e Hitler apertaram as mãos e concordaram em cooperar. O encontro foi explorado na propaganda nazista para a população civil. Em 30 de outubro de 1940, Pétain oficializou uma política de colaboração francesa, declarando em um comunicado de rádio: “Entro hoje no caminho da colaboração”.

Philippe Pétain encontrando Hitler em 24 de outubro de 1940. Ribbentrop à direita.

O general De Gaulle , condenado à morte à revelia pelo regime de Vichy, escapou e criou um governo no exílio para a França Livre em Londres. Sobre a sentença, ele disse: "Considero a sentença de morte dos homens de Vichy totalmente nula, acertarei as contas com eles após a vitória. A sentença é de um tribunal em grande parte sob a influência e possivelmente sob as ordens diretas de um inimigo que um dia será expulso do solo da França. Então eu me submeterei de bom grado ao julgamento do povo. "

Armistício

Pétain assinou o Armistício de 22 de junho . Seus termos deixaram o Exército francês sob a França de Vichy um Exército de Armistício de segundo grau . A frota naval, embora desativada, permaneceu sob o controle de Vichy. No império colonial, os termos do armistício permitiam o uso defensivo da frota naval. Na França metropolitana, as forças foram severamente reduzidas, os veículos blindados e tanques proibidos e o transporte motorizado severamente limitado.

Em julho, a Assembleia Nacional da Terceira República Francesa se dissolveu e deu poder absoluto a Pétain , que deveria constituir uma assembleia constituinte e um referendo constitucional. O "Estado francês" criado por esta transferência de poder ficou conhecido depois da guerra como o "regime de Vichy". Pétain não fez nada sobre uma constituição, entretanto, e estabeleceu um governo totalitário em Vichy, na zona sul.

O regime de Vichy governava nominalmente toda a França, mas na prática a zona ocupada era uma ditadura nazista e o poder do governo noVichy era limitado e incerto mesmo na zona livre . A França de Vichy tornou-se um regime colaboracionista , pouco mais do que um Estado cliente nazista .

A França ainda era nominalmente independente, com controle da Marinha francesa , do império colonial francês e da metade sul de seu território metropolitano. A França poderia dizer a si mesma que ainda mantinha alguns resquícios de dignidade. Apesar da forte pressão, Vichy nunca se juntou à aliança do Eixo e permaneceu formalmente em guerra com a Alemanha. Os Aliados tomaram a posição de que a França deveria se abster de ajudar ativamente os alemães, mas desconfiava de suas garantias. Os britânicos atacaram a Marinha francesa fundeada em Mers-el-Kébir , para mantê-la fora do alcance dos alemães.

De Gaulle e a França Livre

Cartaz do apelo de 18 de junho distribuído na França Ocupada por meios clandestinos como panfletos e colados nas paredes como cartazes por partidários da Résistance .

Charles de Gaulle era desde 5 de junho o subsecretário de Estado para a Defesa Nacional e a Guerra e responsável pela coordenação com a Grã-Bretanha. Recusando-se a aceitar a posição de seu governo sobre a Alemanha, ele fugiu de volta para a Inglaterra em 17 de junho. Em Londres, ele estabeleceu um governo no exílio e, em uma série de apelos pelo rádio, exortou os franceses a revidar. Alguns historiadores chamaram o primeiro, seu apelo de 18 de junho na BBC, de início da Resistência Francesa . Na verdade, a audiência para esse apelo foi bem pequena, mas cada vez mais ouvia de Gaulle obter o reconhecimento da Grã-Bretanha como o governo legítimo da França Livre e obter seu acordo para financiar esforços militares contra a Alemanha nazista.

De Gaulle também tentou, inicialmente em vão, obter o apoio das forças francesas no império colonial francês. O general Charles Noguès , residente-geral no Marrocos e comandante-em-chefe do Exército da África recusou suas aberturas e proibiu a imprensa no norte da África francesa de publicar o texto do apelo de De Gaulle . No dia seguinte à assinatura do armistício, em 21 de junho de 1940, De Gaulle denunciou-o. O governo francês em Bordéus declarou a aposentadoria compulsória de De Gaulle do Exército com a patente de coronel, em 23 de junho de 1940. Também em 23 de junho, o governo britânico denunciou o armistício e anunciou que não considerava mais o governo de Bordéus como um estado totalmente independente . Eles também notaram um plano para estabelecer um Comitê Nacional Francês no exílio, mas não mencionaram de Gaulle pelo nome.

O armistício entrou em vigor a partir das 00h35 de 25 de junho. Em 26 de junho, de Gaulle escreveu a Churchill sobre o reconhecimento de seu comitê francês. O Ministério das Relações Exteriores tinha reservas sobre de Gaulle como líder, mas os enviados de Churchill tentaram e não conseguiram estabelecer contato com líderes franceses no norte da África. Portanto, em 28 de junho, o governo britânico reconheceu de Gaulle como o líder dos franceses livres , apesar do Reservas de FO.

De Gaulle também teve inicialmente pouco sucesso em atrair o apoio das grandes potências. Enquanto o governo de Pétain era reconhecido pelos Estados Unidos, URSS e Vaticano, e controlava a frota e os militares franceses em todas as colônias, a comitiva de de Gaulle consistia de um secretário, três coronéis, uma dúzia de capitães, um professor de direito e três batalhões de legionários que concordaram em ficar na Grã-Bretanha e lutar por ele. Por algum tempo, as Novas Hébridas foram a única colônia francesa a apoiar De Gaulle .

De Gaulle e Churchill chegaram a um acordo em 7 de agosto de 1940 de que a Grã-Bretanha também financiaria os Franceses Livres , com os custos a serem pagos após a guerra (o acordo financeiro foi finalizado em março de 1941). Uma carta separada garantiu a integridade territorial do império colonial francês.

Resistência francesa

Generais Eisenhower e Bradley com um jovem membro da resistência francesa durante a libertação da Baixa Normandia no verão de 1944

A Resistência Francesa era uma rede descentralizada de pequenas células de combatentes com o apoio tácito ou aberto de muitos civis franceses. Os vários grupos de resistência em 1944 tinham cerca de 100.000 membros na França. Alguns eram ex- combatentes republicanos da Guerra Civil Espanhola ; outros eram trabalhadores que se esconderam em vez de se apresentarem para o obrigatório Service du travail obligatoire (STO) para trabalhar nas fábricas de armas alemãs. Especialmente no sul da França, os combatentes da Resistência pegaram o matagal montanhoso ( maquis ) que lhes deu seu nome e conduziram a guerra de guerrilha contra as forças de ocupação alemãs, cortando linhas telefônicas e destruindo pontes.

A Armée Secrète foi uma organização militar francesa ativa durante a Segunda Guerra Mundial. O coletivo agrupou as formações paramilitares dos três movimentos de resistência gaullistas mais importantes na zona sul: Combat, Libération-sud e Franc-Tireurs.

Monumento a Jean Moulin , líder da Resistência

Algumas organizações cresceram em torno de uma das muitas editoras clandestinas da época, como a Combat , fundada por Albert Camus , para a qual Jean-Paul Sartre também contribuiu. Stalin apoiou o esforço assim que os nazistas invadiram a Rússia.

Prisioneiros de guerra franceses foram feitos reféns contra o cumprimento de sua cota de trabalhadores pelo governo francês. Quando a impressão em massa de civis saudáveis começou, os trabalhadores ferroviários franceses ( cheminots ) entraram em greve em vez de permitir que os alemães usassem os trens para transportá-los. Os cheminots eventualmente formaram sua própria organização, Résistance-Fer .

As Forças do Interior da França (FFI), como De Gaulle passou a chamar as forças da Resistência dentro da França, eram uma aliança incômoda de vários maquis e outras organizações, incluindo os Francs-Tireurs et Partisans (FTP) organizados pelos comunistas e a Armée secrète in sul da França. Além disso, as redes de fuga ajudaram os aviadores aliados que haviam sido abatidos a ficar em segurança. A Unione Corse e o meio , o submundo do crime de Marselha, alegremente forneceram assistência logística na fuga por um preço, embora alguns, como Paul Carbone, trabalhassem com os Carlingue , auxiliares franceses da Gestapo SD e da polícia militar alemã.

Império colonial francês

Império colonial francês

O império colonial da França no início da Segunda Guerra Mundial se estendia de territórios e possessões na África, Oriente Médio ( mandato para a Síria e o Líbano ), a portos na Índia, Indochina, ilhas do Pacífico e territórios na América do Sul e do Norte. A França reteve o controle de seu império colonial e os termos do armistício mudaram o equilíbrio de poder pós-armistício dos recursos militares reduzidos da França para longe da França e para as colônias, especialmente o norte da África. Em 1943, todas as colônias francesas, exceto a Indochina controlada pelos japoneses, haviam aderido à causa da França Livre. As colônias na África do Norte e na África Equatorial Francesa, em particular, desempenharam um papel fundamental

As forças coloniais francesas de Vichy foram reduzidas nos termos do armistício. No entanto, apenas na área do Mediterrâneo, Vichy tinha cerca de 150.000 homens em armas. Havia cerca de 55.000 no Marrocos francês , 50.000 na Argélia e quase 40.000 no Exército do Levante .

Diplomacia, política e administração

Diplomacia e política

Recurso de 18 de junho

Charles de Gaulle transmitindo da BBC em Londres em 1941

Recusando-se a aceitar o armistício de seu governo com a Alemanha, Charles de Gaulle fugiu para a Inglaterra em 17 de junho e exortou os franceses a resistir à ocupação e a continuar a luta.

Reynaud renunciou depois que sua proposta de uma união franco-britânica foi rejeitada por seu gabinete e De Gaulle, diante da prisão iminente, fugiu da França em 17 de junho. Outros políticos importantes, incluindo Georges Mandel , Léon Blum , Pierre Mendès France , Jean Zay e Édouard Daladier (e separadamente Reynaud), foram presos enquanto viajavam para continuar a guerra do Norte da África.

De Gaulle obteve permissão especial de Winston Churchill para transmitir um discurso em 18 de junho via Radio Londres (uma estação de rádio de língua francesa operada pela BBC) para a França, apesar das objeções do Gabinete de que tal transmissão poderia provocar uma aliança mais estreita do governo Pétain com Alemanha. Em seu discurso, de Gaulle lembrou ao povo francês que o Império Britânico e os Estados Unidos da América os apoiariam militar e economicamente em um esforço para retomar a França dos alemães.

Poucos realmente ouviram o discurso, mas outro discurso, ouvido por mais pessoas, foi feito por de Gaulle quatro dias depois. Depois da guerra, o apelo de De Gaulle pelo rádio foi frequentemente identificado como o início da Resistência Francesa e o processo de libertação da França do jugo da ocupação alemã.

África do norte

Félix Éboué recebendo de Gaulle no Chade em outubro de 1940

{{{annotations}}}

De Gaulle chegando a Brazzaville, 24 de outubro de 1940

O apoio de De Gaulle cresceu a partir de uma base na África colonial. No verão de 1940, o império colonial apoiou amplamente o regime de Vichy. Félix Éboué , governador do Chade, mudou seu apoio para o general de Gaulle em setembro. Encorajado, de Gaulle viajou para Brazzaville em outubro, onde anunciou a formação de um Conselho de Defesa do Império em seu " Manifesto de Brazzaville ", e convidou todas as colônias que ainda apoiam Vichy a se juntarem a ele e às forças da França Livre na luta contra a Alemanha, que mais deles fez em 1943.

Em 26 de agosto, o governador e os comandantes militares da colônia do Chade francês anunciaram que estavam se unindo às Forças Francesas Livres de De Gaulle . Um pequeno grupo de gaullistas assumiu o controle dos Camarões franceses na manhã seguinte e, em 28 de agosto, um oficial da França Livre depôs o governador pró-Vichy do Congo francês . No dia seguinte, o governador de Ubangi-Shari declarou que seu território apoiaria De Gaulle. Sua declaração levou a uma breve luta pelo poder com um oficial do exército pró-Vichy, mas no final do dia todas as colônias que formaram a África Equatorial Francesa se uniram à França Livre, exceto o Gabão Francês .

Administração Francesa Livre

Uma série de órgãos organizadores foi criada durante a guerra, para orientar e coordenar o esforço diplomático e de guerra da França Livre, com o general Charles de Gaulle desempenhando um papel central na criação ou operação de todos eles.

Conselho de Defesa do Império

De Gaulle com o almirante Philippe de Scitivaux , o piloto René Mouchotte e o general da Força Aérea Martial Henri Valin

Em 26 de junho de 1940, quatro dias após o governo Pétain solicitar o armistício, o general de Gaulle apresentou um memorando ao governo britânico notificando Churchill de sua decisão de criar um Conselho de Defesa do Império e formalizando o acordo alcançado com Churchill em 28 de junho . O reconhecimento formal do Conselho de Defesa do Império como um governo no exílio pelo Reino Unido ocorreu em 6 de janeiro de 1941; o reconhecimento pela União Soviética foi publicado em dezembro de 1941, por troca de cartas.

Comitê Nacional Francês

Em uma reunião do comitê em Londres:
da esquerda para a direita Diethelm , Muselier , de Gaulle , Cassin , Pleven e Auboyneau (1942)

Winston Churchill sugeriu que De Gaulle criasse um comitê, para dar uma aparência de uma autoridade mais baseada na constituição e menos ditatorial e, em 24 de setembro de 1941, De Gaulle criou por decreto o Comitê Nacional Francês . como a organização sucessora do menor Conselho de Defesa do Império. Segundo o historiador Henri Bernard,  [ fr ] De Gaulle passou a aceitar sua proposta, mas teve o cuidado de excluir todos os seus adversários dentro do movimento França Livre, como Émile Muselier , André Labarthe e outros, mantendo apenas "homens sim" no grupo.

O Comitê foi o órgão coordenador que atuou como governo no exílio da França Livre de 1941 a 1943. Em 3 de junho de 1943, fundiu-se com o Alto Comando Civil e Militar francês chefiado por Henri Giraud , tornando-se o novo " Comitê Nacional da França Libertação ".

Conselho Nacional de Resistência

De Gaulle, começou a buscar a formação de um comitê para unificar os movimentos de resistência. Em 1º de janeiro de 1942, ele delegou essa tarefa a Jean Moulin . Moulin conseguiu isso em 27 de maio de 1943 com a primeira reunião do Conseil National de la Résistance no apartamento do 6º arrondissement de René Corbin no segundo andar do 48, Rue du Four, em Paris.

Alto Comando Civil e Militar Francês

General Giraud com General Dwight D. Eisenhower na sede dos Aliados em Argel, 1943

O Alto Comando Civil e Militar francês era o órgão governamental em Argel chefiado por Henri Giraud após a libertação de uma parte do norte da África francesa após os desembarques da Operação Aliada da Tocha em 7 e 8 de novembro de 1942.

François Darlan foi nomeado por Pétain para se opor aos desembarques Aliados no Norte da África em novembro de 1942. Após os desembarques, Darlan apoiou os Aliados. Em 13 de novembro, Eisenhower o reconheceu e nomeou Darlan "Alto Comissário da França residente no Norte da África". Henri Giraud , um patriota francês leal a Vichy, mas contrário à Alemanha e que fora a escolha dos Aliados, tornou-se comandante das forças militares no Norte da África. Chamado inicialmente de "Alto Comissariado da França na África", a autoridade francesa foi abalada quando, em 24 de dezembro de 1942, Darlan foi assassinado por um monarquista. Giraud assumiu e o nome "Alto Comando Civil e Militar" foi adotado em 1943. Giraud exerceu autoridade sobre a Argélia Francesa e o Protetorado Francês do Marrocos , enquanto a campanha tunisiana contra os Alemães e Italianos continuou no Protetorado Francês da Tunísia . Tendo Darlan anteriormente conquistado o apoio da África Ocidental Francesa, esta última também estava no campo de Giraud, enquanto a África Equatorial Francesa estava no campo de de Gaulle.

Em março de 1943, o Norte da África começou a se distanciar de Vichy. Em 14 de março, Giraud fez um discurso que mais tarde descreveu como "o primeiro discurso democrático de [sua] vida", no qual rompeu com Vichy. Jean Monnet pressionou Giraud a negociar com De Gaulle. chegou a Argel em 30 de maio de 1943. Em 3 de junho, o Alto Comando Civil e Militar de Argel fundiu-se com o Comitê Nacional Francês em Londres para formar o Comitê Francês de Libertação Nacional.

Comitê Francês de Libertação Nacional

Henri Giraud e de Gaulle

O Comitê Francês de Libertação Nacional era um governo provisório da França Livre formado pelos generais Henri Giraud e Charles de Gaulle para fornecer liderança unida e organizar e coordenar a campanha para libertar a França. O comitê foi formado em 3 de junho de 1943 e, após um período de liderança conjunta, passou a ser presidido por de Gaulle em 9 de novembro. O comitê desafiou diretamente a legitimidade do regime de Vichy e unificou as forças francesas que lutaram contra os nazistas e seus colaboradores . O comitê funcionou como um governo provisório para a Argélia Francesa (então parte da França metropolitana ) e as partes libertadas do império colonial.

Primeira página de La Dépêche algérienne com a manchete da criação do Comitê Francês de Libertação Nacional 4 de junho de 1943

O Comitê foi formado em 3 de junho de 1943 em Argel, capital da Argélia Francesa. Giraud e de Gaulle atuaram conjuntamente como co-presidentes do comitê. A carta do órgão afirmava seu compromisso de "restabelecer todas as liberdades francesas, as leis da República e o regime republicano". O comitê se via como uma fonte de unidade e representação para a nação francesa. O regime de Vichy foi considerado ilegítimo por sua colaboração com a Alemanha nazista. O Comitê recebeu respostas mistas dos Aliados; os EUA e a Grã-Bretanha o consideravam um órgão de tempo de guerra com funções restritas, diferente de um futuro governo da França libertada. O Comitê logo expandiu seu número de membros, desenvolveu um órgão administrativo distinto e se incorporou à Assembléia Consultiva Provisória, criando um governo organizado e representativo dentro de si. Com o reconhecimento dos Aliados, o Comitê e seus líderes Giraud e de Gaulle gozaram de considerável apoio popular dentro da França e da resistência francesa, tornando-se assim os precursores no processo de formar um governo provisório para a França conforme a libertação se aproximava. No entanto, Charles de Gaulle superou politicamente o general Giraud e afirmou o controle e a liderança completos sobre o Comitê.

Em agosto de 1944, o Comitê mudou-se para Paris após a libertação da França pelas forças aliadas.

Em setembro, as forças aliadas reconheceram o Comitê como o governo provisório legítimo da França, após o que o Comitê se reorganizou como Governo Provisório da República Francesa sob a presidência de Charles de Gaulle e iniciou o processo de redação de uma nova Constituição que se tornaria a base da Quarta República Francesa.

Assembleia Consultiva Provisória

Sessão inaugural da Assembleia Consultiva Provisória na presença do General de Gaulle. Palais Carnot, Argel, 3 de novembro de 1943

A Assembleia Consultiva Provisória foi constituída em setembro de 1943 em Argel para assessorar o Comitê e ajudar a fundamentar as instituições que se constituíam para representar o povo francês, numa época em que o próprio país e suas leis representavam o inimigo. Após a libertação de Paris em agosto de 1944, o Comitê mudou-se para Paris e foi reorganizado como o Governo Provisório da República Francesa sob a presidência de Charles de Gaulle . O Governo Provisório guiou a guerra francesa e os esforços diplomáticos através da libertação e do fim da guerra, até que uma nova Constituição foi redigida e aprovada em referendo, estabelecendo a Quarta República em outubro de 1946.

A Assembleia Consultiva Provisória era um órgão governamental da França Livre criado e operado sob a égide do Comitê Francês de Libertação Nacional (CFLN). Começou no norte da África e manteve reuniões em Argel até se mudar para Paris em julho de 1944. Liderada por Charles de Gaulle, foi uma tentativa de fornecer algum tipo de responsabilidade democrática e representativa às instituições que estavam sendo criadas para representar o povo francês, numa época em que o próprio país e suas leis foram dissolvidos e seu território ocupado ou cooptado por um estado fantoche.

Os membros da Assembleia representavam os movimentos de resistência franceses, partidos políticos e territórios que se engajaram contra a Alemanha na Segunda Guerra Mundial ao lado dos Aliados.

Instituída por portaria em 17 de setembro de 1943 pela CFLN, realizou as primeiras reuniões em Argel, no Palais Carnot (antiga sede das Delegações Financeiras), entre 3 de novembro de 1943 e 25 de julho de 1944. Em 3 de junho de 1944 foi submetida a autoridade do Governo Provisório da República Francesa (GPRF), que sucedeu à CFLN.

Em seu discurso inaugural, de Gaulle deu ao corpo seu imprimatur, como meio de representar o povo da França tão democrática e legalmente quanto possível em circunstâncias difíceis e incomparáveis, até que a democracia pudesse mais uma vez ser restaurada. Como indicação da importância que atribuía ao órgão, de Gaulle participou em cerca de vinte sessões da Assembleia Consultiva de Argel. Em 26 de junho de 1944, veio relatar a situação militar após os desembarques do Dia D e, em 25 de julho, esteve presente em sua última sessão em solo africano antes de sua mudança para Paris.

Reestruturado e ampliado após a libertação da França, realizou sessões em Paris, no Palais du Luxembourg, entre 7 de novembro de 1944 e 3 de agosto de 1945.

Governo provisório

O GPFR serviu como um governo interino da França Livre de junho de 1944 até a libertação e durou até 1946.

O PGFR foi criada pelo Comitê de Libertação Nacional em 3 de junho de 1944, três dias antes do Dia-D . Ele voltou para Paris após a libertação da capital em agosto de 1944.

A maioria dos objetivos e atividades do GPFR está relacionada ao período pós-Libertação, portanto, este subtópico é abordado com mais detalhes na seção Rescaldo abaixo, na seção Governo Provisório da República Francesa .

Forças militares

Introdução

As primeiras forças militares envolvidas na libertação da França foram as forças da França Livre, formadas por regimentos coloniais da África Francesa . As forças da França Livre incluíam 300.000 árabes do norte da África. Os principais jogadores militarmente foram dois dos Três Grandes Aliados , a saber, os Estados Unidos e o Reino Unido, assistidos pelos outros Aliados da Segunda Guerra Mundial , como os canadenses e os australianos que participaram da invasão da França na Operação Overlord .

Dentro da França, as numerosas células dispersas da Resistência Francesa foram gradualmente consolidadas em uma força de combate após os desembarques na Normandia e tornaram-se conhecidas como as Forças Francesas do Interior FFI. A FFI fez grandes contribuições ajudando os exércitos aliados a empurrar os alemães para fora da França e para o leste em direção ao Reno.

As forças militares envolvidas na libertação da França estavam sob o comando do General Dwight D. Eisenhower , comandante do Quartel-General Supremo da Força Expedicionária Aliada (SHAEF). O general Bernard Montgomery foi nomeado comandante do 21º Grupo de Exércitos , que compreendia todas as forças terrestres envolvidas na invasão inicial. Em 31 de dezembro de 1943, Eisenhower e Montgomery viram pela primeira vez o plano de esboço que o Chefe do Estado-Maior do Comandante Supremo Aliado (COSSAC) havia preparado para uma invasão, que propunha desembarques anfíbios por três divisões , com mais duas divisões em apoio. Os dois generais imediatamente insistiram em expandir a escala da invasão inicial para cinco divisões, com descidas aerotransportadas por três divisões adicionais, para permitir operações em uma frente mais ampla e para acelerar a captura do porto de Cherbourg . A necessidade de adquirir ou produzir embarcações de desembarque extras para a operação expandida significava atrasar a invasão até junho de 1944. Eventualmente, os Aliados comprometeram 39 divisões na Batalha da Normandia : 22 americanas, 12 britânicas, três canadenses, uma polonesa e uma francesa, totalizando mais de um milhão de soldados, todos sob o comando geral britânico.

Forças francesas gratuitas

Apesar do apelo de De Gaulle para continuar a luta, poucas forças francesas prometeram inicialmente o seu apoio. No final de julho de 1940, apenas cerca de 7.000 soldados haviam se alistado no Exército Francês Livre na Inglaterra. Três quartos dos soldados franceses na Grã-Bretanha solicitaram a repatriação.

A França estava amargamente dividida pelo conflito. Os franceses em todos os lugares foram forçados a escolher um lado e muitas vezes se ressentiram profundamente daqueles que fizeram uma escolha diferente. Um almirante francês, René-Émile Godfroy , expressou a opinião de muitos daqueles que decidiram não se juntar às forças da França Livre , quando em junho de 1940 explicou aos exasperados britânicos por que ele não ordenou que seus navios de seu porto de Alexandria se juntassem ao de Gaulle :

“Para nós, franceses, o fato é que ainda existe um governo na França, um governo apoiado por um Parlamento estabelecido em território não ocupado e que, em consequência, não pode ser considerado irregular ou deposto. O estabelecimento em outro lugar de outro governo, e todo o apoio a este outro governo seria claramente uma rebelião. "

Da mesma forma, poucos franceses acreditavam que a Grã-Bretanha pudesse ficar sozinha. Em junho de 1940, Pétain e seus generais disseram a Churchill que "em três semanas, a Inglaterra terá o pescoço torcido como uma galinha". Do vasto império da França, apenas 43 acres de território francês da ilha britânica de Santa Helena (em 23 de junho por iniciativa de Georges Colin, cônsul honorário dos domínios) e o franco-britânico governaram as Novas Hébridas no Pacífico ( em 20 de julho) respondeu ao apelo de De Gaulle . Só no final de agosto a França Livre ganharia um apoio significativo na África Equatorial Francesa .

Ao contrário das tropas de Dunquerque ou das forças navais no mar, relativamente poucos membros da Força Aérea Francesa tiveram os meios ou a oportunidade de escapar. Como todos os militares presos no continente, eles estavam funcionalmente sujeitos ao governo Pétain: "As autoridades francesas deixaram claro que aqueles que agissem por iniciativa própria seriam classificados como desertores, e guardas foram colocados para impedir os esforços de embarcar nos navios . " No verão de 1940, cerca de uma dúzia de pilotos chegaram à Inglaterra e se ofereceram para a RAF para ajudar a combater a Luftwaffe . Muitos mais, no entanto, seguiram por rotas longas e tortuosas para a Espanha ou para os territórios franceses no exterior, eventualmente se reagrupando como a Força Aérea Francesa Livre .

A Marinha francesa foi mais capaz de responder imediatamente ao chamado às armas de De Gaulle . A maioria das unidades inicialmente permaneceu leal a Vichy, mas cerca de 3.600 marinheiros que operam 50 navios ao redor do mundo se juntou com a Royal Navy e formaram o núcleo dos Marinha da França Livre (FFNF; em francês Forças Navales Françaises Libres : FNFL). A rendição da França encontrou seu único porta-aviões, Béarn , a caminho dos Estados Unidos carregado com uma carga preciosa de caças e bombardeiros americanos. Não querendo voltar para a França ocupada, mas também relutante em se juntar a de Gaulle , Béarn buscou porto na Martinica , sua tripulação mostrando pouca inclinação para ficar do lado dos britânicos em sua luta contínua contra os nazistas. Já obsoleta no início da guerra, ela permaneceu na Martinica pelos próximos quatro anos, sua aeronave enferrujando no clima tropical.

Muitos dos homens nas colônias francesas sentiu uma necessidade especial de defender a França, sua distante "pátria", e, eventualmente, composta de dois terços do de Gaulle ‘s forças francesas livres . Entre esses voluntários, o influente psiquiatra e filósofo descolonial Frantz Fanon da Martinica juntou- se às tropas de de Gaulle aos 18 anos, apesar de ser considerado um "dissidente" pelo governo colonial controlado por Vichy da Martinica por isso.

Forças coloniais africanas

A contribuição para a libertação da França feita pelos soldados africanos coloniais franceses, que representavam 9% do exército francês, foi amplamente ignorada. Os gaullistas estabeleceram sua base em território africano para lançar a libertação militar. Entre as populações colonizadas pela França, foram as tropas africanas que deram a maior contribuição para a campanha de libertação.

Na véspera da Segunda Guerra Mundial, cinco regimentos de Tirailleurs Sénégalais estavam estacionados na França, além de uma brigada baseada na Argélia. A 2ª divisão colonial senegalaise foi implantada permanentemente no sul da França devido à ameaça potencial da Itália.

O Armée d'Afrique era formalmente um corpo de exército separado do exército metropolitano francês, o 19º Corpo de Exército ( 19º Corps d'Armée ) assim denominado em 1873. As Forças Coloniais francesas, por outro lado, estavam sob o Ministério da Marinha e compreendiam unidades francesas e indígenas servindo na África Subsaariana e em outras partes do império colonial francês.

Inteligência

De Gaulle montou seu sistema de inteligência da França Livre para combinar funções militares e políticas, incluindo operações secretas. Ele selecionou o jornalista Pierre Brossolette (1903–44) para chefiar o Bureau Central de Renseignements et d'Action (BCRA). A política foi revertida em 1943 por Emmanuel d'Astrier , o ministro do interior do governo exilado, que insistia no controle civil da inteligência política.

Forças aliadas

Os "Três Grandes" Aliados da Segunda Guerra Mundial que derrotaram a Alemanha na guerra foram a União Soviética, o Reino Unido e os Estados Unidos. A União Soviética lutou contra a Alemanha na Frente Oriental e, portanto, não desempenhou nenhum papel direto na libertação da França, mas a segunda frente foi fundamental para a derrota final da Alemanha nazista.

O Reino Unido e os Estados Unidos foram os principais Aliados na Frente Ocidental cujas ações militares levaram à libertação da França. Outros Aliados fizeram contribuições importantes, como os 14.000 soldados canadenses que desembarcaram na Normandia no Dia D, ou os australianos , que apoiaram a invasão aérea, e contribuíram com 3.000 soldados para os desembarques.

Forças do Interior da França

Forças do Interior da França era o nome formal dado pelo General de Gaulle aos combatentes da resistência francesa nos estágios finais da guerra; a mudança ocorreu quando a França, a nação ocupada, tornou-se a França sendo libertada pelos exércitos aliados. Como maquis regionais , tornou-se mais formalmente organizado na infantaria leve da FFI e serviu como uma força de trabalho adicional valiosa para as forças regulares da França Livre .

Após a invasão da Normandia em junho de 1944, a pedido do Comitê Francês de Libertação Nacional, o SHAEF colocou cerca de 200.000 combatentes da resistência sob o comando do General Marie Pierre Kœnig em 23 de junho de 1944. que tentou unificar os esforços de resistência contra os alemães. O general Eisenhower confirmou o comando de Koenig da FFI.

Membros do Maquis , 14 de setembro de 1944

A FFI era composta principalmente de combatentes da resistência que usavam suas próprias armas, embora muitas unidades da FFI incluíssem ex-soldados franceses. Eles usavam roupas civis e usavam uma braçadeira com as letras "FFI"

De acordo com o general Patton , o rápido avanço de seu exército pela França teria sido impossível sem a ajuda de combate da FFI. O General Patch estimou que desde a época dos desembarques no Mediterrâneo até a chegada das tropas americanas a Dijon , a ajuda dada às operações pela FFI foi equivalente a quatro divisões completas.

As unidades da FFI apreenderam pontes, começaram a libertação de aldeias e cidades à medida que as unidades aliadas se aproximavam e coletaram informações sobre as unidades alemãs nas áreas invadidas pelas forças aliadas, facilitando o avanço dos Aliados pela França em agosto de 1944. De acordo com um volume do oficial dos EUA história da guerra,

Na Bretanha, no sul da França e na área do Loire e Paris , as forças da Resistência Francesa ajudaram muito na perseguição ao Sena em agosto. Especificamente, eles apoiaram o Terceiro Exército dos Estados Unidos na Bretanha e os Sétimos Exércitos dos Estados Unidos e da França na ponta de praia do sul e no vale do Ródano. No avanço para o Sena, as Forças do Interior francesas ajudaram a proteger o flanco sul do Terceiro Exército, interferindo nos movimentos de ferrovias e rodovias inimigas e nas telecomunicações inimigas, desenvolvendo uma resistência aberta na escala mais ampla possível, fornecendo inteligência tática , preservando instalações de valor para as forças aliadas e eliminando posições inimigas contornadas.

À medida que as regiões da França foram liberadas, a FFI forneceu uma reserva de mão de obra semi-treinada com a qual a França poderia reconstruir o exército francês. Com uma força estimada de 100.000 em junho de 1944, a força do FFI cresceu rapidamente, dobrando em julho de 1944 e alcançando 400.000 em outubro de 1944. Embora a fusão do FFI tenha sido, em alguns casos, repleta de dificuldades políticas, acabou tendo sucesso e permitiu à França restabelecer um exército razoavelmente grande de 1,3 milhão de homens até o dia VE .

Linhas de fuga

Aproximadamente 2.000 aviadores britânicos e 3.000 americanos abatidos na Europa Ocidental escaparam da captura alemã durante a guerra. Os aviadores foram auxiliados por muitas linhas de fuga diferentes, algumas delas grandes e organizadas, outras informais e efêmeras. A Royal Air Forces Escaping Society estimou que 14.000 voluntários trabalharam com as muitas linhas de fuga e evasão durante a guerra. Muitos outros ajudaram ocasionalmente, e o número total de pessoas que, em uma ou mais ocasiões ajudaram aviadores derrubados durante a guerra, pode ter chegado a 100.000. Metade dos ajudantes voluntários eram mulheres, geralmente mulheres jovens, até adolescentes.

Linhas de fuga e evasão criadas pelos Aliados especificamente para ajudar seus homens, como as linhas Shelbourne ou Burgundy, ou aquelas criadas por militares em geral em território ocupado, como a Linha Pat O'Leary , geralmente voltadas para ajudar os soldados aliados. Outras linhas de fuga que foram criadas por civis como esforços de base para ajudar aqueles que fugiam dos nazistas, como Comet , Dutch-Paris , Service EVA ou a linha Smit-van der Heijden, não se limitaram a ajudar militares, mas também ajudaram a comprometer espiões, resistentes, homens fugindo dos convênios de trabalho forçado, civis que queriam se juntar aos governos exilados em Londres e judeus .

Ativação prematura

Nas terras altas e nas florestas do sudoeste da França, um número considerável de combatentes da resistência se reuniu, conhecidos como maquisards por causa dos arbustos de maquis que os abrigavam. Esses "redutos" de lutadores da FFI inicialmente mantiveram um perfil baixo, uma vez que atos abertos de sabotagem resultaram em represálias selvagens por parte das forças alemãs, ou ação militar direta em grande escala. Em 26 de março de 1944, os Maquis des Glières em Haute-Savoie foram derrotados por mais de 3.000 soldados, seguidos de tiroteios e incêndios em fazendas entre a população local.

Excluídos do planejamento para os desembarques na Normandia, de Gaulle e sua equipe desenvolveram uma operação chamada Plano Caïman, na qual paraquedistas franceses se juntariam aos maquisards do Maciço Central para libertar a área circundante e de lá estabelecer contato com as forças invasoras britânicas e americanas. Os planejadores aliados rejeitaram o plano, alegando que não teriam os recursos para apoiá-lo. Além disso, em 20 de maio de 1944, o Maquis du Mont Mouchet no Maciço Central encenou um levante aberto por sua própria iniciativa e foi esmagado em três semanas com as represálias usuais. Apesar disso, em 6 de junho, de Gaulle transmitiu um apaixonado apelo às armas ao povo francês na BBC, que foi interpretado como um sinal para uma ação aberta dos maquisards; uma mensagem discreta de Eisenhower para evitar uma "revolta prematura" foi amplamente ignorada. Como consequência direta, em julho, os 4.000 FFI no Planalto de Vercors, perto de Grenoble, foram atacados por uma força alemã de 10.000, incluindo pára-quedistas e tropas em planadores. Na Batalha de Vercors , as defesas francesas levemente armadas foram derrotadas, apesar da ajuda de agentes Aliados, lançamentos aéreos e forças especiais.

Política militar aliada

A estratégia militar para a guerra como um todo foi discutida entre as Três Grandes potências, e especialmente entre o Reino Unido e os Estados Unidos, que eram especialmente próximos, com inúmeras ligações e reuniões realizadas entre o presidente dos EUA Franklin D. Roosevelt e o primeiro-ministro britânico Winston Churchill. Além disso, os líderes dos Três Grandes se reuniram em conferências durante a guerra para decidir sobre a estratégia militar geral.

A Conferência Arcádia realizada em Washington, DC, de 22 de dezembro de 1941 a 14 de janeiro de 1942, seguiu as declarações de guerra americana e britânica ao Japão; Os aliados do Japão, Alemanha e Itália, declararam guerra aos Estados Unidos . As principais decisões políticas da Arcádia incluíram a política "Alemanha em primeiro lugar" (também conhecida como " Europa em primeiro lugar ") de que a derrota da Alemanha tinha maior prioridade do que a guerra com o Japão.

A Segunda Conferência de Washington, em junho de 1941, confirmou a decisão de não abrir uma segunda frente na França, mas primeiro invadir o norte da África francesa como parte da estratégia conjunta do Mediterrâneo para um ataque à Itália (descrita como a "barriga mole" do Eixo) .

A decisão de realizar uma invasão através do canal em 1944 foi tomada na Conferência do Tridente em Washington em maio de 1943. O General Eisenhower foi nomeado comandante do SHAEF e o General Bernard Montgomery foi nomeado comandante do 21º Grupo de Exércitos, que compreendia todas as forças terrestres envolvidos na invasão. A costa da Normandia, no noroeste da França, foi escolhida como local da invasão.

A Conferência de Teerã (28 de novembro a 1 de dezembro de 1943), uma reunião estratégica dos Três Grandes líderes Joseph Stalin , Franklin D. Roosevelt e Winston Churchill realizada na embaixada da União Soviética em Teerã, tinha vários objetivos e levou ao compromisso dos Aliados ocidentais para abrir uma segunda frente na guerra no oeste.

Campanhas

Após a queda da França, a batalha para retomar a França começou na África em novembro de 1940. Em setembro de 1945, após a libertação de Paris e a campanha do sul da França e tomada dos portos mediterrâneos em Marselha e Toulon, o país estava em grande parte liberado. As Forças Aliadas estavam entrando na Alemanha do oeste e do sul. A libertação da França não terminou definitivamente até a eliminação de alguns focos de resistência alemã ao longo da costa atlântica no final da guerra em maio de 1945.

A perda gradual de todo o território de Vichy para a França Livre e os Aliados em 1943. [ lenda ]

Militarmente, a libertação da França fez parte da Frente Ocidental da Segunda Guerra Mundial. Além de ataques esparsos em 1942 e 1943, a reconquista começou para valer no verão de 1944 em campanhas paralelas no norte e no sul da França. Em 6 de junho de 1944, os Aliados começaram a Operação Overlord , a maior invasão marítima da história, estabelecendo uma cabeça de ponte na Normandia , desembarcando dois milhões de homens no norte da França e abrindo outra frente na Europa Ocidental contra a Alemanha. As forças americanas saíram da Normandia no final de julho. No Falaise Pocket, os exércitos aliados destruíram as forças alemãs, abrindo a rota para Paris. No sul, os Aliados lançaram a Operação Dragão em 15 de agosto, abrindo uma frente no Mediterrâneo. Em quatro semanas, os alemães retiraram-se do sul da França, retirando-se para a Alemanha e deixando os portos franceses nas mãos dos Aliados, resolvendo problemas anteriores de abastecimento no sul. Sob o ataque de ambas as direções, a Resistência Francesa organizou um levante geral em Paris em 19 de agosto . Em 25 de agosto de 1944, Paris foi libertada. As forças aliadas começaram a empurrar para o Reno . Os rápidos avanços iniciais no Norte estenderam as linhas de abastecimento no outono e o avanço diminuiu. As contra-ofensivas alemãs no inverno de 1944-45, como a Batalha de Bulge, desaceleraram, mas não pararam os exércitos Aliados, alguns cruzando o Reno em fevereiro, com pesadas perdas alemãs. No final de março, vários exércitos aliados haviam se cruzado e começado a avançar rapidamente para a Alemanha , com o fim da guerra não muito distante. Com a França praticamente liberada, alguns bolsões de resistência alemã permaneceram até o final da guerra em maio de 1945.

Gabão - novembro de 1940

A Batalha do Gabão resultou nas Forças Francesas Livres tomando a colônia do Gabão Francês e sua capital, Libreville , das forças francesas de Vichy. Foi o único envolvimento significativo na África Central durante a guerra.

África do Norte - novembro de 1942

Tocha

Soldados americanos pousam perto de Argel . O soldado na linha de dunas carrega uma bandeira porque esperava que os franceses estivessem menos propensos a atirar nos americanos.

A Operação Tocha , a invasão do norte da África francesa , foi realizada para prender as forças do Eixo no norte da África entre dois exércitos aliados - um anglo-americano no oeste e um britânico e da Comunidade no leste; isso também permitiria uma invasão da Itália e liberaria o Mediterrâneo para o transporte marítimo. Seria a primeira operação de combate terrestre para as tropas americanas no oeste. Em um ataque aliado de três frentes contra alvos do regime de Vichy no norte da África francesa, as forças de desembarque da Operação Tocha chegaram em Casablanca , Oran e Argel . Seguindo Case Anton , os governadores coloniais franceses se viram recebendo ordens da administração militar alemã e o fizeram com vários graus de entusiasmo. O cônsul americano em Argel acreditava que as forças de Vichy receberiam soldados americanos.

Tropas britânicas após desembarque em Argel em novembro de 1942

Uma Força-Tarefa Ocidental (destinada a Casablanca) era composta de unidades americanas, com o Major General George S. Patton no comando e o Contra-almirante Henry Kent Hewitt comandando as operações navais. Esta Força-Tarefa Ocidental consistia nas e Divisões de Infantaria dos EUA e dois batalhões da 2ª Divisão Blindada dos EUA - 35.000 soldados em um comboio de mais de 100 navios. Eles foram transportados diretamente dos Estados Unidos na primeira de uma nova série de comboios UG fornecendo apoio logístico para a campanha do Norte da África.

A Força Tarefa do Centro, dirigida a Oran, incluía o 2º Batalhão dos EUA, o 509º Regimento de Infantaria de Pára-quedistas , a 1ª Divisão de Infantaria dos EUA e a 1ª Divisão Blindada dos EUA - um total de 18.500 soldados.

A Força-Tarefa Oriental - dirigida a Argel - era comandada pelo Tenente-General Kenneth Anderson e consistia em uma brigada da 78ª Divisão de Infantaria Britânica e da 34ª Divisão de Infantaria dos EUA , junto com duas unidades de comando britânicas (Comandos nº 1 e nº 6 ), junto com o Regimento da RAF fornecendo cinco esquadrões de infantaria e cinco voos leves antiaéreos, totalizando 20.000 soldados. Durante o desembarque, as forças terrestres foram comandadas pelo Major General Charles W. Ryder , da 34ª Divisão, e as forças navais foram comandadas pelo Vice-Almirante da Marinha Real Sir Harold Burrough .

O plano de instalar Henri Giraud como governador dos territórios libertados não obteve apoio local, mas o comandante-chefe das forças armadas francesas de Vichy, François Darlan , foi capturado durante a operação e foi instalado como Alto Comissário, em troca da qual ordenou às forças francesas no Norte da África para cooperar com os Aliados. Darlan foi assassinado por um monarquista anti-Vichy e Giraud então assumiu. O acordo Darlan desencadeou a invasão da França de Vichy pela Alemanha.

Campanha tunisina

A Tunísia Francesa era um protetorado da França desde 1881, quando se tornou parte do império colonial da França.

Após o desembarque da tocha em Marrocos e em Argel, as forças aliadas moveram-se para o leste na Tunísia enquanto as forças britânicas moviam-se para o oeste após a Segunda Batalha de El Alamein . As forças do Eixo no Norte da África foram reforçadas, mas posteriormente cortadas de reabastecimento e presas entre os dois exércitos. Os Aliados tomaram Bizerte e Tunis em maio de 1943 e as forças italianas e alemãs restantes no Norte da África se renderam. Os Aliados agora controlavam todo o Norte da África para atuar como base de operações contra o sul da Europa.

Córsega - 1943

Bombardeiro americano B-25 na Base Aérea de Solenzara, na Córsega, no final de 1944.

Exceto por um breve período, a Córsega esteve sob o controle da França desde o Tratado de Versalhes (1768) . Na Segunda Guerra Mundial, a Córsega foi ocupada pelo Reino da Itália de novembro de 1942 a setembro de 1943. A Itália inicialmente ocupou a ilha (bem como partes da França) como parte do Caso Anton da Alemanha nazista em 11 de novembro de 1942. Em seu auge, A Itália tinha 85.000 soldados na ilha. Houve algum apoio nativo entre irredentistas da Córsega para a ocupação. Benito Mussolini adiou a anexação da Córsega pela Itália até depois de uma suposta vitória do Eixo na Segunda Guerra Mundial, principalmente por causa da oposição alemã às reivindicações irredentistas.

Embora houvesse um apoio moderado à ocupação entre os colaboracionistas e a resistência inicialmente limitada, ela cresceu após a invasão italiana e em abril de 1943 tornou-se unida, e foi armada por lançamento aéreo e carregamentos do submarino francês Casabianca e estabeleceu algum controle territorial.

Após a prisão de Mussolini em julho de 1943, as tropas alemãs assumiram a ocupação da Córsega. A invasão aliada da Itália começou em 3 de setembro de 1943, levando à rendição da Itália aos Aliados , com a principal força invasora desembarcando na Itália em 9 de setembro. A resistência local sinalizou um levante para o mesmo dia, dando início à libertação da Córsega ( Operação Vesúvio ).

Os Aliados inicialmente não queriam tal movimento, preferindo concentrar suas forças na invasão da Itália. No entanto, à luz da insurreição, os Aliados consentiram com o desembarque das tropas francesas livres na Córsega, começando com um destacamento de elite do reconstituído I Corpo de exército francês (novamente pelo submarino Casabianca ) em Arone, perto da aldeia de Piana, no noroeste da Córsega. Isso levou as tropas alemãs a atacar as tropas italianas na Córsega, bem como a Resistência. A Resistência e os 44 da Divisão de Infantaria italiana Cremona e os 20 da Divisão de Infantaria Friuli travaram um combate pesado com o Sturmbrigade Reichsführer SS alemão . A Sturmbrigade foi acompanhada pela 90ª Divisão Panzergrenadier e o 12º Batalhão de Pára-quedas italiano do 184º Regimento de Pára-quedas , que estavam se retirando da Sardenha através da Córsega, de Bonifácio ao porto norte de Bastia. Havia agora 30.000 soldados alemães na Córsega se retirando via Bastia. Em 13 de setembro, elementos da 4ª Divisão Marroquina da Montanha desembarcaram em Ajaccio para tentar deter os alemães. Durante a noite de 3 para 4 de outubro, as últimas unidades alemãs evacuaram Bastia, deixando para trás 700 mortos e 350 prisioneiros de guerra .

Batalha da Normandia - junho de 1944

Tropas britânicas em terra firme em La Breche, Normandia , França, 6 de junho de 1944

A Operação Overlord foi lançada em 6 de junho de 1944, com tropas desembarcando na Normandia. Ataques de 1.200 aviões precederam um ataque anfíbio por mais de 5.000 embarcações. Quase 160.000 soldados cruzaram o Canal da Mancha em 6 de junho.

Grandes quantidades de homens e equipamentos foram desembarcados nas praias da Normandia

A Batalha da Normandia foi ganha devido ao que ainda hoje é a maior operação logística de desembarque militar de todos os tempos; três milhões de soldados, principalmente americanos, britânicos, canadenses, australianos e kiwis, mas também outras forças aliadas , como as Forças da França Livre, Forças Armadas Polonesas no Ocidente , belgas, tchecoslovacos, holandeses e noruegueses cruzaram o Canal da Grã-Bretanha.

Algumas das unidades do Exército alemão que se encontraram nesta operação foram Ostlegionen , parte do alemão 243 e 709th divisões estática de infantaria, perto das Utah , Juno e Espada praias de invasão.

A organização de inteligência britânica, MI9 , criou a Operação Maratona para reunir aviadores abatidos em campos florestais isolados, onde esperariam seu resgate pelas forças militares aliadas que avançavam após a Invasão da Normandia em 6 de junho de 1944. A Linha Cometa , uma linha de fuga belga / francesa, operou os acampamentos na floresta com ajuda financeira e logística do MI9 , que também forneceu apoio para a Operação Bonaparte, outra linha de fuga e evasão para aviadores abatidos na Normandia.

Paris - agosto de 1944

Desfile na Champs Elysees , 26 de agosto de 1944 após a Libertação

A Libertação de Paris foi uma batalha militar urbana que ocorreu durante o período de uma semana de 19 de agosto de 1944 até que a guarnição alemã rendeu a capital francesa em 25 de agosto de 1944. Paris era governada pela Alemanha nazista desde a assinatura do Armistício em 22 Junho de 1940, após o qual a Wehrmacht ocupou o norte e o oeste da França .

Como a fase final da Operação Overlord ainda estava acontecendo em agosto de 1944, Eisenhower não estava considerando a libertação de Paris como um objetivo principal. O objetivo das forças armadas dos EUA e anglo-canadenses era destruir as forças alemãs e encerrar a Segunda Guerra Mundial na Europa, para permitir que os Aliados concentrassem seus esforços na guerra do Pacífico.

Levante - 15 de agosto

Veículos blindados da 2ª Divisão Blindada lutando no Palais Garnier , um tanque alemão em chamas (25 de agosto)

Quando a Resistência Francesa começou a se levantar em Paris contra os alemães em 15 de agosto, Eisenhower afirmou que era muito cedo para um ataque a Paris. Ele também estava ciente de que Hitler ordenara aos militares alemães que destruíssem completamente a cidade no caso de um ataque dos Aliados, e que Paris era considerada de grande valor, cultural e historicamente, para arriscar sua destruição.

Em 15 de agosto, funcionários do metrô de Paris , da Gendarmerie e da Polícia Nacional entraram em greve; os funcionários dos correios o seguiram no dia seguinte. Eles logo se juntaram a trabalhadores de toda a cidade, causando uma greve geral em 18 de agosto. Barricadas começaram a aparecer em 20 de agosto, com os combatentes da Resistência se organizando para sustentar um cerco. Caminhões foram posicionados, árvores cortadas e trincheiras foram cavadas no pavimento para liberar pedras de pavimentação para consolidar as barricadas.

As escaramuças atingiram o auge em 22 de agosto, quando algumas unidades alemãs tentaram deixar suas fortificações. Às 09:00 de 23 de agosto, sob as ordens de Dietrich von Choltitz , comandante da guarnição alemã e governador militar de Paris, os alemães abriram fogo no Grand Palais , um reduto da FFI, e tanques alemães dispararam contra as barricadas nas ruas . Adolf Hitler deu a ordem de infligir o máximo de dano à cidade.

Chegada dos aliados - 24-25 de agosto

A libertação começou quando o FFI encenou um levante contra a guarnição alemã após a abordagem do Terceiro Exército dos EUA do general Patton . Na noite de 24 de agosto de elementos do general Philippe Leclerc 's 2ª Divisão Blindada fizeram seu caminho para Paris e chegou ao Hôtel de Ville , pouco antes da meia-noite. Na manhã seguinte, 25 de agosto, a maior parte da 2ª Divisão Blindada e da 4ª Divisão de Infantaria dos EUA e outras unidades aliadas entraram na cidade. von Choltitz se rendeu aos franceses no Hôtel Meurice , a recém-criada sede francesa. de Gaulle chegou para assumir o controle da cidade.

Estima-se que entre 800 e 1.000 combatentes da Resistência foram mortos durante a Batalha de Paris e outros 1.500 ficaram feridos.

Rendição alemã - 25 de agosto

De Gaulle e sua comitiva passeiam pela Champs Élysées em 26 de agosto
28ª Divisão de Infantaria dos EUA no desfile do "Dia da Vitória" em 29 de agosto

Apesar das repetidas ordens de Adolf Hitler para que a capital francesa fosse destruída antes de ser abandonada, Choltitz se rendeu em 25 de agosto no Hôtel Meurice. Ele então assinou a rendição oficial na Prefeitura de Polícia de Paris . Choltitz mais tarde se descreveu em Is Paris Burning? ( Brennt Paris? ) Como o salvador de Paris, por não explodi-la antes de se render.

No mesmo dia, Charles de Gaulle , Presidente do Governo Provisório da República Francesa voltou ao Ministério da Guerra e fez um discurso empolgante para a multidão vinda do Hôtel de Ville. No dia seguinte ao discurso de de Gaulle , a 2ª Divisão Blindada do General Leclerc desfilou pela Champs-Élysées , enquanto de Gaulle descia o bulevar e entrava na Place de la Concorde . Em 29 de agosto, a 28ª Divisão de Infantaria do Exército dos EUA desfilou 24 horas lado a lado na Avenida Hoche até o Arco do Triunfo , depois desceu a Champs Élysées, saudada por uma multidão alegre.

A revolta em Paris deu ao recém-estabelecido governo da França Livre e de Gaulle , prestígio e autoridade suficientes para estabelecer uma República Francesa provisória, substituindo o regime caído de Vichy), que havia fugido para o exílio .

Sul da França - agosto de 1944

A frota de invasão da Operação Dragão na Riviera Francesa

Planejamento e metas

Quando planejada pela primeira vez, a campanha no sul da França e os desembarques na Normandia deveriam ocorrer simultaneamente - Operação Overlord na Normandia e "Anvil" (como a campanha do sul era originalmente chamada) no sul da França. Um pouso duplo logo foi reconhecido como impossível; a campanha do sul foi adiada. Os portos da Normandia tinham capacidade insuficiente para atender às necessidades de suprimento militar aliado e os generais franceses sob o comando de De Gaulle pressionaram por um ataque direto ao sul da França com a participação das tropas francesas. Apesar das objeções de Churchill, a operação foi autorizada pelos Chefes de Estado - Maior Combinados dos Aliados em 14 de   julho e agendada para 15 de   agosto.

O objetivo da campanha do sul da França, agora conhecida como Operação Dragão, era proteger os portos vitais da costa mediterrânea francesa (de Marselha e Toulon) e pressionar as forças alemãs com outra frente. O US VI Corpo de exército desembarcou nas praias da Riviera Francesa ( Côte d'Azur ) em 15 de agosto de 1944 protegido por uma grande força-tarefa naval, seguido por várias divisões do Exército francês B (comandado por Jean de Lattre de Tassigny .).

Eles foram combatidos pelas forças dispersas do Grupo de Exército Alemão G , ( Heeresgruppe   G ), que havia sido enfraquecido pela relocação de suas divisões para outras frentes e a substituição de seus soldados por terceiros equipados com equipamento obsoleto. O Exército estava fraco, a maioria das unidades tinha sido enviada para o norte mais cedo. As unidades que estavam presentes eram dispersas, compostas por unidades de segunda categoria da Europa oriental ( Ostlegionen ) com moral baixo e equipamento precário. As defesas costeiras foram melhoradas pelo regime de Vichy e posteriormente melhoradas pelos alemães depois que assumiram o poder em novembro de 1942.

Invasão aliada do sul da França na Operação Dragão

A FFI desempenhou um papel importante na luta. As forças terrestres e navais aliadas foram apoiadas por uma frota de 3470 aviões, a maioria estacionada na Córsega e na Sardenha.

Em 14 de agosto, pousos preliminares ocorreram nas Ilhas Hyères pela Primeira Força de Serviço Especial , uma unidade de forças especiais conjunta dos EUA e do Canadá, para proteger uma área de teste e para treinamento de aterrissagem anfíbia. Após resistência esporádica, levando a guarnição alemã para a parte oeste da ilha, os alemães se renderam em 17 de agosto. A Força foi transferida para o continente, passando a fazer parte da Primeira Força-Tarefa Aerotransportada . Enquanto isso, os comandos franceses estavam ativos no oeste na Operação Romeo e na Operação Span .

Jean de Lattre de Tassigny caminhando pela cidade libertada de Marselha

Impedidas pela supremacia aérea dos Aliados e por uma revolta em grande escala da FFI, as fracas forças alemãs foram derrotadas rapidamente. Os alemães retiraram-se para o norte através do vale do Ródano , para estabelecer uma linha de defesa estável em Dijon. Unidades móveis aliadas conseguiram ultrapassar os alemães e bloquear parcialmente sua rota na cidade de Montélimar . A batalha que se seguiu levou a um impasse, com nenhum dos lados capaz de alcançar um avanço decisivo, até que os alemães finalmente puderam completar sua retirada e retirada da cidade. Enquanto os alemães se retiravam, os franceses conseguiram capturar os importantes portos de Marselha e Toulon , colocando-os em operação logo em seguida.

Os alemães não conseguiram segurar Dijon e ordenaram uma retirada completa do sul da França. O Grupo de Exércitos   G recuou mais ao norte, perseguido pelas forças aliadas. A luta finalmente parou nas montanhas de Vosges , onde o Grupo de Exércitos   G foi finalmente capaz de estabelecer uma linha de defesa estável. Depois de se reunir com as unidades aliadas da Operação Overlord, as forças aliadas precisavam se reorganizar e, enfrentando a resistência alemã endurecida, a ofensiva foi interrompida em 14 de   setembro. A Operação Dragão foi considerada um sucesso pelos Aliados. Isso lhes permitiu libertar a maior parte do sul da França em apenas quatro semanas, enquanto infligia pesadas baixas às forças alemãs, embora uma parte substancial das melhores unidades alemãs conseguissem escapar. Os portos franceses capturados foram colocados em operação, permitindo aos Aliados resolver seus problemas de abastecimento logo em seguida.

França oriental - outono de 1944

Infantaria britânica do 1º Batalhão, Regimento de Hampshire cruzando o Sena em Vernon , 28 de agosto de 1944.

O Primeiro Exército canadense libertou a costa francesa da Normandia para os Países Baixos. Hitler ordenou às tropas que os ocupavam que os detivessem a todo custo, mas usando isolamento e bombardeio coordenado os portos foram reduzidos.

O combate na frente ocidental pareceu se estabilizar, e o avanço aliado paralisou na frente da Linha Siegfried ( Westwall ) e no sul do Reno. A partir do início de setembro, os americanos começaram uma luta lenta e sangrenta pela Floresta Hurtgen (descrita por Ernest Hemingway como " Passchendaele com rajadas de árvores" -) para romper a Linha.

As forças americanas lutaram de setembro até meados de dezembro para empurrar os alemães para fora da Lorena e por trás da Linha Siegfried. A travessia do rio Mosela e a captura da fortaleza de Metz foram difíceis para as tropas americanas diante dos reforços alemães, da escassez de suprimentos e do clima desfavorável. Durante setembro e outubro, o 6º Grupo de Exército Aliado ( Sétimo Exército dos EUA e Primeiro Exército Francês ) lutou uma difícil campanha nas montanhas de Vosges que foi marcada pela obstinada resistência alemã e avanços lentos. Em novembro, no entanto, a frente alemã quebrou sob a pressão, resultando em avanços repentinos dos Aliados que libertaram Belfort , Mulhouse e Estrasburgo , e colocaram as forças aliadas ao longo do Rio Reno . Os alemães conseguiram segurar uma grande cabeça de ponte (o Bolso de Colmar ), na margem ocidental do Reno e centrada em torno da cidade de Colmar . Em 16 de novembro, os Aliados começaram uma ofensiva de outono em grande escala chamada Operação Rainha . Com seu impulso principal novamente através da Floresta de Hürtgen , a ofensiva levou os Aliados ao Rio Rur , mas falhou em seus objetivos principais de capturar as represas de Rur e pavimentar o caminho para o Reno. As operações aliadas foram sucedidas pela ofensiva alemã nas Ardenas.

Bolsões de resistência alemã - até maio de 1945

Carro blindado do
exército francês que participou da libertação de La Rochelle em 1945. Musée d'Orbigny-Bernon

O bolsão de La Rochelle foi uma zona de resistência alemã no final da Segunda Guerra Mundial. Era composta pela cidade de La Rochelle, a base do submarino em La Pallice , da Île de Ré e da maior parte da Ile d'Oléron (a parte sul da ilha fazia parte do bolsão de Royan).

Vitória - 7 de maio de 1945

Journal American de 7 de maio de 1945 anunciando a Vitória na Europa ( Musée de la Reddition  [ fr ] )

A vitória na Europa foi alcançada em 7 de maio de 1945. Hitler cometeu suicídio em 30 de abril durante a Batalha de Berlim e a rendição da Alemanha foi autorizada por seu sucessor, o Reichspräsident Karl Dönitz, líder da administração secundária do Governo de Flensburg . O ato de rendição militar foi assinado pela primeira vez às 02:41 de 7 de maio no QG do SHAEF em Reims , e um documento ligeiramente modificado, considerado o instrumento alemão definitivo de rendição , foi assinado em 8 de maio de 1945 em Karlshorst , Berlim às 21:20 local Tempo.

O alto comando alemão emitirá imediatamente ordens a todas as autoridades militares, navais e aéreas alemãs e a todas as forças sob controle alemão para cessar as operações ativas às 23h01, horário da Europa Central, em 8 de maio de 1945 ...

Rescaldo

No outono de 1944, Paris e a parte norte da França estavam nas mãos dos Aliados após a campanha da Normandia, e a parte sul da França estava livre após o sucesso da Operação Dragão . Exceto por alguns bolsões do Atlântico, os Aliados estavam no controle total da França, liberando suas forças militares para empurrar para o leste através do Reno na Alemanha e em direção a Berlim.

Enquanto isso, a libertação da maior parte da França metropolitana desencadeou vários outros eventos sobrepostos. O Governo Provisório, já existente desde junho de 1944, voltou para a capital depois que Paris foi libertada no final de agosto, onde conduziu uma transição ordeira de volta ao governo republicano . O regime de Vichy realizou sua última reunião em 17 de agosto de 1944, antes de fugir para o exílio em Sigmaringen, Alemanha.

Na França, seguiu-se uma onda de agressões, execuções extrajudiciais e humilhações públicas de supostos colaboradores, principalmente de mulheres que tinham relações sexuais com homens alemães. Isso era conhecido como sauvage de épuração ("expurgo selvagem"). Pelo menos 20.000 mulheres francesas tiveram suas cabeças tosquiadas. Muitas mulheres na Normandia denunciaram estupros cometidos por soldados americanos .

Seguiu-se uma série de expurgos legais , ordenados por tribunais criados para o efeito. As primeiras eleições municipais livres desde antes da guerra foram organizadas pelo Governo Provisório em maio de 1945, e as mulheres votaram pela primeira vez. A nova Constituição da Quarta República Francesa foi aceita em outubro de 1946.

Fim de vichy

O governo de Vichy mudou-se para o castelo em Sigmaringen , Alemanha

Sob pressão do avanço das forças aliadas, Pierre Laval realizou o último conselho governamental em 17 de agosto de 1944, com cinco ministros. Com a permissão dos alemães, ele tentou chamar de volta a Assembleia Nacional anterior com o objetivo de dar-lhe o poder e, assim, impedir os comunistas e de Gaulle . Ele obteve a concordância do embaixador alemão Otto Abetz para trazer Édouard Herriot , (presidente da Câmara dos Deputados ) de volta a Paris. Mas os ultra- colaboracionistas Marcel Déat e Fernand de Brinon protestaram junto aos alemães, que mudaram de opinião e levaram Laval a Belfort em 20 de agosto de 1944 junto com os restos de seu governo, "para garantir sua segurança legítima", junto com Petain, e prenderam Herriot.

Uma comissão governamental dirigida por Fernand de Brinon foi proclamada em 6 de setembro. Em 7 de setembro, eles foram levados à frente do avanço das Forças Aliadas para fora da França para a cidade de Sigmaringen, onde outros oficiais de Vichy já estavam presentes, chegando no dia 8. Em vez de renunciar ao cargo, Pétain escreveu em uma carta aos franceses "Eu sou, e continuo moralmente, seu líder", mas isso era uma ficção.

O Castelo de Sigmaringen foi ocupado e usado pelo governo de Vichy no exílio de setembro de 1944 a abril de 1945. Pétain residia no castelo, mas recusou-se a cooperar e manteve-se praticamente reservado, e o ex-primeiro-ministro Laval também recusou. Apesar dos esforços dos colaboracionistas e dos alemães, Pétain nunca reconheceu a Comissão Sigmaringen. Os alemães, querendo apresentar uma fachada de legalidade, alistaram outros funcionários de Vichy, como Fernand de Brinon como presidente, junto com Joseph Darnand , Jean Luchaire , Eugène Bridoux e Marcel Déat.

Em 7 de setembro de 1944, fugindo do avanço das tropas aliadas na França, mil colaboradores franceses (incluindo uma centena de funcionários do regime de Vichy, algumas centenas de membros da milícia francesa , militantes do partido colaboracionista e a redação do jornal Je suis partout ), mas também oportunistas do jogo de espera também foram para o exílio em Sigmaringen.

A comissão tinha sua própria estação de rádio ( Radio-patrie, Ici la France ) e uma imprensa oficial ( La France , Le Petit Parisien ), e hospedava as embaixadas das potências do Eixo: Alemanha, Itália e Japão. A população do enclave era de cerca de 6.000, incluindo conhecidos jornalistas colaboracionistas, os escritores Louis-Ferdinand Céline e Lucien Rebatet , o ator Robert Le Vigan e suas famílias, bem como 500 soldados, 700 SS franceses, prisioneiros de guerra e trabalhadores da STO . Moradia inadequada, comida insuficiente, promiscuidade entre os paramilitares e falta de higiene facilitaram a propagação de numerosas doenças, incluindo gripe e tuberculose ) e uma alta taxa de mortalidade infantil, doenças que foram tratadas da melhor maneira possível pelos únicos dois médicos franceses, o Doutor Destouches, também conhecido por Louis-Ferdinand Céline e Bernard Ménétrel .

Em 21 de abril de 1945, o General de Lattre ordenou que suas forças tomassem Sigmaringen. O fim veio em poucos dias. No dia 26, Pétain estava nas mãos das autoridades francesas na Suíça e Laval havia fugido para a Espanha. Brinon, Luchaire e Darnand foram capturados, julgados e executados em 1947. Outros membros fugiram para a Itália ou Espanha.

Justiça e retribuição

Mulheres francesas acusadas de colaboração com o inimigo durante a ocupação são conduzidas pelas ruas de Paris descalças e com a cabeça raspada.

Expurgos extrajudiciais

Imediatamente após a libertação, a França foi varrida por uma onda de execuções, humilhações públicas, agressões e detenções de supostos colaboradores, conhecida como épuration sauvage (expurgo selvagem). Este período sucedeu à administração ocupacional alemã, mas precedeu a autoridade do governo provisório francês e, conseqüentemente, careceu de qualquer forma de justiça institucional. Aproximadamente 9.000 foram executadas, na sua maioria sem julgamento em execuções sumárias , incluindo nomeadamente os membros e líderes dos pró-nazistas milices . Em um caso, até 77 membros da milícia foram sumariamente executados de uma vez. Um inquérito sobre a questão das execuções sumárias lançado por Jules Moch , então Ministro do Interior, concluiu que houve 9.673 execuções sumárias. Um segundo inquérito em 1952 separou 8.867 execuções de supostos colaboradores e 1.955 execuções sumárias cujo motivo do assassinato não era conhecido, totalizando 10.822 execuções. Raspar a cabeça de mulheres como forma de humilhação e vergonha era uma característica comum dos expurgos, e entre 10.000 e 30.000 mulheres acusadas de ter colaborado com os alemães ou de ter relações com soldados ou oficiais alemães foram submetidas à prática, tornando-se conhecidas como mulheres tonsuradas ( femmes tondues ).

Expurgo legal

O oficial épuration légale ("expurgo legal") começou na sequência de um decreto de junho de 1944 que estabeleceu um sistema de três níveis de tribunais: um Tribunal Superior de Justiça que lidava com os ministros e funcionários de Vichy; Tribunais de Justiça para outros casos graves de suposta colaboração; e Tribunais Cívicos regulares para casos menores de suposta colaboração. Mais de 700 colaboradores foram executados em processos judiciais. Essa fase inicial dos julgamentos de expurgo terminou com uma série de leis de anistia aprovadas entre 1951 e 1953, que reduziram o número de colaboradores presos de 40.000 para 62, e foi seguido por um período de "repressão" oficial que durou entre 1954 e 1971.

Não existem estatísticas confiáveis ​​sobre o número de mortos. No limite inferior, uma estimativa é de que aproximadamente 10.500 foram executados, antes e depois da liberação. “Os tribunais de justiça proferiram cerca de 6.760 sentenças de morte, 3.910 à revelia e 2.853 na presença do arguido. Destes 2.853, 73 por cento foram comutados por de Gaulle e 767 efectuadas. Além disso, cerca de 770 execuções foram ordenadas pelo tribunais militares. Assim, o número total de pessoas executadas antes e depois da Libertação foi de aproximadamente 10.500, incluindo as mortas na sauvage de épuração ", incluindo membros e chefes das milícias . As forças dos EUA estimam o número de execuções sumárias após a libertação em 80.000. O Ministro do Interior francês, em março de 1945, afirmou que o número de executados foi de 105.000.

Eleições de maio de 1945

As eleições municipais francesas de 1945 foram realizadas em dois turnos, em 29 de abril e 13 de maio de 1945. Essas foram as primeiras eleições desde a libertação da França e as primeiras em que as mulheres podiam votar. Não houve eleições em quatro departamentos ( Bas-Rhin , Haut-Rhin , Moselle e Território de Belfort ) com lutas recentes que impediram a criação de listas eleitorais . Em Mosela, foram adiados para 23 e 30 de setembro, ao mesmo tempo que as eleições cantonais, porque o fim dos combates estava muito próximo. Essas dificuldades dificultaram muito a compilação de listas eleitorais que incluíssem mulheres, e havia muito poucas eleições parciais antes dessas datas históricas.

Contexto eleitoral

Enquanto a guerra ainda não havia terminado oficialmente (a rendição alemã de 8 de maio de 1945 foi assinada entre os dois turnos de votação), as eleições ocorreram em um contexto político e social difícil: a situação econômica permanecia muito precária, nem todos prisioneiros de a guerra havia voltado e muitas contas estavam sendo acertadas na vida política local. (Veja a seção Justiça e retribuição abaixo.)

Essas eleições foram o primeiro teste para a validade das instituições provisórias que emergiram da Resistência.

O sistema eleitoral vigente era o de maioria em dois turnos , exceto em Paris, onde as eleições eram realizadas pelo sistema proporcional . Esta eleição também foi marcada pela participação de mulheres pela primeira vez na França. Em 21 de abril de 1944, o direito de voto foi concedido às mulheres pelo Comitê Francês de Libertação Nacional, e confirmado pela portaria de 5 de outubro sob o Governo Provisório da República Francesa. Dada a ausência de 2 1/2 milhões de prisioneiros de guerra, deportados, trabalhadores do STO e a proibição do voto de soldados de carreira, o eleitorado nesta eleição foi composto por até 62% de mulheres (embora o número de 53% também seja citado ) Apesar da novidade das mulheres eleitoras, não houve nenhuma reação particular da mídia, em parte devido às dificuldades relacionadas ao período imediato do pós-guerra que eram mais preocupantes, como deportados devolvidos, campos de prisioneiros, racionamento de alimentos e assim por diante.

O referendo proposto aos franceses pelo Governo Provisório (GPRF) continha duas questões. A primeira propunha a elaboração de uma nova Constituição e, conseqüentemente, o abandono das instituições da Terceira República. Charles de Gaulle defendeu seu apoio, como todos os partidos políticos, exceto os radicais , que permaneceram fiéis à Terceira República. Em 21 de outubro de 1945, 96 por cento dos franceses votaram "sim" na primeira questão do referendo a favor da mudança das instituições: a Assembleia eleita naquele dia seria assim constituinte .

A questão do segundo referendo dizia respeito aos poderes desta Assembleia Constituinte. Temendo uma preponderância de comunistas no controle sobre ele, o que lhes permitiria legalmente instalar um poder de sua própria escolha, o General de Gaulle forneceu um texto que limitava estritamente suas prerrogativas: sua duração era limitada a sete meses, os planos constitucionais que ele elaboraria seriam ser submetido a referendo popular e, finalmente, só poderia derrubar o governo por meio de uma moção de censura votada pela maioria absoluta de seus membros. A maioria dos partidos apoiava de Gaulle na defesa de um voto "sim", incluindo o Movimento Republicano Popular (MRP), os socialistas e os moderados , enquanto os comunistas e radicais pressionavam pelo "não". No entanto, 66 por cento do eleitorado aprovou a limitação dos poderes da Assembleia votando "sim" no referendo.

Governo Provisório da República Francesa

O Governo Provisório da República Francesa foi a organização sucessora do Comitê Francês de Libertação Nacional. Serviu como governo interino da França Livre entre 1944 e 1946 e durou até o estabelecimento da Quarta República. A sua fundação marcou a restauração oficial e o restabelecimento de uma República Francesa provisória, garantindo a continuidade com a extinta Terceira República que se dissolveu em 1940 com o advento do regime de Vichy.

Conselho de Ministros do Governo Provisório reunido em Paris, 2 de novembro de 1945

O PGFR foi criado pelo Comitê de Libertação Nacional em 3 de junho de 1944, um dia antes de de Gaulle chegar a Londres vindo de Argel a convite de Winston Churchill, e três dias antes do Dia D. Retornou a Paris após a libertação da capital, onde seus objetivos de guerra e política externa eram garantir uma zona de ocupação francesa na Alemanha e um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas . Isso foi garantido por meio de uma grande contribuição militar na frente ocidental .

Além dos objetivos da guerra e da política externa, sua principal missão era preparar a transição para uma nova ordem constitucional, que acabou resultando na Quarta República. Também fez várias reformas e decisões políticas importantes, como conceder às mulheres o direito de voto , fundar a École Nationale d'administration e lançar as bases da seguridade social na França .

No que diz respeito à transição para uma nova República, o GPRF organizou as eleições legislativas francesas de 1945 para 21 de outubro de 1945, redigiu uma Constituição para apresentar ao público para aprovação e organizou o referendo constitucional em 13 de outubro de 1946, no qual foi adotado pelo eleitores, trazendo assim à existência a Quarta República.

Quarta República

Cartaz da campanha para o partido RPF de Charles de Gaulle : "Podemos superar isso; meus concidadãos franceses, votem pela
ardósia
Rassemblement du Peuple Français ". Litografia, Paris, 1944-1947

Com a maior parte da classe política desacreditada e contendo muitos membros que mais ou menos colaboraram com a Alemanha nazista, o gaullismo e o comunismo se tornaram as forças políticas mais populares na França.

O Governo Provisório (GPRF) governou de 1944 a 1946, com de Gaulle no comando. Enquanto isso, negociações ocorreram sobre a proposta de nova constituição, que seria submetida a um referendo. De   Gaulle defendeu um sistema de governo presidencialista e criticou o restabelecimento do que chamou pejorativamente de "o sistema de partidos". Ele renunciou em janeiro de 1946 e foi substituído por Felix Gouin da Seção Francesa da Internacional dos Trabalhadores (socialistas; SFIO). Em última análise, apenas o Partido Comunista Francês (PCF) e o socialista SFIO apoiaram o projeto de constituição, que previa uma forma de governo baseada no unicameralismo ; mas isso foi rejeitado no referendo de 5 de maio de 1946 .

Para as eleições de 1946 , o Rally of Left Republicans (RGR), que englobava o Partido Radical, a União Democrática e Socialista da Resistência e outros partidos conservadores, tentou sem sucesso se opor à aliança democrata-cristã e socialista MRP-SFIO-PCF. A nova assembleia constituinte incluiu 166 deputados do MRP, 153 deputados do PCF e 128 deputados da SFIO, dando à aliança tripartida uma maioria absoluta. Georges Bidault do MRP substituiu Felix Gouin como chefe do governo.

Um novo projeto de Constituição foi escrito, desta vez propondo o estabelecimento de uma forma de governo bicameral . Leon Blum, do SFIO, chefiou o GPRF de 1946 a 1947. Após uma nova eleição legislativa em junho de 1946, o democrata cristão Georges Bidault assumiu a liderança do Gabinete . Apesar   do chamado discurso de De Gaulle de Bayeux de 16 de junho de 1946 em que denunciava as novas instituições, o novo projeto foi aprovado por 53% dos eleitores que votaram a favor (com uma taxa de abstenção de 31%) no referendo de 13 de outubro de 1946 . Isso culminou no estabelecimento da Quarta República duas semanas depois, um arranjo em que o poder executivo residia essencialmente nas mãos do Presidente do Conselho (o primeiro-ministro). O Presidente da República recebeu um papel amplamente simbólico, embora permanecesse chefe do Exército francês e, como último recurso, pudesse ser chamado para resolver conflitos.

Impacto

Demográfico

Deportação de judeus durante a batida policial em Marselha , 23 de janeiro de 1943

As perdas da França durante a Segunda Guerra Mundial totalizaram 600.000 pessoas (1,44% da população), incluindo 210.000 mortes de militares por todas as causas e 390.000 mortes de civis devido a atividades militares e crimes contra a humanidade. Além disso, sofreram 390.000 militares feridos.

A vida judaica e a sociedade em geral tiveram que se ajustar a uma população reduzida de judeus franceses. Dos 340.000 judeus que viviam na França metropolitana / continental em 1940, mais de 75.000 foram deportados para campos de extermínio pelo regime de Vichy, onde cerca de 72.500 foram mortos.

Econômico

Após um período de penúria e dificuldades, a economia disparou, dando início ao que ficou conhecido como "Trente glorieuses" (30 anos gloriosos).

Plano Monnet

Após o fim da guerra, o Plano Monnet para reconstruir o país propôs dar à França o controle sobre as áreas alemãs de carvão e aço do Ruhr e Saar e usar esses recursos para levar a França a 150% da produção industrial anterior à guerra. O plano foi adotado por Charles de Gaulle no início de 1946. O plano limitaria permanentemente a capacidade econômica alemã e aumentaria muito o poder francês.

Quando diplomatas americanos lembraram aos franceses do efeito devastador que isso teria sobre a economia alemã, a resposta da França foi sugerir que os alemães teriam apenas que "fazer os ajustes necessários" para lidar com o inevitável déficit cambial. O "Plano Monnet" (1946–1950) foi com efeito o primeiro plano de cinco anos para modernização e equipamento, um plano de reconstrução econômica nacional que se baseou fortemente nos planos franceses anteriores de tornar a França o maior produtor de aço da Europa.

Judicial

Muitos líderes e colaboradores do regime de Vichy foram presos e alguns foram presos ou condenados à morte. A sentença de morte de Marshall Petain foi comutada para prisão perpétua devido ao seu status de herói da Primeira Guerra Mundial. Pierre Laval foi julgado e executado por um pelotão de fuzilamento em outubro de 1945.

Alguns ex-colaboradores escaparam de penalidades imediatas ou mesmo continuaram com vidas convencionais, como Maurice Papon , que foi preso e condenado em 1998 por crimes contra a humanidade por seu papel de deportação de judeus de Bordeaux. O criminoso de guerra alemão Klaus Barbie , conhecido como o "açougueiro de Lyon", foi extraditado da Bolívia em 1983. Ele foi levado a julgamento e condenado em 1987 a prisão perpétua em Lyon.

Historiográfico

Por décadas antes do período moderno dos anos 1970, a historiografia francesa foi dominada pelo pensamento conservador ou pró-comunista, nenhum deles muito inclinado a considerar os desenvolvimentos pró-democracia de base na libertação.

Houve pouco reconhecimento nos estudos franceses sobre a participação ativa do regime de Vichy na deportação dos judeus franceses, antes da tradução de 1973 da história de Robert Paxton da França de Vichy. Nas palavras do historiador francês Gérard Noiriel , o livro “teve o efeito de uma bomba, porque mostrava, com evidências, que o Estado francês havia participado da deportação de judeus para os campos de concentração nazistas, fato que havia sido encoberto pelos historiadores até então. "

A "revolução paxtoniana", como os franceses a chamavam, teve um efeito profundo na historiografia francesa. Em 1997, Paxton foi chamado como perito para depor sobre a colaboração durante o período de Vichy, no julgamento de Maurice Papon na França .

Social e cultural

Muitos estavam preocupados em fazer a vida voltar ao que era, "a l'identique", como foi descrito, mas os líderes disseram que a modernização era necessária. Como disse Jean Monnet : "Não temos escolha. A única alternativa para a modernização é a decadência." A questão de como isso seria não era óbvia e foi uma das questões centrais da política desde a libertação até a independência da Argélia.

A Segunda Guerra Mundial devastou a arte brilhante e a efervescência literária dos Années Folles na Paris dos anos 1920, bem como os muitos emigrados e refugiados artistas e escritores que se estabeleceram lá. Marc Chagall escapou para um local seguro com a ajuda do jornalista americano Varian Fry , mas teve sorte. Outros, como o poeta Max Jacob, foram enviados para o campo de Drancy, ou como Chaim Soutine, morreram enquanto se escondiam em Paris.

Após a libertação da França, artistas e escritores voltaram, mas seus temas não eram mais cores, surrealismo e Dada . Os existencialistas, em particular, expressaram o absurdo como uma epistemologia de escolhas morais ambíguas e uma rejeição da autoridade moral externa.


Político

A libertação da França teve um efeito profundo no futuro da política francesa.

Quarta República

O governo provisório manteve sua posição de que o regime de Vichy era ilegítimo e, portanto, considerou prioritário estabelecer um marco constitucional. O documento resultante reafirmou de forma categórica a Declaração dos Direitos do Homem e afirmou vários direitos adicionais, incluindo o direito de asilo , de sindicalização e de liberdade de associação. Desde as primeiras eleições municipais após a libertação da França, as mulheres passaram a ter o direito de votar e, a partir de então, durante a Quarta República .

A Quinta República hoje assenta nos direitos expressos no prefácio deste documento, que incorporou na sua constituição de 1958 e que ainda hoje se encontra em vigor.

partido Comunista

Os treinados e disciplinados Francs-Tireurs et Partisans colocados em jogo pela Internacional Comunista depois que Hitler invadiu a Rússia tanto ajudaram a balançar a luta quanto a dissipar a percepção anterior dos políticos de esquerda da Terceira República como ineficazes, um desdém que em certa medida havia sustentado a vontade daquele governo de buscar a ajuda do paternalista e tradicionalista Pétain, que conquistou o coração dos franceses priorizando a conservação das forças francesas, após feridas sangrentas e contundentes na frente oriental contra a Alemanha.

Geopolítica

Dado o importante papel desempenhado pelas Três Grandes na eventual vitória dos Aliados, a libertação da França e da Europa levou à geopolítica da Guerra Fria e à descolonização das ex-colônias francesas e de outras ex-colônias europeias na África e em outros lugares.

Descolonização

Embora Félix Éboué acreditasse que seu apoio à França Livre levaria a um novo relacionamento entre a França e a África francesa , os franceses inicialmente estavam inclinados a rejeitar a contribuição considerável das unidades africanas ao esforço de guerra. De fato, em 1º de dezembro de 1944, os gendarmes mataram um regimento de Tirailleurs Senegalais no campo de Thiaroye por reclamar de más condições e exigir o pagamento atrasado.

Marrocos e Tunísia , que foram protetorados franceses na Segunda Guerra Mundial, e com exceção de Casablanca, desempenharam um papel mais limitado na guerra, principalmente na campanha do Deserto Ocidental , foram capazes de negociar sua independência da França de forma relativamente rápida. A Argélia, no entanto, que desde 1848 era considerada parte integrante da França e tinha uma população considerável de colonos franceses, sofreu uma extensa e sangrenta guerra de independência .

Uma série de eventos começando em 8 de maio de 1945, o mesmo dia em que a Alemanha nazista se rendeu, desencadeou uma demanda crescente pela independência. Cerca de 5.000 muçulmanos desfilaram em Sétif , uma cidade mercantil a oeste de Constantino , para celebrar a vitória. A gendarmaria francesa local tentou apreender faixas que atacavam o domínio colonial e eclodiram tumultos. As represálias indiscriminadas francesas que se seguiram geraram mais denúncias do domínio colonial.

Veja também

Notas

Referências

Trabalhos citados

Leitura adicional

  • Aron, Robert. França renascida; a história da libertação, junho de 1944 a maio de 1945 (1964) online
  • Diamond, Hanna e Simon Kitson, eds. Vichy, resistência, libertação: novas perspectivas na França durante a guerra (Bloomsbury, 2005).
  • Gordon, Bertram M. Dicionário Histórico da França da Segunda Guerra Mundial: A Ocupação, Vichy e a Resistência, 1938-1946 (1998).
  • Jackson, Julian . França: The Dark Years, 1940-1944 (Oxford UP, 2004).
  • Paxton, Robert. Vichy France: Old Guard, New Order, 1940-1944 (Knopf, 1972). conectados

Aliados

  • Berthon, Simon. Aliados em guerra: a amarga rivalidade entre Churchill, Roosevelt e de Gaulle . (2001). conectados
  • Bourque, Stephen Alan. Beyond the Beach: The Allied War Against France (Naval Institute Press, 2018).
  • Dodd, Lindsey e Andrew Knapp. “'Quantos franceses você matou?' Política britânica de bombardeio contra a França (1940-1945) " French History (2008) 22 # 4 pp 469-492.
  • Dougherty, James. The Politics of Wartime Aid: American Economic Assistance to France and French Northwest Africa, 1940-1946 (Greenwood, 1978).
  • Funk, Arthur L. "Churchill, Eisenhower e a Resistência Francesa." Journal of Military History 45.1 (1981): 29+.
  • Hurstfield, Julian G. America and the French Nation 1939-1945 (U North Carolina Press, 1986). conectados
  • Kersaudy, François . Churchill e De Gaulle (2ª ed. 1990) online
  • Pratt, Julius W. "De Gaulle and the United States: How the Rift Began", History Teacher (1968) 1 # 4 pp. 5-15 in JSTOR
  • Rossi, Mario. Roosevelt e os franceses (Praeger, 1994).
  • Rossi, Mario. "United States Military Authorities and Free France, 1942–1944," Journal of Military History (1997) 61 # 1 pp. 49–64 em JSTOR

Biográfico

  • Clayton, Anthony. Três marechais da França: Leadership After Trauma (Brassey's, 1992) em Alphonse Juin, Jean de Lattre de Tassigny e Philippe Leclerc de Hauteclocque.
  • Fenby, Jonathan . O General: Charles de Gaulle e a França que ele salvou. (Simon e Schuster. 2011), história popular; conectados
  • Funk, Arthur Layton. Charles de Gaulle : The Crucial Years, 1943–1944 (1959) edição online
  • Jackson, Julian , A Certain Idea of ​​France: The Life of Charles de Gaulle (2018) 887pp; a última biografia
  • Weinberg, Gerhard L. Visões da Vitória: As Esperanças de Oito Líderes da Segunda Guerra Mundial. (2005). 292 pp. Capítulo sobre de Gaulle

Colaboração

  • Hirschfeld, Gerhard e Patrick Marsh, eds. Colaboração na França: Política e Cultura durante a Ocupação nazista, 1940-1944 (Berg, 1989).
  • Novick, Peter. A resistência contra Vichy: o expurgo de colaboradores na França libertada. (Columbia UP, 1968).

Unidades militares coloniais

Vida cotidiana

  • Gildea, Robert. Marianne in Chains: Daily Life in the Heart of France Durante the German Occupation (Metropolitan Books, 2002).
  • Vinen, Richard. The Unfree French: Life Under the Occupation (Yale UP, 2006).

Economia

  • Broch, Ludivine. Trabalhadores comuns, Vichy e o Holocausto: ferroviários franceses e a Segunda Guerra Mundial (Cambridge UP, 2016).
  • Broch, Ludivine. “Profissionalismo na Solução Final: Trabalhadores Ferroviários Franceses e as Deportações Judaicas, 1942-1944” História Europeia Contemporânea (2014) 23: 3.
  • Brunet, Luc-André. "A nova ordem industrial: Vichy, aço e as origens do Plano Monnet, 1940-1946" (PhD. Diss. The London School of Economics and Political Science (LSE), 2014) online .
  • Imlay, Talbot C., Martin Horn e Talbot Imlay. A Política de Colaboração Industrial durante a Segunda Guerra Mundial: Ford França, Vichy e Alemanha nazista (Cambridge UP, 2014).

Alemães

  • Imlay, Talbot. "O lado alemão das coisas: bolsa recente sobre a ocupação alemã da França." French Historical Studies 39.1 (2016): 183-215.
  • U Laub, Thomas J. Após a queda: política alemã na França ocupada, 1940-1944 (Oxford UP, 2010).

Invasões

  • Caddick-Adams, Peter . Areia e Aço: A Invasão do Dia D e a Libertação da França (Oxford UP, 2019).
  • Cross, Robin. Operação Dragoon: The Allied Liberation of the South of France: 1944 (Pegasus Books, 2019).
  • Holanda, James . Normandia '44: Dia D e a batalha épica de 77 dias pela França. Uma nova história (2019)
  • Keegan, John Six Armies in Normandy: From D-Day to the Liberation of Paris (1994) online
  • Tucker-Jones, Anthony. Operação Dragoon: The Liberation of Southern France 1944 (Casemate, 2010).
  • Wilkins, Thomas Stow. "Analisando a guerra de coalizão de uma perspectiva política intra-aliança: a campanha da Normandia de 1944." Journal of Strategic Studies 29 # 6 (2006): 1121-1150.
  • Wilt, Alan F. "The Summer of 1944: A comparation of Overlord and Anvil / Dragoon." Journal of Strategic Studies 4.2 (1981): 187-195.

Judeus e minorias

  • Echenberg, Myron. "'Morts Pour la France'; O soldado africano na França durante a Segunda Guerra Mundial." Journal of African History (1985): 363-380 online .
  • Marrus, Michael R. e Robert O. Paxton. Vichy France and the Jewish (1981) online
  • Woodfork, Jacqueline. "'É um crime ser um tirailleur no exército': o impacto do status civil senegalês no exército colonial francês durante a segunda guerra mundial." Journal of Military History 77.1 (2013).
  • Zuccotti, Susan. O Holocausto, os franceses e os judeus (Basic Books, 1993).

Regiões e localidades

  • Cipko, Serge. "Solo sagrado: a libertação da Alsácia-Lorena, 1944-1946." Past Imperfect (1994), Vol. 3, pp. 159-184. conectados
  • Diamond, Hanna. "O Retorno da República: Fotografia de Multidão e a Libertação em Toulouse, 1944-1945." French Politics, Culture & Society 37.1 (2019): 90-116.
  • Kedward, Harry Roderick. In Search of the Maquis: Rural Resistance in Southern France 1942-1944 (Clarendon Press, 1993).
  • Knutson, Elizabeth e Michael MacQueen. "Regional Identity and German Policy in Alsace 1940-1944." Contemporary French Civilization 18.2 (1994): 151-166.
  • Moorehead, Caroline. Vila de segredos: desafiando os nazistas em Vichy, França (Random House, 2014), uma vila no leste da França
  • Reid, Donald. "Un village français: imaginando vidas na França ocupada." French Cultural Studies 30.3 (2019): 220-231.
  • Sica, Emanuele. Exército de Mussolini na Riviera Francesa: a ocupação italiana da França (U of Illinois Press, 2015). revisão online
  • Smith, Jean Edward. The Liberation of Paris: How Eisenhower, De Gaulle, and Von Choltitz Saved the City of Light (Simon & Schuster), 2020.
  • Zaretsky, Robert. Nîmes em guerra: religião, política e opinião pública no Gard, 1938-1944 (1995) online

A resistência

  • Ehrlich, Blake. Resistência; França 1940-1945 (1965) online
  • Kedward, HR e Roger Austin, eds. Vichy France and the Resistance: Culture & Ideology (Croom Helm, 1985).
  • Kedward, HR Resistance in Vichy France: um estudo de ideias e motivação na Zona Sul, 1940-1942 (Oxford UP, 1978).
  • Kedward, HR "Patriots and Patriotism in Vichy France." Transactions of the Royal Historical Society 32 (1982): 175-192 online. (assinatura necessária)
  • Kedward, HR "Mapping the Resistance: An Essay on Roots and Routes." França moderna e contemporânea 20.4 (2012): 491-503.

Mulheres, família, gênero

  • Diamond, Hannah. Mulheres e a Segunda Guerra Mundial na França 1939-1948 (1999); argumenta que não foi uma libertação para as mulheres.
  • Dodd, Lindsey. Crianças francesas sob as bombas aliadas, 1940–45: Uma história oral (Manchester UP, 2016).
  • Gorrara, Claire. Representações femininas da ocupação na França pós-68 (Macmillan, 1998).
  • Jakes, Kelly. "Canções de Nossos Pais: Gênero e Nação na Libertação da França." Rhetoric & Public Affairs 20.3 (2017): 385-420 online .
  • Rossiter, Margaret L. Women in the Resistance (Praeger, 1986).
  • Schwartz, Paula. "A política de comida e gênero na Paris ocupada." França Moderna e Contemporânea 7.1 (1999): 35-45. conectados
  • Vigili, Fabrice. Shorn Women: Gender and Punishment in Liberation France (Berg, 2002).
  • Weitz, Margaret Collins. Irmãs da Resistência: como as mulheres lutaram para libertar a França, 1940-1945 (Wiley, 1995).
  • Weitz, Margaret Collins. "Como eu era então: Mulheres na Resistência Francesa." Contemporary French Civilization 10.1 (1986): 1-19.

Historiografia, memória e comemoração

  • Berkvam, Michael L. Escrevendo a História da França na Segunda Guerra Mundial: Literatura e Memória, 1942-1958 (University Press of the South, 2000).
  • Fishman, Sarah. França em guerra: Vichy e os historiadores (Berg Publishers, 2000).
  • Footitt, Hilary. Guerra e libertação na França: vivendo com os libertadores (Springer, 2004).
  • Golsan, Richard. Afterlife de Vichy: History and Counterhistory in Postwar France (U of Nebraska Press, 2000).
  • Herman, Gerald e Claude Bouygues. "A libertação da França, refletida na filatelia." Civilização Francesa Contemporânea (1988) 12 # 1 pp 108–128.
  • Kedward, HR e Nancy Wood, eds. The Liberation of France: Image and Event (Berg Publishers, 1995).
  • Kedward, HR "Resisting French Resistance". Transactions of the Royal Historical Society 9 (1999): 271-282. conectados
  • Knapp, Andrew. "A destruição e libertação de Le Havre na memória moderna." War in History 14.4 (2007): 476-498.
  • Peschanski, Denis. "Legitimacy / Legitimation / Delegitimation: France in the Dark Years, a Textbook Case." Contemporary European History (2004): 409-423 online .
  • Rousso, Henry. A Síndrome de Vichy: História e Memória na França desde 1944 (Harvard UP, 1991).
  • Wood, Nancy. "Memorial Militancy in France: 'Working-Through' or the Politics of Anacronism?" Padrões de preconceito . (1995), vol. 29 Edição 2/3, páginas 89–103.

Fontes primárias

  • De Gaulle, Charles. War Memoirs: Call to Honor, 1940–1942 ( L'Appel ). Tr. por Jonathan Griffin. Collins, Londres, 1955 (2 volumes). Viking Press, Nova York, 1955.
    • De Gaulle, Charles. War Memoirs: Unity, 1942–1944 ( L'Unité ). Tr. por Richard Howard (narrativa) e Joyce Murchie e Hamish Erskine (documentos). Weidenfeld & Nicolson, Londres, 1959 (2 volumes). Simon & Schuster, Nova York, 1959 (2 volumes).
    • De Gaulle, Charles. War Memoirs: Salvation, 1944–1946 ( Le Salut ). Tr. por Richard Howard (narrativa) e Joyce Murchie e Hamish Erskine (documentos). Weidenfeld & Nicolson, Londres, 1960 (2 volumes). Simon & Schuster, Nova York, 1960 (2 volumes).
      • Cairns, John C. "General de Gaulle and the Salvation of France, 1944-46," Journal of Modern History (1960) 32 # 3 pp. 251-259 na revisão do JSTOR sobre War Memoirs
  • Giangreco, DM, Kathryn Moore e Norman Polmar, eds. Testemunha ocular Dia D: relatos em primeira mão do desembarque na Normandia até a libertação de Paris (2005) 260 pp.
  • de Tassigny, Jean de Lattre. The History of the French 1st Army (Traduzido por Malcolm Barnes) (G. Allen e Unwin, 1952).

links externos